Seculo

 

Empreendimento em Três Praias pode gerar especulação imobiliária em local turístico


29/07/2014 às 15:04
A aprovação das novas diretrizes de parcelamento do solo de Três Praias, em Guarapari, a pedido da Itacap Empreendimentos, que pretende construir no local o Empreendimento Residencial e Turístico Três Praias, permite que sejam instaladas unidades residenciais numa área onde o foco deveria ser exclusivamente turístico, provocando a especulação imobiliária. Essa é a consideração da Associação de Hotéis de Guarapari, única representação com cadeira no Conselho Municipal do Plano Diretor de Guarapari  (CMPDG) que votou contra a alteração no parcelamento do solo em função da Itacap.
 
Publicada no Diário Oficial dessa segunda-feira (28), a Resolução nº 009/2014 do CMPDG aprova novas diretrizes de parcelamento do solo da região de Três Praias a pedido da Itacap Empreendimentos. O projeto é constituído em maioria por lotes residenciais, com mais de 1.700 apartamentos, um hotel com um prédio de cinco andares e uma área de vivência comum com comércio que, conforme Estudo e Relatório de Impacto Ambiental (Eia/Rima), preparado pela Cepemar, será aberta ao público. Apesar disso, desde o início das construções, o empreendimento, que já teve diferentes proprietários, é alvo de polêmicas e críticas por parte da população, que teve o acesso a Três Praias restrito.
 
A resolução defere a solicitação de definição de índices urbanísticos para uso e ocupação do solo para atender o empreendimento e aprova a existência de duas Zonas de Uso Turístico (ZUT), de números 2 e 3, dentro da Zona Especial de Interesse Turístico (ZEIT).

Para a ZUT 2, área entre a rodovia ES 060 e Três Praias, é definido que poderão ser construídas unidades residenciais de até três pavimentos, de uso "Residencial Unifamiliar", além de "Uso Residencial Multifamiliar", que consiste em um hotel e apart-hotel, um clube, um centro de eventos, equipamentos turísticos e áreas de lazer, com no máximo cinco pavimentos. Para a ZUT 3, localizada do lado oposto da ES 060, autoriza-se o "Uso Misto", com construções máximas de 12 pavimentos, e permissão para hotel.
 
A resolução aprova, ainda, a doação de 5% da área parcelável ao sul do terreno, sem contar as Áreas de Preservação Permanente (APP) para a construção de equipamentos urbanos e área de domínio público, "fornecendo livre acesso do público à praia", tais como a implantação de um Parque Urbano Público com qualidade urbanística e paisagística, pistas de caminhada, trilhas, calçadas e ciclovias.
 
A construção de empreendimento semelhante é alvo de polêmicas desde os anos 2000, quando a construção passou a impedir o acesso da população às Três Praias, considerado ilegal pelo Ministério Público Federal. Constitucionalmente, as praias são bens públicos de uso comum e de livre acesso, exceto em casos específicos de segurança nacional ou áreas protegidas por legislação específica.
 
Em 2004, a obra de um resort, na época sob responsabilidade de Gilberto Bousquet Bomeny e Luiz Cláudio Gonçalves Simões, foi embargada na área pela falta de licenciamento. Três anos depois, em 2007, a Brookfield Incorporações e a Itacaré Capital, ainda atuantes no mesmo local, foram novamente multadas pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) por insistirem na construção.
 
A reabertura das praias e a recuperação dos danos ambientais foram determinadas pela 5° Vara Federal Cível, em 2009, o que até então não foi realizado. Em dezembro de 2011, com as ações de recuperação do bioma, manejo de espécies e desobstrução da entrada das Três Praias suspensas pelo Tribunal Regional Federal, somente a parte da interrupção da construção do muro do resort foi cumprida.
 
O Eia/Rima do empreendimento voltado ao mercado de luxo afirma, contraditoriamente, que não haverá impacto sobre a vegetação de restinga e os ambientes úmidos, mas sim sobre as matas e ambientes aquáticos - este considerado pelo estudo como de pequena importância. 
 
Problemas apontados pelos próprios moradores no Eia/Rima, como o congestionamento do trânsito no verão e o abuso de poder de órgãos de fiscalização, tendem a piorar com a autorização para que o empreendimento seja construído.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
CMV
Blindagem coletiva

Greve dos professores não reforçou apenas o perfil antidemocrático do prefeito, mas também a omissão da Câmara de Vitória. Só Roberto Martins enxerga o óbvio?

OPINIÃO
Editorial
'Gestão compartilhada'
Ofensiva de Luciano Rezende contra movimento dos professores revela autoritarismo e inabilidade política
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
JR Mignone
O voto facultativo
Atual insatisfação com a política seria uma chance para começar a estudar a implantação do voto facultativo?
Roberto Junquilho
Que novo é esse?
O presidenciável do PRB, Flávio Rocha, apresenta velhas fórmulas de gestão e envolve jovens lideranças
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Para, relógio
MAIS LIDAS

STF mantém interrupção de pagamento de gratificação a procuradores de Justiça no ES

Blindagem coletiva

Que novo é esse?

Professores encerram greve, mas movimento reivindicatório continua em Vitória

MAB: 'Falta organização e profissionalismo na Fundação Renova'