Seculo

 

Maratona Aquática atenta para poluição no mar da Capital


07/02/2014 às 16:54
A Associação dos Amigos da Praia de Camburi (AAPC) realiza, neste domingo (9), mais um evento em defesa da região. A Maratona Aquática pela Despoluição da Baía do Espírito Santo terá a largada da Praia da Costa, em Vila Velha, com concentração a partir das 7h30.
 
Os nadadores seguirão até a Praia de Camburi, na altura do Clube dos Oficiais. Antes será feita uma pausa na Ilha do Socó para um abraço simbólico. O Corpo de Bombeiros e outras embarcações, incluindo uma escuna, prestarão apoio aos 80 participantes da maratona, já previamente inscritos. Também haverá a assistência de uma ambulância e será montada uma tenda de apoio ao final do percurso.
 
Paulo Pedrosa, presidente da AAPC, lembra que a maratona é um protesto pela despoluição de todo o mar que banha a região da Grande Vitória, por isso, o percurso parte do município vizinho. A Praia de Camburi, relata, sofre com o derramamento de esgoto vindo da lagoa Pau Brasil, na Serra, e do Rio Santa Maria da Vitória, que deságua ao final da praia, no Canal da Passagem, debaixo da Ponte de Camburi.
 
Além disso, Pedrosa afirma que o projeto Águas Limpas, da Companhia Espírito Santense de Saneamento (Cesan), deveria ter sido finalizado em 2013, conforme previsões da própria Cesan apresentadas nos anos de 2010 e 2011. Hoje, a Praia de Camburi continua sofrendo influência do esgoto doméstico. Pedrosa estima que cerca de 50% do efluente que era lançado na praia antes do início do projeto permanece tendo a localidade como destino final.
 
Outro problema persistente na Praia de Camburi é o passivo ambiental composto por pelotas e pó de minério de ferro da Vale, lançados ao mar na década de 1970. Segundo Pedrosa, o Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema) e a Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semmam) pediram estudos complementares para a despoluição do local, que deverá ser feita pela própria mineradora. Esses estudos deverão ser entregues até o mês de março deste ano. A Vale já demonstrou que tem preferência pelo aterramento do material. Para a AAPC, essa solução não resolve o problema, já que, dessa forma, o minério continuará degradando a região. A associação quer que a Vale faça a dragagem e o descarte seguro do material.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem
OPINIÃO
Editorial
Educação não é mercadoria
Justiça fica do lado da comunidade escolar e obriga governo do Estado a reabrir escolas e trumas
Wanda Sily
Acerto de rota
Um passeio é para relaxar e desfrutar, em vez de se tornar uma arena para crise conjugal
Renata Oliveira
Escolha um lado
Será que a lealdade ao governo resiste em ano eleitoral com seca nas bases?
Geraldo Hasse
A joia da coroa no chão
Com o preço do barril de petróleo abaixo de US$ 30, ficou uma pechincha comprar ações da Petrobrás
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Igreja transforma vida de LGBTs em “inferno”, diz padre que saiu do armário

Flânerie

Manuela Neves

Pausa para balanço e um feliz ano novo
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Aos leitores

Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.



MAIS LIDAS

Max Filho reafirma compromisso do PSDB com a candidatura de Luiz Paulo

Cadê? Cadê?

Crime da Samarco/Vale-BHP completa três meses com planos para retomar operações em Mariana e Anchieta

Educação não é mercadoria

Câmara vai investigar suposto crime de racismo contra vereador