Seculo

 

Dedo na ferida


16/07/2014 às 16:39
Assim como no período da ex-deputada estadual Brice Bragato, a discussão sobre os impactos dos grandes projetos poluidores no Espírito Santo será restrita ao Psol, que tem como candidata ao governo na eleição deste ano a professora Camila Valadão. Pelas propostas de governo já apresentadas na área ambientai, as críticas, todas contundentes, são muito bem-vindas. Pena não surtirem o efeito e eco necessários na maioria da população. 
 
Primeiro, o Psol nem de longe terá recursos para fazer circular as ações que planejou para os capixabas. Seu debate se dará no campo das ideias, o que costuma render ótimos resultados, porém, inacessíveis para a maioria. 
 
Segundo, como competir com campanhas milionárias como a dos principais candidatos, o governador Renato Casagrande e seu antecessor Paulo Hartung (PMDB), defensores do ES 2025, que beneficia os empresários e as empresas poluidoras? Sem dúvida, uma difícil missão.
 
Camila levanta questões já alertadas por Século Diário e por movimentos sociais há décadas, devidamente omitidas pela mídia corporativa e governos, que mamam nas tetas dos grandes projetos instalados no Estado. 
 
Aponta os privilégios ao setor privado, seja por renúncia fiscal, isenção ou favorecimentos em licenciamentos ambientais, e os classifica como “escandalosos”. De fato, são.  
 
Além da Vale, ArcelorMittal, Aracruz Celulose (Fibria) e Samarco, que provocam inúmeros impactos ambientais, sociais e econômicos no Estado, e continuam a se expandir, temos a Jurong e uma coleção de portos.  Isso só para resumir. Nomes que irão constar, de maneira direta ou indireta – escondida mesmo – nas prestações de contas dos candidatos majoritários e proporcionais. O famoso rabo preso.
 
Em contrapartida, a candidata do Psol lembra da importância de reverter a lógica, investir no campo e valorizar os povos tradicionais. Assuntos intocáveis para os principais candidatos e até para o candidato do PT, Roberto Carlos. O PT no Estado, como se sabe, há muito não advoga em favor das minorias, muito menos defende o meio ambiente, como nos velhos tempos.  
 
Camila Valadão será mais uma daquelas candidatas espalhadas pelo País que, com projeto alternativo, terá que invadir as redes sociais e se fazer enxergar. Para, assim, conquistar a parte do eleitorado das manifestações de junho de 2013, que no Estado apresentou como demandas da população a questão ambiental, com foco nos grandes projetos e na poluição do ar. 
 
Com candidatos do mesmo grupo político e que reproduzem o modelo de desenvolvimento ditado pelos empresários, tem muito eleitor procurando um candidato com visão crítica para chamar de seu. Camila pode preencher essa lacuna. Se não é para levar o pleito, que seja estabelecido o debate inteligente e as saias-justas. Incomodar é necessário.



Manaira Medeiros é mestre em Políticas Públicas e Desenvolvimento Local e especialista em Gestão e Educação Ambiental
Fale com a autora: manaira@seculodiario.com

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Cara e crachá

Uns publicaram vídeos e notas nas redes sociais, outros só notas, outros nada. Mas a CPI da Lava Jato continua na conta dos deputados arrependidos

OPINIÃO
Editorial
A Ponte da Discórdia
Terceira Ponte entra novamente no centro dos debates políticos em ano eleitoral. Enquanto isso, a Rodosol continua rindo à toa...
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Gustavo Bastos
Conto surrealista
''virei pasta para entrar mais fácil na pintura de Dalí''
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Geraldo Hasse
Mundo velho sem catraca
Cinquenta anos depois, é possível fazer um curso técnico por correspondência via internet
Roberto Junquilho
Hartung, o suspense
O governador Paulo Hartung mantém o suspense e pode até não disputar a reeleição em 2018
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

‘Lutava contra um sistema podre e falido com os braços amarrados. Agora estou livre’

Visita de interlocutores de Hartung a Rodrigo Maia sinaliza mudança de cenário

Juiz Leopoldo mais próximo de ir a Júri Popular por assassinato de Alexandre Martins

Hartung, o suspense

Agenda Cultural: festa do Caboclo Bernardo em Linhares