Seculo

 

Dedo na ferida


16/07/2014 às 16:39
Assim como no período da ex-deputada estadual Brice Bragato, a discussão sobre os impactos dos grandes projetos poluidores no Espírito Santo será restrita ao Psol, que tem como candidata ao governo na eleição deste ano a professora Camila Valadão. Pelas propostas de governo já apresentadas na área ambientai, as críticas, todas contundentes, são muito bem-vindas. Pena não surtirem o efeito e eco necessários na maioria da população. 
 
Primeiro, o Psol nem de longe terá recursos para fazer circular as ações que planejou para os capixabas. Seu debate se dará no campo das ideias, o que costuma render ótimos resultados, porém, inacessíveis para a maioria. 
 
Segundo, como competir com campanhas milionárias como a dos principais candidatos, o governador Renato Casagrande e seu antecessor Paulo Hartung (PMDB), defensores do ES 2025, que beneficia os empresários e as empresas poluidoras? Sem dúvida, uma difícil missão.
 
Camila levanta questões já alertadas por Século Diário e por movimentos sociais há décadas, devidamente omitidas pela mídia corporativa e governos, que mamam nas tetas dos grandes projetos instalados no Estado. 
 
Aponta os privilégios ao setor privado, seja por renúncia fiscal, isenção ou favorecimentos em licenciamentos ambientais, e os classifica como “escandalosos”. De fato, são.  
 
Além da Vale, ArcelorMittal, Aracruz Celulose (Fibria) e Samarco, que provocam inúmeros impactos ambientais, sociais e econômicos no Estado, e continuam a se expandir, temos a Jurong e uma coleção de portos.  Isso só para resumir. Nomes que irão constar, de maneira direta ou indireta – escondida mesmo – nas prestações de contas dos candidatos majoritários e proporcionais. O famoso rabo preso.
 
Em contrapartida, a candidata do Psol lembra da importância de reverter a lógica, investir no campo e valorizar os povos tradicionais. Assuntos intocáveis para os principais candidatos e até para o candidato do PT, Roberto Carlos. O PT no Estado, como se sabe, há muito não advoga em favor das minorias, muito menos defende o meio ambiente, como nos velhos tempos.  
 
Camila Valadão será mais uma daquelas candidatas espalhadas pelo País que, com projeto alternativo, terá que invadir as redes sociais e se fazer enxergar. Para, assim, conquistar a parte do eleitorado das manifestações de junho de 2013, que no Estado apresentou como demandas da população a questão ambiental, com foco nos grandes projetos e na poluição do ar. 
 
Com candidatos do mesmo grupo político e que reproduzem o modelo de desenvolvimento ditado pelos empresários, tem muito eleitor procurando um candidato com visão crítica para chamar de seu. Camila pode preencher essa lacuna. Se não é para levar o pleito, que seja estabelecido o debate inteligente e as saias-justas. Incomodar é necessário.



Manaira Medeiros é mestre em Políticas Públicas e Desenvolvimento Local e especialista em Gestão e Educação Ambiental
Fale com a autora: manaira@seculodiario.com

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Mais um desvario de PH

Não é ainda desta vez que o galo vai cantar no terreiro dos postulantes ao governo em 2018

OPINIÃO
Renata Oliveira
Tempos de incerteza
A classe política hoje tem pouca condição de vislumbrar o cenário político de 2018
JR Mignone
Globo X futebol
Você está assistindo os últimos minutos do derby capixaba e de repente...Boom! O Faustão invade sua TV
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

pelas beiras!
Flânerie

Manuela Neves

Carmélia, um pouco mais dela
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Deputado vai propor CPI para apurar crime da Samarco
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre sustos e suspresas
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Ministério Público vai investigar prefeito de Santa Maria de Jetibá

Eucaliptais são pontes para a febre amarela

Mais um desvario de PH

Com 'toque de recolher', Luciano mexe com o principal lazer dos moradores: os bares

'Digitalzona' de Hartung na disputa pela Amunes causou desgaste político a Rose