Faça do seculodiario.com sua home

Siga
Twitter Facebook RSS

PUBLICIDADE

anuncio seculo
A programação exibe filmes novos e clássicos nacionais. No destaque, <i>Entreturnos</i>, do capixaba Edson Ferreira

Cine Metrópolis retoma programação gratuita nesta segunda-feira

A ONG quer que os deputados que receberam doação de poluidoras se declarem impedidos de participar da comissão

Juntos SOS ES Ambiental pede suspeição de deputados da CPI do Pó Preto

Promotores do Gaeco vão avaliar o questionamento do ex-presidente da Assembleia sobre o uso da quebra do sigilo, declarada invalida pelo STJ

Ministério Público abre procedimento para avaliar legalidade de provas contra investigados da Era Gratz

Prefeito entrega posto da Guarda Municipal (foto), ponte e asfalta ruas: problema é que o ano também começou com greves

Com imagem avariada, prefeito Rodney Miranda inicia 2015 com inaugurações em Vila Velha

À medida que a faixa etária do consumidor sobe, aumenta também a resistência pelas compras on-line

Pesquisa da CNI: 74% dos brasileiros não fazem compras pela internet

Serra tem 467 mil habitantes, mas não tem um teatro
Movimento ‘Quero um Teatro na Serra’ reivindica um espaço para a classe na cidade mais populosa do ES

Henrique Alves

12/11/2013 11:55 - Atualizado em 19/11/2013 15:45


Dia desses usamos argumento semelhante para falar de Vila Velha. Agora é a Serra. O hoje mais populoso município do Espírito Santo, com 467.318 habitantes (IBGE, 2013) tem apenas nove salas de cinema (em shoppings) e nenhum teatro público. Foi a surreal ausência de um espaço teatral numa cidade com quase meio milhão de habitantes que estimulou a formação do movimento Quero um Teatro na Serra.
 
“Não ter um teatro na Serra é não respeitar o direito à cultura, que é um direito constitucional”, critica o produtor cultural Rogério Morais, integrante do movimento, que nasceu para sensibilizar políticos e empresários acerca da importância do solo serrano conceber um teatro. Informalmente, Rogério diz que hoje o município conta com mais ou menos 15 grupos teatrais. 
 
Morais evoca um paradoxo. A bem-vinda Lei Chico Prego, a lei do incentivo cultural do município, todo ano contempla projetos teatrais. Mas onde os contemplados desenvolvem as ideias, se não há teatro? Aí entra em cena o improviso, com o perdão do trocadilho. Ou vão para a rua, ou se arrumam noutro lugar qualquer. O fato é que pouco adianta ganhar um edital para honrá-lo tropegamente.
 
O movimento surgiu da óbvia insatisfação de um grupo de artistas serranos com tal orfandade. Não apenas pela falta de um espaço conveniente para a concepção, maturação e apresentação de um trabalho. Mas também como uma alternativa de entretenimento para a população serrana, que, aliás, não deve mais suportar ter sua cidade associada à violência.
 
De acordo com o Mapa da Violência 2013, realizado com dados levantados em 2011, entre os municípios brasileiros com mais de 20 mil habitantes, a Serra ocupa a 18° posição na taxa de homicídios por grupo de 100 mil. São 93,3 homicídios. O município apresenta números ainda mais desalentadores para os jovens: com 239,9 homicídios, a Serra aparece em 10° lugar entre os 100 municípios com mais de 10.000 jovens.
 
O movimento também apresenta o argumento econômico. “Não é só acesso ao teatro, mas também a economia da cultura. Quando se investe em cultura, há geração de renda”, defende Morais.
 
Ainda não houve resposta de políticos ou empresários. Mas a mobilização já conquistou a simpatia de outros artistas capixabas, como se vê no Facebook do movimento: inúmeros artistas deram seu apoio à causa (como o jornalista e cronista Jace Theodoro, o desenhista e dramaturgo Milson Henriques, o ator José Luiz Gobbi e sua indefectível Creuzodete).
 
A mobilização online do movimento também gerou posts interessantes na rede social: bastou pegar o (bom) exemplo de municípios de população bem inferior à da Serra, mas que dispõem de teatro (Rio Novo do Sul, 12 mil moradores; Guaçuí, 28 mil; Cachoeiro, 210 mil; Montanha, 18 mil; Afonso Cláudio, 32 mil).
 
Já houve uma tentativa de dar um teatro ao município. Saiu da pena do arquiteto Oscar Niemeyer o Memorial Metropolitano, projeto que conta com mirante, teatro e museu. Mas o valor da obra, orçada em cerca de R$ 70 milhões, desanima, tanto que, em 2012, a prefeitura acenou com o modelo de parceria público privada (PPP) para levá-la adiante.
 
Além da exclusão do que o movimento chama de “corredor cultural”, isto é, o conjunto de cidades que possuem um teatro e que, portanto, recebem produções locais e nacionais, há também um processo de acomodação do desenvolvimento cultural serrano. A falta de espaço adequado compromete a formação de novos artistas. Os artistas teatrais serranos ainda têm Vitória como eixo.
 
Alguns possíveis locais já foram sondados. O bairro de Laranjeiras seria um bom local. “Ali tem muitos terrenos da prefeitura, é de fácil acesso e tem o terminal de ônibus”, aponta Morais.
 
O principal também já foi pensado: o teatro. Vislumbra-se um espaço que integre diversas manifestações. Um espaço para o circo, uma sala para oficinas, uma para reuniões, outra para o audiovisual e uma galeria para as artes visuais. Só falta o poder público e os empresários sacarem qual é da ideia.

PUBLICIDADE

  

PUBLICIDADE

Editorial

CPIs contaminadas

A CPI do Pó Preto tem um membro financiado pelas poluidoras; já o presidente da CPI do Transcol responde a processo criminal por irregularidades em concessão de linhas de ônibus

As movimentações do primeiro mês de mandato têm criado saias justas entre os deputados estaduais

Renata Oliveira

Clima pesado

As movimentações do primeiro mês de mandato têm criado saias justas entre os deputados estaduais

O tratamento editorial do noticiário do dia a dia

JR Mignone

Duas capas

O tratamento editorial do noticiário do dia a dia

BLOGS