Faça do seculodiario.com sua home

Siga
Twitter Facebook RSS

PUBLICIDADE

Sarlo Imoveis
Vindo do Rio de Janeiro, Paulo Postiço espalha sua arte por telas e muros do Estado

Na guerrilha do grafite: o desafio de fortalecer a cena local da arte de rua

Dado do IBGE evidenciar a importância dos debates sobre mobilidade na região que concentra o PIB do Estado

Mais de 220 mil pessoas se deslocam pela GV a trabalho ou estudo

Empresa usou o mar para despejo de minério de quatro de suas oito usinas de pelotização de minério, destruindo o ambiente

MPF requer à Justiça Federal que a Vale retire minério de ferro lançado em Camburi

Deputado Bruno Lamas (PSB) destaca o perfil diferenciado dos parlamentares novatos na Assembleia Legislativa

‘Eu me preparei para pautar o mandato na Educação’

Quatro comissões parlamentares de inquérito foram criadas de fevereiro para cá, mas o que há por trás dos trabalhos dos deputados?

Interesses políticos devem influir nos desfechos das CPIs da Assembleia Legislativa

Justiça manda prender advogado e decisão gera impasse sobre local de prisão
Sem Sala de Estado Maior, o advogado Gustavo Bassini, acusado de descumprir a ordem judicial, passou a noite numa sala improvisada na Corregedoria da PM

Nerter Samora

10/01/2014 14:01 - Atualizado em 11/01/2014 21:11


O advogado Gustavo Bassini Schwartz foi preso novamente no final da tarde dessa quinta-feira (9). Ele acusado de ter descumprido as medidas cautelares impostas pela Justiça na ação penal que responde pelo suposto crime de adulteração da placa de seu veículo. O mandado de prisão preventiva foi expedido pelo juiz Eliazer Costa Vieira, da 3ª Vara Criminal de Vila Velha, sob alegação de que a manutenção da liberdade do advogado colocaria em risco a tramitação do caso. Ele foi detido em sua residência no bairro Prainha, em Vila Velha.

Na decisão, o juiz citou trechos de postagens do advogado em redes sociais (Facebook) para justificar a expedição do novo mandado de prisão. Gustavo Bassini também teria realizado uma viagem para fora do Estado, e até mesmo se envolvido em confusões em um bar, localizado na Mata da Praia, em Vitória, após as 22 horas, o que seria vedado pelas medidas cautelares expedidas pelo juízo, que obrigavam Bassini a não sair dos limites da Grande Vitória e circular nas ruas depois das 22 horas.

Em contato com a reportagem de Século Diário, a mãe do advogado, Gláucia Bassini, contesta as provas que levaram ao novo pedido de prisão do filho, que também responde a acusações de estelionato por parte de ex-clientes. “Eles não poderiam ter usado as informações publicada do Facebook”, alegou Gláucia,que esteve na manhã desta sexta-feira (10) com Bassini.

A nova prisão do advogado gerou um impasse, já que a ordem de prisão determinava que ele fosse encaminhado para uma Sala de Estado Maior, como prevê o Estatuto da Advocacia. Por conta do Estado não possuir uma cela especial, Bassini foi encaminhado para o Quartel da Polícia Militar, em Maruípe, onde já havia ficado 35 dias preso no ano passado.

No início da noite, a defesa do advogado chegou a entrar com pedido de prisão domiciliar no plantão judicial do Tribunal de Justiça do Estado (TJES), mas a solicitação foi rejeitada pela juíza Fabíola Casagrande Simões. Na decisão, a magistrada determinou somente que o advogado fosse detido em uma "sala adequada". Com isso, Gustavo Bassini foi transferido para uma sala improvisada no prédio da Corregedoria da PM, ao lado do quartel, onde passou a noite sob escolta de policiais civis.

A defesa do advogado cita uma medida cautelar da Justiça Federal, que pede a rigorosa observação do Estatuto da Advocacia. A prisão foi acompanhada por um representante da Ordem dos Advogados do Brasil no Estado (OAB-ES), o conselheiro federal Luiz Claudio Allemand. Não há informações sobre a apresentação de um novo pedido de habeas corpus em favor do advogado preso.

Por conta de fatos ocorridos durante a primeira prisão do advogado, em junho passado, o juízo da 5ª Vara Federal Cível de Vitória condenou a instituição ao pagamento de indenização no valor de R$ 150 mil por danos morais a Gustavo Bassini pela “omissão dolosa”, durante o período em que esteve preso no quartel. A Ordem havia anunciado, à época, que iria recorrer da decisão.

Contradição

Além dos questionamentos de Gustavo Bassini que, segundo relatos de sua mãe, não poderia ter sido preso com base em informações postadas nas redes sociais, o advogado também teria comentado não ter entendido a presença do delegado Danilo Bahiense na Chefatura da Polícia Civil para onde foi inicialmente conduzido.

A denúncia do delegado contra Bassini corre na Vara da Central de Inquéritos de Vitória. O delegado alega que estava sendo ameaçado pelo advogado. Em virtude da ação, a Justiça determinou sanções ao advogado. Bassini deve se apresentar bimestralmente na vara; está proibido de sair da Grande Vitória sem autorização judicial; além de ser obrigado a guardar distância de 500 metros do delegado. 

PUBLICIDADE

  

Editorial

Questão de semântica

O secretário de Segurança trocou a palavra cortar por racionalizar. André Garcia aposta que o jogo semântico seja suficiente para contornar as críticas da população

 O processo eleitoral de 2016 se dará em uma situação bem adversa para quem estiver no poder e os concorrentes já se movimentam

Renata Oliveira

Eleição à vista

O processo eleitoral de 2016 se dará em uma situação bem adversa para quem estiver no poder e os concorrentes já se movimentam

Se sua maior preocupação é ser assaltado no sinal fechado, saiba que tem mais fraudes e transações ilegais acontecendo na Internet

Wanda Sily

Caça às bruxas

Se sua maior preocupação é ser assaltado no sinal fechado, saiba que tem mais fraudes e transações ilegais acontecendo na Internet