Seculo

 

Liquiport descumpre notificação e mantém tanques de combustíveis no Morro do Atalaia


31/07/2014 às 16:58
Em abril, os moradores do Morro do Atalaia, em Paul, Vila Velha, até sentiram certo alívio com o anúncio de que a retirada dos colossais tanques de armazenamento de combustíveis seria iniciada naquele mês e concluída em julho. Pelo menos era o que previa o cronograma executivo de desmontagem apresentado pela Liquiport ao Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema).
 
Mas nessa quinta-feira (31) continuava tudo como antes no Atalaia: o receio e a preocupação ainda vizinhos dos moradores, uma vez que os tanques permanecem no local. “Está tudo do mesmo jeito. Não mexeram em nada”, diz Paulo César Froes, presidente do movimento Comunitário de Paul. 
 
Uma reunião da comunidade para discutir o problema está agendada para o próximo dia 7 de agosto, na Paróquia Santa Terezinha do Menino Jesus. Na ocasião, será definido como os moradores irão se manifestar. São cogitados protestos e ações judiciais, como um processo por crime ambiental. “Animais que viviam ali onde estão os tanques estão soltos nas ruas e invadindo as casas”, conta Paulo. Entre os bichos, estão saguis, sarués, gambás e cobras.
 

No papel, tudo correu bem. Em fevereiro, o Iema notificou a empresa para realizar a desmobilização dos tanques. O documento determinava a apresentação do cronograma executivo das etapas de desmontagem, local de acomodação, no interior do empreendimento, das partes desmontadas e componentes dos tanques; e medidas de controle ambiental a serem adotadas durante e posteriormente à desmontagem.
 
Paulo diz que os tanques, instalados em área residencial, ainda assombram os moradores, que temem um acidente. “A estrutura é precária e não é adequada para colocar os tanques”, critica o líder comunitário. Ele também aponta a desvalorização imobiliária: quem vai comprar um imóvel ali para ter como vizinho um grande tonel de combustível? A poluição visual também incomoda os moradores, já que as estruturas vedam todo o horizonte, que dá para a baía de Vitória. 
 
Por nota, o Iema informa que enviou ofício este mês à empresa “solicitando esclarecimentos pelo motivo da atividade ainda não ter sido iniciada”. A Liquiport, no entanto, ainda não respondeu.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Cara e crachá

Uns publicaram vídeos e notas nas redes sociais, outros só notas, outros nada. Mas a CPI da Lava Jato continua na conta dos deputados arrependidos

OPINIÃO
Editorial
A Ponte da Discórdia
Terceira Ponte entra novamente no centro dos debates políticos em ano eleitoral. Enquanto isso, a Rodosol continua rindo à toa...
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Gustavo Bastos
Conto surrealista
''virei pasta para entrar mais fácil na pintura de Dalí''
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Geraldo Hasse
Mundo velho sem catraca
Cinquenta anos depois, é possível fazer um curso técnico por correspondência via internet
Roberto Junquilho
Hartung, o suspense
O governador Paulo Hartung mantém o suspense e pode até não disputar a reeleição em 2018
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

‘Lutava contra um sistema podre e falido com os braços amarrados. Agora estou livre’

Visita de interlocutores de Hartung a Rodrigo Maia sinaliza mudança de cenário

Juiz Leopoldo mais próximo de ir a Júri Popular por assassinato de Alexandre Martins

Hartung, o suspense

Contrato do governo do Estado com a Cetesb sobre poluição do ar continua sigiloso