Faça do seculodiario.com sua home

Siga
Twitter Facebook RSS

PUBLICIDADE

Prefeituta de Aracruz
Livro Polmeranos
A pouco mais de um mês das eleições, os principais candidatos ao governo do Estado mantêm a campanha morna

Papo de Repórter

Casagrande e Hartung seguem evitando o confronto direto

O procurador-geral de Justiça, Eder Pontes, entrou com Adin contra lei estadual que garante remuneração e benefícios iguais para membros do MPC

Ministério Público quer barrar isonomia com membros do MP de Contas

Para o Sindipúblicos, a lei de greve foi desvirtuada e a decisão judicial não levou em consideração os pleitos da categoria

Greve dos servidores públicos ocorrida em abril é considerada ilegal

Candidato à reeleição voltou a fazer menção a casos de corrupção na Era Hartung, mas sem citar o nome do antecessor

‘A melhor forma de combater a corrupção é o governador dar exemplo’, cutuca Casagrande

Documento foi protocolado pelo grupo SOS Ambiental nessa segunda-feira, no Comdema, solicitando providências do secretário Cleber Guerra

Entidade quer comprovação de que Vale cumpriu condicionantes em licenciamento da 8ª usina

Justiça absolve ex-deputados estaduais por suposto abuso em gastos com combustível
Juiz entendeu que os ex-deputados Délio Iglesias, Fátima Couzi, Marcos Gazzani e Geovani Silva não extrapolaram a cota de gabinete para abastecimento de carros oficiais, em 2006

Nerter Samora

09/09/2013 14:32 - Atualizado em 11/09/2013 17:25


O juiz da 3ª Vara dos Feitos da Fazenda Pública Estadual, Gustavo Marçal da Silva e Silva, absolveu quatro ex-deputados estaduais – Délio Iglesias, Fátima Couzi, Marcos Gazzani e Geovani Silva – em uma ação de improbidade administrativa pelo suposto abuso nos gastos com abastecimento de veículos oficiais. Na decisão publicada nesta segunda-feira (9), o magistrado alegou que os parlamentares não extrapolaram a cota máxima de cada gabinete para gastos com combustível na época dos fatos, em 2006.

A denúncia foi ajuizada pelo Ministério Público Estadual (MPE) há mais de quatro anos, em agosto de 2009. Na época, a promotoria indicou a possibilidade de existir irregularidades no uso do cartão de abastecimento durante o mês de julho de 2006, como a aquisição de gasolina acima do limite do tanque do veículo, registro de mais de um pagamento em mesmo dia ou abastecimento mediante recibo com a apresentação posterior do cartão.

No entanto, o juiz enquadrou as condutas listadas pelo MPE após sindicância interna da Assembleia Legislativa como “meras irregularidades administrativas”, que não se enquadram dentro do conceito de improbidade. “Corroboram com esse entendimento os depoimentos das testemunhas, oportunidade na qual afirmam que o sistema de abastecimento dos cartões de combustíveis era instável, bem como havia falta de informação quanto ao próprio uso dos cartões EasyCard, já que se tratava de um sistema recentemente adotado pela Assembleia Legislativa”, diz a decisão.

Durante a análise dos gastos com combustível, único ponto “passível” de improbidade, o juiz também rechaçou os termos da denúncia. Nos autos do processo, o Ministério Público alegava que os deputados teriam efetuado gastos acima do permitido. A ação se baseou em um ato da Mesa Diretora da Assembleia, do ano de 2004, que limitou o abastecimento dos veículos locados para atender aos gabinetes dos deputados em 400 litros mensais. No entanto, o juiz Gustavo Marçal entendeu que os efeitos daquela norma haviam sido revogados por novo ato da Mesa, publicado no ano seguinte.

Pelo novo regulamento, a limitação mensal de litros acabou sendo revogada, passando a ser fixada uma cota mensal de R$ 8,8 mil para cada gabinete. Levando em conta esse limite máximo de gastos, o magistrado considerou que nenhum dos quatro denunciados teria extrapolado essa cota. A Justiça apurou que os ex-parlamentares teriam gastos entre R$ 3,18 mil a R$ 5,07 mil no período investigado, valor que seria compatível com o consumo dos veículos utilizados – em torno de cinco quilômetros por litro.

“Não ficou comprovado o enriquecimento ilícito e o prejuízo à administração pública, como também violação aos princípios administrativos. Isto porque, conforme dito, os gastos com abastecimento respeitaram os atos normativos vigentes sobre o tema, não tendo ultrapassado a cota disponibilizada para cada gabinete, bem como porque as demais irregularidades apontadas não se enquadram dentro do conceito de improbidade, ficando apenas no campo da irregularidade, ante a ausência de má-fé”, afirmou o juiz Gustavo Marçal.

A decisão ainda cabe recurso por parte do Ministério Público. Antes do arquivamento definitivo, o caso deve ser apreciado pelo Tribunal de Justiça, uma vez que a sentença está sujeita ao chamado duplo grau de jurisdição.

PUBLICIDADE

  

PUBLICIDADE

Editorial

Lei do silêncio

Imprensa nacional pede explicações sobre palestras de Marina. Enquanto isso, no Espírito Santo, Hartung segue calado sobre consultorias

Na polarização da disputa ao governo, um assunto é proibido: o ES-2030  continua sendo inquestionável pelos candidatos

Renata Oliveira

Intocável

Na polarização da disputa ao governo, um assunto é proibido: o ES-2030 continua sendo inquestionável pelos candidatos

A eleição presidencial se encaminha para um mano-a-mano entre duas mulheres

Geraldo Hasse

Bruxas soltas

A eleição presidencial se encaminha para um mano-a-mano entre duas mulheres

Empreendimentos da Manabi já têm aval do Ibama, só falta cumprir o protocolo

Manaira Medeiros

Dona do jogo

Empreendimentos da Manabi já têm aval do Ibama, só falta cumprir o protocolo

Em época de campanha política, fica a dica...

Ivana Medeiros Zon

O que dá voto?

Em época de campanha política, fica a dica...

A entidade divulgou um excelente panfleto sobre o plebiscito, mas a distribuição do material deixou a desejar

Caetano Roque

A CUT acordou e dormiu de novo

A entidade divulgou um excelente panfleto sobre o plebiscito, mas a distribuição do material deixou a desejar

BLOGS

Mas, promova para valer.

MOVIMENTO
Alvaro Nazareth

Promova, promotor

Mas, promova para valer.