Seculo

 

Com escrita simples e ritmada, escritora lança livro de crônicas


15/06/2014 às 00:20
Natasha Siviero é uma escritora de miudezas, de pequenices, ou melhor, de banalidades. É dessa forma que ela mesma se identifica em uma das suas crônicas em Baliza de Navio (2013), seu primeiro livro lançado pela Secretaria de Estado de Cultura (Secult). 
 
Embora as crônicas sejam baseadas em eventos cotidianos, o diferencial da escritora talvez esteja na forma como ela aborda situações de sua própria vida, muitas vezes, lançando no texto nomes de seus familiares e amigos. Baliza de Navio é quase um diário e o leitor chega a se sentir íntimo da escritora, mas não se pode esquecer que se trata de uma obra literária e, portanto, de ficção. 
 
Baliza de Navio pode ser considerado um livro de autoficção, uma tendência muito comum na literatura contemporânea, mas que não é novidade. Afinal, a matéria prima da literatura é a vida. Mesmo que pareça que Natasha se expõe totalmente em seu livro, a partir do momento em que ela põe as palavras no papel, a verdade não existe mais. 
 
Ao mesmo tempo em que a escrita de Natasha tem esse caráter espontâneo e confessional, ela também é bastante trabalhada. Percebe-se uma preocupação na escolha das palavras e, principalmente, na pontuação que confere um ritmo peculiar nos seus textos.
 
Dentro dessa teia de eventos cotidianos, uma crônica em especial se destaca. "Sal" se apresenta com uma prosa poética e com uma linguagem metafórica que destoa das demais. Mas o estranhamento com esse texto é apenas inicial, porque logo se percebe o estilo da escritora nesse conto.
 
Apesar de Baliza de Navio ser seu livro de estreia, um ano antes do lançamento da Secult, em 2013, Natasha lançou uma obra infantil chamado Sarah Princesa (2012). O livro é ilustrado e todo feito de forma independente. Apesar do apelo infantil é um livro sensível para todas as idades.
 
Inclusive, é impossível falar da literatura de Natasha sem citar a maternidade, tema de tantas crônicas em Baliza de Navio, que é dedicado ao seu filho Miguel. Certamente, a maternidade deve ser um período de muita inspiração e também de muitas situações inusitadas que parecem ate ficção.
 
Natasha Siviero é jornalista e escreve no site www.sambaprasmocas.com.br
 
Serviço
 
Baliza de Navio
Natasha Siviero
Secult
99 páginas
R$ 15,00

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Facebook/Eliana
Território político

Inferno astral do prefeito de Linhares, Guerino Zanon, deixa o campo aberto para a deputada estadual Eliana Dadalto

OPINIÃO
Editorial
'Gestão compartilhada'
Ofensiva de Luciano Rezende contra movimento dos professores revela autoritarismo e inabilidade política
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
JR Mignone
O voto facultativo
Atual insatisfação com a política seria uma chance para começar a estudar a implantação do voto facultativo?
Roberto Junquilho
Que novo é esse?
O presidenciável do PRB, Flávio Rocha, apresenta velhas fórmulas de gestão e envolve jovens lideranças
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Para, relógio
MAIS LIDAS

Procon multa imobiliária e construtora responsáveis por condomínio em Setiba

Justiça realiza audiência do processo contra seminarista de Boa Esperança

TJES adia pela quinta vez processo de Dr. Hércules sobre dívida de campanha

Sindipol denuncia 'mentiras' do governo sobre médicos legistas

Ministério da Segurança Pública anuncia mutirão para reduzir população carcerária