Seculo

 

Pior que
está, fica!


26/06/2014 às 16:01
Duas notícias recentes envolvendo as principais poluidoras do Estado, Vale e ArcelorMittal, indicam previsões nada animadoras paras os capixabas. A mineradora colocou já há alguns dias sua oitava usina em fase de testes e pretende operá-la no segundo semestre deste ano. Já a Arcelor anuncia que irá religar, até o próximo dia 8, seu alto-forno 3, parado desde 2012. As medidas resultarão num incremento e tanto na produção. Ou seja: aumento da poluição do ar e muito mais impactos aos moradores da Grande Vitória.
 
Em números, significa o seguinte: a produção anual da Vale saltará de 25 para 33 milhões de toneladas de pelotas de minério; e o alto-forno da Arcelor operará em sua capacidade máxima, ao todo 2,8 milhões de toneladas de ação bruto por ano - a usina Tubarão produz, no mesmo período, 7,5 milhões de toneladas.
 
As empresas e o governo do Estado, para justificar os projetos de expansão, propagam o discurso de que iniciaram medidas para minimizar os inúmeros impactos e, por isso, a poluição do ar não irá aumentar na Grande Vitória. Quem cai nessa conversa? É subestimar a inteligência da população. 
 
Os licenciamentos concedidos às poluidoras, sempre de maneira ágil e sem obstáculos, ignoram os alarmantes índices de poluentes emitidos dia e noite no ar da região e que, além de gerar danos materiais e à saúde dos capixabas, oneram o poder público, com gastos para tratamentos no SUS. 
 
Todas essas questões são constantemente levantadas por entidades e representantes da sociedade civil, inclusive com ações na Justiça que têm a Vale e a Arcelor como réus. E embora já tenha surgido algumas decisões favoráveis, como a determinação de perícia para quantificar a poluição da mineradora, ocorrem em marcha lenta, principalmente se comparados à velocidade com que essas expansões ocorrem. 
 
Ainda mais em ano eleitoral, quanto a questão vira moeda de troca em negociações entre as poluidoras e a classe política, que adora levar uma bela fatia do bolo dos financiamentos privados de campanha.
 
Quer dizer, até o final da tramitação desses processos judiciais, as poluidoras continuarão mandando e desmandando no Estado, com consentimento do governo, enquanto os capixabas e o meio ambiente amargam os prejuízos, em escala crescente. 
 
Só tem um jeito: sentar e chorar!
 

Manaira Medeiros é mestre em Políticas Públicas e Desenvolvimento Local e especialista em Gestão e Educação Ambiental
Fale com a autora: manaira@seculodiario.com

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Precipitou-se

Com um olho em 2018 e outro em 2020, Luciano Rezende antecipou o processo eleitoral, mas esqueceu a Lava Jato. Aí mora o problema.

OPINIÃO
Renata Oliveira
Bicho-papão
O ajuste fiscal de Paulo Hartung precisa do exemplo do Rio de Janeiro tanto para cortar quanto para supervalorizar a liberação de recursos
JR Mignone
Qual rádio ouviria hoje?
Sinceramente, não saberia explicar que tipo de rádio eu ouviria hoje, isto é, que me motivaria a ligar o botão para ouvi-la: uma de notícia ou uma só de música selecionada
Caetano Roque
Pressão neles
O movimento sindical deve conscientizar o trabalhador sobre quem estará na disputa do próximo ano contra ele
Geraldo Hasse
A doença da intolerância
Ela está nos estádios, nos governos, nas igrejas, nos parlamentos, nas ruas, nos tribunais
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Branca, o Teatro e a sala de estar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Fuzis e baionetas, nunca mais!
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Turista acidental
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Precipitou-se

Posse de tucano no Turismo é demonstração interna de força de Colnago

Justiça Federal determina que 14 municípios adotem ponto eletrônico para médicos e dentistas

Subseção da OAB-ES cobra esclarecimento sobre atuação de Homero Mafra na defesa de acusado

Dary Pagung vai fechar a porta para emendas de deputados no orçamento