Seculo

 

Fórum Popular divulga manifesto contra lei do PDM de Vila Velha


14/09/2013 às 18:37
O Fórum Popular em Defesa de Vila Velha (FPDVV) publicou nessa sexta-feira (13) um manifesto para esclarecimento sobre as últimas movimentações do Executivo e da Câmara de Vereadores sobre o Plano Diretor Municipal (PDM). A entidade igualou a proposta do Projeto de Lei (PL) 035/13 do prefeito Rodney Miranda (DEM) à do seu antecessor Neucimar Fraga (PV), ambos com objetivos claros de alterar radicalmente os parâmetros urbanos da cidade. 
De acordo com o manifesto, o processo, que passou despercebido pela mídia corporativa, foi feito sem o devido processo de consulta à sociedade civil, como estabelece a Lei Orgânica do Município e o Estatuto da Cidade. 
 
O Fórum ressalta que a sociedade civil organizada só ficou sabendo na iniciativa enviada pelo Executivo à Câmara de Vereadores dois dias antes da sua votação. E ainda a surpresa diante dos acordos firmados anteriormente com a prefeitura.  
 
De acordo com a entidade, em 28 de maio de 2012, o Tribunal de Justiça do Estado (TJES) votou a inconstitucionalidade de 13 artigos do PDM de 2007, mas a nova lei aprovada no município praticamente traz à tona  os mesmos artigos. Com a declaração de inconstitucionalidade, disse a entidade, esperava-se um esforço da prefeitura na retomada do debate com a sociedade. "Entretanto, a administração foi relativamente lenta neste processo, e em abril do corrente ano, encaminhou um projeto de lei para regulamentar os artigos que substituiriam as questões consideradas inconstitucionais (o PL 009/2013), sem qualquer diálogo com a sociedade".
 
O PL  em questão chegou a ser retirado de votação na Câmara e encaminhado para debate em uma única audiência pública, realizada em abril, sendo posteriormente freado pelo efeito de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin), em maio deste ano.  
 
“Com isto a maioria dos projetos aprovados no governo anterior seriam legalizados e liberados segundo a legislação anterior à Adin. O Tribunal de Justiça se manifestou de forma unânime, rejeitando a petição da Câmara. Só a partir daí houve um esforço concreto do município para regulamentar os 13 artigos, o que ocorreu após uma reunião no Ministério Público entre setor da construção civil, o Fórum Popular em Defesa de Vila Velha e representantes da Câmara. Fruto deste acordo foi aprovado na Câmara a Lei 5.430, regulamentando os treze artigos, em 28 de junho”, pontuou a entidade.
 
Ocorre, porém, que logo depois a sociedade civil organizada foi surpreendida por um novo PL. Segundo o Fórum, o Executivo ignorou a decisão do TJ, o processo de debate iniciado em 2011 e a própria Lei 5.430 e fez votar, em 5 de setembro, a Lei 5.44, estabelecendo parâmetros urbanísticos para os projetos protocolados até 28 de maio de 2012, restabelecendo para estes o mesmo regime urbanísticos dos artigos declarados inconstitucionais, "numa clara afronta ao movimento popular, ao Ministério Público e ao próprio Tribunal de Justiça".
 
O Fórum lembra que chegou a recorrer ao MPES, que fez nota recomendatória à Câmara pedindo a retirada do projeto da pauta de votação e o necessário debate sobre o assunto. Mas os pedidos foram ignorados e o projeto foi à votação em regime de urgência, com o voto favorável de 13 dos 14 vereadores presentes. "Note-se que este projeto também não foi submetido ao Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano [Comdur]”. 
 
Para a entidade, a iniciativa do Executivo e a anuência da Câmara é arbitrária. “O Fórum popular vem a público denunciar este fato e pedir a urgente mobilização de todos os que lutam por uma ocupação ordenada da cidade segundo parâmetros que considerem não apenas o interesse privado, mas principalmente, uma cidade ambientalmente equilibrada e com qualidade de vida”, concluiu. .

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
CMV
Blindagem coletiva

Greve dos professores não reforçou apenas o perfil antidemocrático do prefeito, mas também a omissão da Câmara de Vitória. Só Roberto Martins enxerga o óbvio?

OPINIÃO
Editorial
'Gestão compartilhada'
Ofensiva de Luciano Rezende contra movimento dos professores revela autoritarismo e inabilidade política
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
JR Mignone
O voto facultativo
Atual insatisfação com a política seria uma chance para começar a estudar a implantação do voto facultativo?
Roberto Junquilho
Que novo é esse?
O presidenciável do PRB, Flávio Rocha, apresenta velhas fórmulas de gestão e envolve jovens lideranças
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Para, relógio
MAIS LIDAS

Blindagem coletiva

STF mantém interrupção de pagamento de gratificação a procuradores de Justiça no ES

Que novo é esse?

Professores encerram greve, mas movimento reivindicatório continua em Vitória

MAB: 'Falta organização e profissionalismo na Fundação Renova'