Faça do seculodiario.com sua home

Siga
Twitter Facebook RSS

PUBLICIDADE

Prefeituta de Aracruz
Livro Polmeranos
Corregedores receberam pedidos de acompanhamento de questões como a nomeação de servidores e a devolução de pagamentos irregulares

Conselho recebe denúncias sobre penduricalhos durante inspeção no MP capixaba

A pouco mais de um mês das eleições, os principais candidatos ao governo do Estado mantêm a campanha morna

Papo de Repórter

Casagrande e Hartung seguem evitando o confronto direto

Sem data marcada, Iema, MPES e Prefeitura de Vila Velha vão se reunir para decidir que ações tomar em relação à Liquiport

Prazo para retirada de tanques em Paul se esgotou há um mês

O procurador-geral de Justiça, Eder Pontes, entrou com Adin contra lei estadual que garante remuneração e benefícios iguais para membros do MPC

Ministério Público quer barrar isonomia com membros do MP de Contas

Para o Sindipúblicos, a lei de greve foi desvirtuada e a decisão judicial não levou em consideração os pleitos da categoria

Greve dos servidores públicos ocorrida em abril é considerada ilegal

Estado civil deixa desabrigado sem aluguel social em Aracruz
Genivaldo Rodrigues dos Santos receberia o benefício da prefeitura até a construção de casas populares, mas foi cortado do programa por ser solteiro

Flávia Bernardes

22/08/2013 16:41 - Atualizado em 27/08/2013 17:17


Uma das vítimas da truculenta desocupação do bairro Nova Esperança, em Aracruz, norte do Estado, em 2011, não irá mais receber o salário social que estava sendo pago pela administração municipal porque é solteiro. A denúncia foi feita nesta quinta-feira (21) pela ONG Barra do Riacho, que se reúne semanalmente com os desabrigados na tentativa de cobrar o início das obras das casas populares prometidas pela prefeitura ainda na gestão do ex-prefeitos Ademar Devens (PMDB). 
 
Segundo o presidente da ONG, Herval Nogueira, a prefeitura cortou o benefício alegando que Genivaldo é solteiro, não possui família e, portanto, não teria direito ao salário social. 
 
“Cada hora eles colocam um impedimento. Eles entram na sua casa e se você não tem nenhum móvel eles cortam porque dizem que você não merece a verba. Se entram e dão de cara com um sofá novo eles não pagam sob a alegação de que você tem condição financeira. É a forma da prefeitura se omitir do problema”, denunciou  
 
 
O líder comunitário contou que Genivaldo se encontra acampado na mesma quadra para onde foram levadas as famílias de Nova Esperança, em 2011, quando após uma ação truculenta do Batalhão de Missões Especiais (BME), 300 famílias tiveram suas casas destruídas. “Ocorre que agora é só ele e a quadra, que por sinal, já está tomada de usuários de droga de tão abandonada que está”, contou Herval. 
 
Ele explica que a prefeitura vem dificultando o início das obras. “A prefeitura alega que há um desencontro entre o projeto e o PDM da cidade, que a porta do banheiro não pode dar na cozinha e neste conflito, não libera a área para a construção. No mesmo momento, vem colocando obstáculos para o pagamento do aluguel social, deixando todos os desalojados de Nova Esperança na iminência de não terem mais pra aonde ir”, contou.
 
Segundo Herval, após reunião entre a comunidade que vivia em Nova Esperança e o Ministério Público Estadual (MPES), o órgão deverá entrar com um pedido de mandado de segurança para que sejam iniciadas as obras de construção das casas. 
 
Além disso, uma nova reunião será realizada entre os moradores para organizarem uma ação radical contra o que foi classificado como “desmandos da administração pública municipal”. 
 
De acordo com Herval, no Termo de Ajuste de Conduta assinado pela prefeitura para garantir moradia aos desabrigados, não há nenhum dispositivo excluindo pessoas solteiras de receberem aluguel social. Pelo contrário, segundo o líder comunitário, o acordo prevê a cobertura do benefício para todos os desalojados de Nova Esperança, caso de Genivaldo. 

PUBLICIDADE

  

PUBLICIDADE

Editorial

Lei do silêncio

Imprensa nacional pede explicações sobre palestras de Marina. Enquanto isso, no Espírito Santo, Hartung segue calado sobre consultorias

Na polarização da disputa ao governo, um assunto é proibido: o ES-2030  continua sendo inquestionável pelos candidatos

Renata Oliveira

Intocável

Na polarização da disputa ao governo, um assunto é proibido: o ES-2030 continua sendo inquestionável pelos candidatos

A eleição presidencial se encaminha para um mano-a-mano entre duas mulheres

Geraldo Hasse

Bruxas soltas

A eleição presidencial se encaminha para um mano-a-mano entre duas mulheres

Empreendimentos da Manabi já têm aval do Ibama, só falta cumprir o protocolo

Manaira Medeiros

Dona do jogo

Empreendimentos da Manabi já têm aval do Ibama, só falta cumprir o protocolo

Em época de campanha política, fica a dica...

Ivana Medeiros Zon

O que dá voto?

Em época de campanha política, fica a dica...

A entidade divulgou um excelente panfleto sobre o plebiscito, mas a distribuição do material deixou a desejar

Caetano Roque

A CUT acordou e dormiu de novo

A entidade divulgou um excelente panfleto sobre o plebiscito, mas a distribuição do material deixou a desejar

BLOGS

E-mails não autorizados.

MOVIMENTO
Alvaro Nazareth

Sinal dos tempos

E-mails não autorizados.