Seculo

 

Dona do jogo


26/08/2014 às 17:14
O anúncio da empresa Manabi de que irá construir ramal ferroviário em parceria com a Vale para atender ao Porto Norte Capixaba (PNC), é mais uma prova de que, no Espírito Santo, quem dita as regras são as poluidoras. Os empreendimentos, além de rejeitados pela população, sequer foram licenciados. Mas nem parece: a Manabi aparece na imprensa corporativa certa de que terá seus interesses assegurados. Só falta cumprir o protocolo. 
 
No jornal A Gazeta desta terça-feira (26), a empresa informa que fechou parceria com a mineradora e que o ramal ferroviário terá 80 quilômetros de extensão, com previsão de construção de 15 meses. O traçado do projeto margeia o Rio Doce, depois passa sobre o rio, e vai até o Porto Norte. O mineroduto da empresa também continua nos planos e ligará o Morro do Pilar, em Minas Gerais, a Linhares.
 
Como de costume, o secretário de Estado de Desenvolvimento, Nery De Rossi, fala maravilhas dos empreendimentos na matéria. O ex-governador Paulo Hartung (PMDB), que tenta voltar ao antigo posto nesta eleição, é outro que faz questão de lembrar, sempre que encontra uma brecha, que foi o responsável por "trazer a Manabi para o Estado". A empresa está na lista de principais clientes da empresa Éconos, sociedade de Hartung e o ex-secretário José Teófilo - finalizada em junho de 2013 -, que renderam quase R$ 6 milhões aos negócios da dupla em três anos - 2010 a 2013. A Manabi Logística S/A pagou R$ 275 mil.
 
Nos casos dos empreendimentos da empresa, os licenciamentos não cabem ao Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema), que conhecemos muito bem, mas sim ao Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Muda alguma coisa? Não. Na única audiência pública sobre o porto, o Ibama mostrou claramente de que lado está. E não é do lado da população. 
 
Mas o governo do Estado é o responsável por criar a atmosfera favorável, concedendo todas as facilidades, em acordos selados a portas fechadas. Enquanto isso, moradores do norte do Estado e surfistas rejeitam veemente a construção do porto em Degredo. Há motivos de sobra para isso.
 
Primeiro, em decorrência dos impactos irreversíveis ao meio ambiente, às tradições culturais e à pesca tradicional. Segundo, devido à proximidade do empreendimento de Regência, uma das melhores praias para a prática de surfe do Brasil, que terá suas características completamente alteradas, assim como ocorreu na Praia de Camburi, após a chegada da Vale e da ArcelorMittal em Ponta de Tubarão. Regência será tão impactada como Degredo. Com mais um agravante: o Projeto Tamar realiza trabalho de proteção às tartarugas no vilarejo há décadas.
 
A insatisfação da população já foi demonstrada em abaixo-assinado e nas redes sociais. Em Regência, cartazes pendurados em casas ecoam o grito de “Fora Manabi”. Mas esses são devidamente abafados. Com o apoio da Prefeitura de Linhares e do governo do Estado, a empresa tenta seduzir a população com agrados, falsas promessas de empregos e reformas. Estratégias já conhecidas para desmobilizar a população e vender à sociedade uma realidade distorcida dos fatos. 
 
Daqui a pouco, a Manabi faz como o Itaoca Offshore, terminal previsto para Itapemirim, e lança a pedra fundamental de seus projetos antes mesmo da licença ambiental. Com direito a festa e elogios da classe política capixaba. Não será surpresa alguma. 
 
Sem uma reação à altura da sociedade civil, a Manabi vai chegar atropelando. E não demora. 
 
 

Manaira Medeiros é mestre em Políticas Públicas e Desenvolvimento Local e especialista em Gestão e Educação Ambiental
Fale com a autora: manaira@seculodiario.com

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Facebook/Eliana
Território político

Inferno astral do prefeito de Linhares, Guerino Zanon, deixa o campo aberto para a deputada estadual Eliana Dadalto

OPINIÃO
Editorial
'Gestão compartilhada'
Ofensiva de Luciano Rezende contra movimento dos professores revela autoritarismo e inabilidade política
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
Eliza Bartolozzi Ferreira
Políticas de retrocesso
Dados educacionais do governo Paulo Hartung são alarmantes
Roberto Junquilho
Que novo é esse?
O presidenciável do PRB, Flávio Rocha, apresenta velhas fórmulas de gestão e envolve jovens lideranças
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Para, relógio
MAIS LIDAS

Território político

Procon multa imobiliária e construtora responsáveis por condomínio em Setiba

TJES adia pela quinta vez processo de Dr. Hércules sobre dívida de campanha

Justiça realiza audiência do processo contra seminarista de Boa Esperança

Sindipol denuncia 'mentiras' do governo sobre médicos legistas