Faça do seculodiario.com sua home

Siga
Twitter Facebook RSS

PUBLICIDADE

Prefeitura da Serra
Livro Polmeranos
Orientação é que Defensorias de todo o País criem núcleos de atendimento à mulher vítima de violência doméstica

Defensorias se comprometem a fortalecer combate à violência contra a mulher

Bate-papo com o oceanógrafo Eric Mazzei, que acompanha o processo, tem o objetivo de informar surfistas e a população sobre o projeto

Encontro em Vitória discute impactos da instalação do porto da Manabi

Cada núcleo tem em média mil títulos. As obras ficarão à disposição de estudantes e da comunidade

Projeto Leitura para Todos vai criar 16 salas de leitura nas escolas de Vitória

Para eleger ao menos um senador na região mais rica do País, a nacional do partido não se incomoda que o petista cole sua imagem à de Paulo Hartung

João Coser passa a ser 'candidato único' do PT na Região Sudeste

Crescimento mostra que falar em viés de queda nas mortes violentas ainda é precipitado

Número de homicídios no Estado aumenta no primeiro semestre de 2014

Caminho errado
O PT nacional mostra que não aprendeu a lição e vai novamente entrar em um palanque vulnerável para a campanha de Dilma

Renata Oliveira

06/11/2013 12:58 - Atualizado em 07/11/2013 13:59


O encontro da presidente Dilma Rousseff com o senador Ricardo Ferraço e o ex-governador Paulo Hartung  nessa quarta-feira (6), é um indicativo de que, como ela mesma afirmou, a aliança nacional entre PT e PMDB vai se sobrepor às articulações locais para a eleição do próximo ano. Enquanto os acordos de gabinete são costurados em Brasília, as lideranças que atuam nos partidos no Estado ainda resistem em deixar o palanque do governador Renato Casagrande (PSB). 
 
Essa movimentação da presidente revela a apreensão do grupo em relação à reeleição de Dilma no próximo ano. O ex-presidente Lula é quem está articulando os palanques de Dilma nos Estados. Embora o Espírito Santo não traga mudanças significativas para o resultado da eleição, a manobra consiste em enfraquecer os aliados de Eduardo Campos, no caso o governador Renato Casagrande.  Mas a estratégia do PT parece equivocada em vários aspectos:
 
1. Casagrande se comprometeu com a neutralidade, o que serviria muito bem ao palanque de Dilma, já que os petistas no palanque de Casagrande poderiam muito bem fazer a campanha para a presidente. 
 
2. O governador lidera a corrida eleitoral e deve ampliar sua margem com o reforço dos prefeitos e candidatos proporcionais, que querem permanecer em seu palanque. Os prefeitos são os principais indutores de votos nos municípios, podendo fortalecer muito mais a campanha presidencial.
 
3. A presidente Dilma parece ter esquecido que o então governador Paulo Hartung tirou foto com ela na frente do Palácio Anchieta, mas se esquivou de fazer campanha para a petista em 2010. Ele também saiu pela tangente na hora de fazer a campanha do segundo turno para Lula em 2006. 
 
4. O grupo de Hartung sempre responsabilizou o governo federal pelos problemas estruturais no Estado, como a obra do aeroporto de Vitória. Mesmo com a avaliação do Tribunal de Contas da União (TCU) sobre as irregularidades do consórcio e das empreiteiras do Estado na obra, o então governador Paulo Hartung jogou a culpa pelo atraso das obras nas costas do governo federal.
 
Essas entre outras situações mostram que o PT nacional está escolhendo um caminho tortuoso para a eleição. Somado ao fato de o eleitorado capixaba não ser simpático à candidatura petista. Lula e Dilma já amargaram derrotas por aqui. Se a estratégia é confiar que Hartung vai erguer um palanque fiel no Espírito Santo para a presidente, seria melhor pesquisar o histórico da relação do governador com a classe política do Estado e de fora antes de bater o martelo. 
 
Fragmentos:
 
1 – Na próxima segunda-feira (11), às 19 horas, o PSDB realiza um evento no Guararema Clube, em Linhares. As lideranças do partido esperam reunir militantes dos municípios vizinhos: Aracruz, Fundão, Ibiraçu, João Neiva, Rio Bananal, Sooretama e Vila Valério. 
 
2 – Com a ida de Sérgio Borges para o Tribunal de Contas, o governador Renato Casagrande finalmente encaixa Esmael Almeida em um espaço político. Ele vinha procurando uma forma de acomodá-lo desde sua saída da Assembleia no início do ano, quando Rodrigo Coelho (PT) retornou para o Legislativo.
 
3 – Um fórum empresarial em Vila Velha vai reunir na semana que vem o governador Renato Casagrande e o antecessor e futuro (provável) adversário em 2014 Paulo Hartung, no Centro de Convenção do município. 

Outras colunas

12/07/2014 - Recapitulando

O embate eleitoral entre Casagrande e Hartung está marcado desde 28 de abril de 2010


11/07/2014 - Carona

Nada de ranço tucano, Hartung está com Aécio para se beneficiar do favoritismo do presidenciável no Estado


Outras colunas de Renata Oliveira

PUBLICIDADE

  

PUBLICIDADE

Editorial

As 'guardiãs' da Justiça

Quando se tem uma enxurrada de processos nas costas, convém ter um bom anteparo para ''filtrar'' as pendengas judiciais

Casagrande tem que parar de ‘chove não molha’ no embate com Hartung

Rogério Medeiros

O confronto ou nada

Casagrande tem que parar de ‘chove não molha’ no embate com Hartung

“Por que pagar um dólar por um marcador de livros?”

Wanda Sily

Sem culpa nos cartórios

“Por que pagar um dólar por um marcador de livros?”

Nesta eleição, debate ambiental será restrito, mais uma vez, ao Psol

Manaira Medeiros

Dedo na ferida

Nesta eleição, debate ambiental será restrito, mais uma vez, ao Psol

BLOGS

Para apagar o passado, condena-se o futuro.

MOVIMENTO
Alvaro Nazareth

Açodamento indébito

Para apagar o passado, condena-se o futuro.