Seculo

 

Com bom humor e poesia, escritora desconstrói estereótipos femininos


29/06/2014 às 08:13
Angélica Freitas questiona o que é ser mulher atualmente com seus poemas irônicos e bem humorados. Em seu livro Um útero é do tamanho de um punho (2013), ela não procura dar resposta a esses questionamentos e sim criar muitos outros para tentar dar conta da infinidade dos tipos de mulheres que existem. Se a definição de mulher encontra-se em crise hoje, a poeta entende essa falta de padrões como algo positivo.
 
Além de desconstruir Amélia e dissecar Carmem Miranda, Angélica também desmonta o estereótipo da mulher poeta intimista e romântica. Um útero é do tamanho de um punho é o segundo livro da escritora gaúcha, que se destaca na literatura brasileira contemporânea por tratar do feminismo de uma forma não tradicional. 
 
Embora o livro não seja uma obra de militância, ele tem um discurso político muito presente. Angélica aborda a mulher em sua diversidade sem julgamentos, há poemas sobre mulheres limpas, sujas, gordas, magras, transexuais, submissas, independentes, entre outras tantas. Seus poemas são concisos, agressivos e divertidos. 
 
Essas características também estão presentes em seu primeiro livro Hilke Shake (2007), no qual ela inicia uma dessacralização da poesia, que se intensifica em Um útero é do tamanho de um punho. Na época do lançamento do seu livro de estreia, Angélica foi morar em Buenos Aires, onde conviveu com um grupo de feministas ativistas. A partir dessas experiências, começou a surgir o tema de seu segundo livro. 
 
O interesse pelo universo feminino também se mostra no romance gráfico Guadalupe (2012), que a escritora criou em parceria com o quadrinista gaúcho Odyr. Ambientada no México, a HQ conta a história de um trio bem diferente: a protagonista, Guadalupe, uma mulher de 30 anos em crise, sua avó, uma motoqueira, e seu tio, um travesti aposentado. 
 
Sempre irreverente, em Um útero é do tamanho de um punho Angélica brinca com os discursos generalizantes sobre a mulher. Como no poema mulher de vermelho, que é narrado do ponto de vista de um homem, que acredita que o vestido sensual da mulher é um convite para que ele se aproxime e pensa: “o que ela quer sou euzinho/ sou euzinho o que ela quer/ só pode ser euzinho/ o que mais podia ser”.
 
Serviço
 
Um útero é do tamanho de um punho
Angélica Freitas
Cosac Naif
93 páginas
R$ 28 em média 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Facebook/Eliana
Território político

Inferno astral do prefeito de Linhares, Guerino Zanon, deixa o campo aberto para a deputada estadual Eliana Dadalto

OPINIÃO
Editorial
'Gestão compartilhada'
Ofensiva de Luciano Rezende contra movimento dos professores revela autoritarismo e inabilidade política
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
JR Mignone
O voto facultativo
Atual insatisfação com a política seria uma chance para começar a estudar a implantação do voto facultativo?
Roberto Junquilho
Que novo é esse?
O presidenciável do PRB, Flávio Rocha, apresenta velhas fórmulas de gestão e envolve jovens lideranças
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Para, relógio
MAIS LIDAS

Procon multa imobiliária e construtora responsáveis por condomínio em Setiba

Justiça realiza audiência do processo contra seminarista de Boa Esperança

TJES adia pela quinta vez processo de Dr. Hércules sobre dívida de campanha

Sindipol denuncia 'mentiras' do governo sobre médicos legistas

Ministério da Segurança Pública anuncia mutirão para reduzir população carcerária