Faça do seculodiario.com sua home

Siga
Twitter Facebook RSS

PUBLICIDADE

Prefeituta de Aracruz
Livro Polmeranos
A Vale é a campeã do ranking divulgado pelo <i>Valor Econômico</i>, mas usa outras empresas do grupo para dificultar identificação

Rose e Iriny estão entre os candidatos mais financiados por mineradoras até agora

Este é um caminho espinhoso, mas pode beneficiar quem mostrar mais controle da situação sem descambar para a difamação

Na reta final, campanha fecha o foco na comparação pessoal entre Casagrande e Hartung

Governo tem prazo de 60 dias para a instalação dos aparelhos que vão ser usados para coibir o agenciamento e plantões de serviços funerários na região

Justiça determina a instalação de câmeras no entorno do Departamento Médico Legal

O site vai ganhar uma nova funcionalidade que irá auxiliar a conexão entre os coletivos locais. O evento será neste sábado (20), no Instituto TamoJunto

Portal DNA urbano promove evento para divulgar nova plataforma

Nos últimos 10 anos, o número de veículos cresceu 124% nas quatro principais cidades da região

À margem da mobilidade na Grande Vitória, cicloativistas organizam ações para o Dia Mundial Sem Carro

Prefeitura de Vitória lançará edital para estudos do Projeto Acquário
Localização do parque marítimo, que servirá como novo ponto turístico da Capital, é motivo de críticas da sociedade civil

Any Cometti

10/12/2013 18:54 - Atualizado em 17/12/2013 22:15


No próximo dia 27, a Prefeitura de Vitória lançará o edital para contratação dos estudos de viabilidade técnica e econômica do Projeto Acquário Vitória. A Prefeitura pretende que o local, uma espécie de “oceanário” que reunirá várias espécies da vida marinha dos quatro oceanos (Atlântico, Ártico, Índico e Pacífico), seja um centro de pesquisas científicas em parceria com o Instituto de Oceanografia da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) e também um local para visitação de turistas e de moradores. O projeto do Acquário é desenvolvido pela Companhia de Desenvolvimento de Vitória (CDV).
 
Segundo o prefeito Luciano Rezende (PPS), o edital prevê que os estudos definam a localização, o modelo de negócio, a viabilidade técnica, questões ambientais e o custo do projeto. A proposta de ocupação de um espaço da Praça do Papo, como anunciado anteriormente, motivou críticas da sociedade civil organizada.

Os moradores da Capital não querem que um espaço já existente e consolidado de uso público seja sacrificado. Eles sugeriram que o parque fosse construído na área atrás do Shopping Vitória e, inclusive, entregaram sugestões de uso para as áreas voltadas ao mar ao prefeito, em uma das primeiras reuniões do Gabinete Itinerante, projeto implantado na sua gestão. Em manifestações nas redes sociais, os moradores defenderam que o uso da área atrás do Shopping também seria uma forma de preservar a região do crescimento desordenado da cidade.
 
A área em questão, conhecida como ZEE8, é palco de um enfrentamento entre os moradores da região e o Grupo Buaiz, que quer construir torres residenciais e comerciais na região. Entretanto, o projeto está paralisado por conta de uma recusa da população durante uma audiência pública em 2012, mesma ocasião em que foi reivindicado que a área fosse devolvida ao Exército para construção de equipamentos de lazer. A região foi uma doação ao Grupo Buaiz.
 
A sociedade civil organizada encontra respaldo nas propostas do economista e professor da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), Arlindo Villaschi, que defende o melhor aproveitamento de espaços vazios da Capital, o que aumenta a competitividade turística e a qualidade de vida para moradores e visitantes da cidade.
 
Villaschi propõe a criação do Museu do Mar e do Aquário Municipal na área em questão e declara que implantar o parque marítimo na Praça do Papa seria o mesmo que implantar o aquário no Parque Moscoso, no Centro, ou na Curva da Jurema, por exemplo. Ao invés de substituir as poucas áreas de lazer existentes, ele defende a criação de novas áreas. 
 
A previsão é de que o projeto de implantação do novo ponto turístico e de pesquisa tenha três fases e, já na primeira, a Prefeitura terá a noção exata da implantação ou não do projeto. Será neste momento que acontecerão os estudos preliminares do projeto. A segunda fase será de desenvolvimento do projeto executivo de arquitetura e urbanismo e dos projetos complementares de engenharia. E a terceira será a execução das obras e a implantação modular do Acquário.

PUBLICIDADE

  

PUBLICIDADE

A destruição de documentos é um expediente permitido pela Constituição, mas deveria?

Renata Oliveira

Segredos

A destruição de documentos é um expediente permitido pela Constituição, mas deveria?

De um jeito ou de outro, é sempre o povo que paga a conta

Wanda Sily

O azar dá sorte

De um jeito ou de outro, é sempre o povo que paga a conta

Precisamos melhorar a autoestima do rádio

JR Mignone

Captadas

Precisamos melhorar a autoestima do rádio

BLOGS

Conduta dos consumidores apontam queda da atividade econômica.

MOVIMENTO
Alvaro Nazareth

Recessão à vista.

Conduta dos consumidores apontam queda da atividade econômica.