Seculo

 

Rabo preso


18/09/2014 às 17:29
Como em todo processo eleitoral, as empresas de mineração e metalurgia não medem cifras para garantir a consolidação de seus interesses. O levantamento do Valor Econômico das doações feitas pelo setor aos candidatos deste ano mostra bem como funciona esse mercado lucrativo. Já foram liberados, até agora, nada menos do que R$ 91,5 milhões, 42,3% a deputados federais e senadores que buscam a reeleição. Esse dinheiro vira débito depois. E a fatura é altíssima.
 
Assim como sempre ocorre no Espírito Santo, a Vale lidera as doações por enquanto, com R$ 52,88 milhões. Mas adota o mesmo expediente dos últimos anos para se esconder. O dinheiro sai da conta de empresas do grupo, com CNPJs diferentes. A ArcelorMittal também aparece no topo, mas bem inferior à parceira de poluição da Grande Vitória, com R$ 13 milhões. 
 
Embora de saltar os olhos, esse volume de dinheiro não acaba aí. É referente à segunda prestação de contas dos candidatos. A terceira vem só após as eleições, em novembro. Os empresários gostam mesmo é de liberar dinheiro nesta reta final, para evitar exposição. Ou seja, muita gente ainda deve encher o bolso.
 
A atenção especial das mineradoras às campanhas proporcionais não é à toa. Elas estão de olho na aprovação do novo Código da Mineração, que tramita na Câmara, e no projeto que transfere do Executivo para o Legislativo a demarcação de terras indígenas – há proposta de regulamentação da mineração também nessas áreas. 
 
Os integrantes da comissão especial criada para discutir o novo Código da Mineração, como não poderia deixar de ser, foram os que levaram a maior parte da bolada, R$ 10 milhões, entre titulares e suplentes. 
 
Na lista, duas representantes da bancada capixaba. A deputada federal Rose de Freitas (PMDB), candidata ao Senado, foi a campeã geral: R$ 1,4 milhão, o que representa 96% de toda sua arrecadação até agora. Já a petista Iriny Lopes, que tenta a reeleição, levou R$ 290 mil - com trajetória política ligada aos movimentos sociais, doações de poluidoras a Iriny tem sido regra nas últimas eleições. 
 
No caso de Rose, ela conseguiu “bater” até mesmo o relator do novo Código, deputado federal Leonardo Quintão (PMDB-MG), que arrecadou R$ 1 milhão das empresas do setor. Isso se deve ao fato de seu suplente, Luis Pastore (PMDB), ser do ramo – é dono da Copper Trading, ligada  à Vale.
 
No restante da lista, aparecem outras empresas como Votorantim-Aracruz Celulose (Fibria), CBMM, Grupo Rima, Gerdau, Grupo Equipav, Ferrous Resources do Brasil, AngloGold e Ibrama. Muitas delas já conhecidas dos capixabas e que adotam o mesmo tipo de estratégia para encontrar no poder público um parceiro duradouro e fiel. 
 
As mudanças na legislação no Código da Mineração irão beneficiar exatamente as “gigantes do setor”, determinando quem terá a prioridade para exploração de lavras minerais e o valor dos royalties pagos. No debate sobre a nova proposta, foram excluídas as questões ambientais e os trabalhadores da área. As próprias empresas ditam as regras. 

O financiamento de campanha não passa, portanto, de um investimento, com retorno garantido. Ninguém doa tanto dinheiro sem esperar nada em troca. A quitação do débito é no mandato. Já se sabe como: favorecimentos e lobbys. 
 

Manaira Medeiros é mestre em Políticas Públicas e Desenvolvimento Local e especialista em Gestão e Educação Ambiental
Fale com a autora: manaira@seculodiario.com

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Facebook/Eliana
Território político

Inferno astral do prefeito de Linhares, Guerino Zanon, deixa o campo aberto para a deputada estadual Eliana Dadalto

OPINIÃO
Editorial
'Gestão compartilhada'
Ofensiva de Luciano Rezende contra movimento dos professores revela autoritarismo e inabilidade política
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
Eliza Bartolozzi Ferreira
Políticas de retrocesso
Dados educacionais do governo Paulo Hartung são alarmantes
Roberto Junquilho
Que novo é esse?
O presidenciável do PRB, Flávio Rocha, apresenta velhas fórmulas de gestão e envolve jovens lideranças
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Para, relógio
MAIS LIDAS

Território político

Procon multa imobiliária e construtora responsáveis por condomínio em Setiba

TJES adia pela quinta vez processo de Dr. Hércules sobre dívida de campanha

Justiça realiza audiência do processo contra seminarista de Boa Esperança

Sindipol denuncia 'mentiras' do governo sobre médicos legistas