Seculo

 

Ambientalistas alertam que criação de unidades de conservação marinhas está estagnada


10/09/2014 às 14:41
Na contramão do que é realizado em diversos outros países no mundo, o Brasil permanece na inércia e não dá prioridade à criação de Unidades de Conservação (UCs) costeiras e marinhas. O descaso é ainda mais aparente quando se percebe que a criação dessas áreas protegidas sequer é mencionada nas propostas dos candidatos à Presidência e não está presente em nenhum dos programas de governo, que também desconsideram ações que poderiam compatibilizar o uso e a conservação do território marinho. As considerações são levantadas por Marcia Hirota, diretora-executiva da Fundação SOS Mata Atlântica, e Leandra Gonçalves, bióloga e consultora da entidade, em artigo publicado no portal O Eco.
 
Para as ambientalistas, o cenário ilustra o conflito entre preservação ambiental e exploração dos recursos naturais na costa oceânica brasileira, questão que seria facilmente resolvida caso houvesse um planejamento e políticas mais equilibradas, que tratassem da exploração mas, também, da sustentabilidade dos recursos naturais e dos ecossistemas costeiros e marinhos.

No artigo, elas ressaltam que falta clareza sobre o papel das áreas protegidas ao governo brasileiro, que também não compartilha com a sociedade as informações sobre planos e interesses em territórios públicos, uma prática governamental que leva a tensões sociais e causa dificuldade de entendimento do real papel das áreas protegidas para o país. De acordo Hirota e Gonçalves,allém da recuperação e conservação da biodiversidade marinha, é fundamental que se enxergue essas áreas como polos de transformação social. "Isso precisa mudar. E em ano eleitoral, quem tem boas propostas será rei ou rainha", decretam.

As ambientalistas lembram que, em 2012, o Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação aprovou por unanimidade o manifesto pró-UCs apresentado por entidades da sociedade civil.  No documento, foram enumeradas 19 Unidades de Conservação cujos processos se encontravam em estágio avançado e dependiam apenas do empenho por parte do governo federal para se tornarem realidade. "Entenda-se por empenho não apenas vontade para destravar processos prontos, mas sobretudo força política para enfrentar conflitos em áreas que apresentam com grandes obras de infraestrutura", ressaltam.
 
Entre as áreas protegidas enumeradas, cinco possuem área no perímetro marítimo do Espírito Santo, são elas: Área de Proteção Ambiental (APA) do Banco dos Abrolhos, que também engloba o sul da Bahia; a Reserva de Vida Silvestre (Revis) da Baleia Jubarte; a Reserva de Desenvolvimento Sustentável Foz do Rio Doce, na área onde estão sendo planejados, por exemplo, os portos da Manabi e Imetame, e também onde se instalou o Estaleiro Jurong; o Parque Natural (Parna) e APA Arquipélago Sul Capixaba e Francês, e o Parna e APA Federal da Ilha de Trindade Arquipélago Martins Vaz.
 
O manifesto foi assinado por 72 especialistas de todo o país e proposto por 43 instituições, entre elas a Fundação SOS Mata Atlântica, a Associação Ambiental Voz da Natureza, a Reserva da Biosfera da Mata Atlântica (RBMA), o Projeto Albatroz, o Instituto Baleia Jubarte e a WWF-Brasil. Dois anos depois de sua aprovação no congresso, nenhuma das unidades apontadas no documento foram efetivamente criadas.
 
No Brasil, partiram do legislativo as últimas iniciativas de criação de UCs na zona costeira e marinha, que deram origem ao Monumento Nacional das Ilhas Cagarras (RJ, 2010) e Parque Nacional Marinho da Ilha dos Currais (PR, 2013). Do Executivo, as últimas áreas foram criadas há cinco anos, sendo a Reservas Extrativistas da Prainha do Canto Verde (CE) e do Cassurubá (BA). De acordo com o Greenpeace Brasil,  as três áreas marinhas protegidas mais relevantes do país foram criadas antes de 1988, que são a Reserva Biológica do Atol das Rocas e os Parques Nacionais de Abrolhos e Fernando de Noronha.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Quem dá mais?

Enquanto o mercado político se divide cada vez mais entre o bloco palaciano e o puxado por Casagrande, Audifax segue com acenos para o lado que mais convém

OPINIÃO
Editorial
Castigada seja a hipocrisia!
Ideal, mesmo, seria ver tamanha indignação dos deputados estaduais no debate sobre nudez artística em casos reais de atentado à paciência da sociedade
Piero Ruschi
A decadência da celulose
O plantio de eucalipto destinado à produção de celulose no Estado sofrerá reduções extremamente positivas ao capixaba
Gustavo Bastos
Conto carnavalesco
''Qual é o sentido do carnaval para você?''
Geraldo Hasse
Manobras perigosas
Os empresários, que surfaram na onda de Lula, estão assustados com a pororoca de Temer
JR Mignone
Banalização
O carnaval fez com que se desse uma trégua nas informações sobre política no Brasil
Roberto Junquilho
Hora do plano B
Os planos de Hartung e Colnago retornam à estaca zero com a saída de Luiz Paulo do PSDB
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

A arte de pilotar motocicletas – ou com Chico na garupa
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Yes, nós também!
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Hora do plano B

Polícia Militar tenta calar cabos e soldados após publicações na internet

Quem dá mais?

Ricardo Ferraço ensaia chapa casada ao Senado com Amaro Neto

Estudantes reagem contra manutenção do reajuste na passagem de ônibus