Seculo

 

Maratona Aquática atenta para poluição no mar da Capital


07/02/2014 às 16:54
A Associação dos Amigos da Praia de Camburi (AAPC) realiza, neste domingo (9), mais um evento em defesa da região. A Maratona Aquática pela Despoluição da Baía do Espírito Santo terá a largada da Praia da Costa, em Vila Velha, com concentração a partir das 7h30.
 
Os nadadores seguirão até a Praia de Camburi, na altura do Clube dos Oficiais. Antes será feita uma pausa na Ilha do Socó para um abraço simbólico. O Corpo de Bombeiros e outras embarcações, incluindo uma escuna, prestarão apoio aos 80 participantes da maratona, já previamente inscritos. Também haverá a assistência de uma ambulância e será montada uma tenda de apoio ao final do percurso.
 
Paulo Pedrosa, presidente da AAPC, lembra que a maratona é um protesto pela despoluição de todo o mar que banha a região da Grande Vitória, por isso, o percurso parte do município vizinho. A Praia de Camburi, relata, sofre com o derramamento de esgoto vindo da lagoa Pau Brasil, na Serra, e do Rio Santa Maria da Vitória, que deságua ao final da praia, no Canal da Passagem, debaixo da Ponte de Camburi.
 
Além disso, Pedrosa afirma que o projeto Águas Limpas, da Companhia Espírito Santense de Saneamento (Cesan), deveria ter sido finalizado em 2013, conforme previsões da própria Cesan apresentadas nos anos de 2010 e 2011. Hoje, a Praia de Camburi continua sofrendo influência do esgoto doméstico. Pedrosa estima que cerca de 50% do efluente que era lançado na praia antes do início do projeto permanece tendo a localidade como destino final.
 
Outro problema persistente na Praia de Camburi é o passivo ambiental composto por pelotas e pó de minério de ferro da Vale, lançados ao mar na década de 1970. Segundo Pedrosa, o Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema) e a Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semmam) pediram estudos complementares para a despoluição do local, que deverá ser feita pela própria mineradora. Esses estudos deverão ser entregues até o mês de março deste ano. A Vale já demonstrou que tem preferência pelo aterramento do material. Para a AAPC, essa solução não resolve o problema, já que, dessa forma, o minério continuará degradando a região. A associação quer que a Vale faça a dragagem e o descarte seguro do material.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

OPINIÃO
Editorial
Repelindo más notícias
Não será surpresa se o governo transformar o escândalo da compra de repelentes na Saúde em caso exemplar de combate à corrupção
Renata Oliveira
Muita calma nessa hora
Remover Ferraço da presidência da Assembleia é uma manobra que exige uma complexa engenharia
Geraldo Hasse
A madre superiora manda recado
Tirar das cadeias os presos provisórios pode ser o primeiro passo para a implantação da Justiça
JR Mignone
Chatices do verão
Para quem está de férias, ainda passa, mas para quem está trabalhando...
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Mais que mil palavras!
Flânerie

Manuela Neves

As primeiras artes de Luizah Dantas nas paredes da casa de Branca
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Não basta excluir os pobres, é preciso matá-los?
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Com abraços e pipocas
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Hartung condiciona troca de partido à reforma política, mas não convence classe política

Vereadores pedem isenções fiscais e transparência para retroagir aumento da passagem em Vitória

Assembleia não tem nome 'independente' para presidir a Mesa Diretora

Justiça determina que inspetores suspendam negativa de recebimento de presos em unidades

Troféu da crise