Seculo

 

Rabo preso


18/09/2014 às 17:29
Como em todo processo eleitoral, as empresas de mineração e metalurgia não medem cifras para garantir a consolidação de seus interesses. O levantamento do Valor Econômico das doações feitas pelo setor aos candidatos deste ano mostra bem como funciona esse mercado lucrativo. Já foram liberados, até agora, nada menos do que R$ 91,5 milhões, 42,3% a deputados federais e senadores que buscam a reeleição. Esse dinheiro vira débito depois. E a fatura é altíssima.
 
Assim como sempre ocorre no Espírito Santo, a Vale lidera as doações por enquanto, com R$ 52,88 milhões. Mas adota o mesmo expediente dos últimos anos para se esconder. O dinheiro sai da conta de empresas do grupo, com CNPJs diferentes. A ArcelorMittal também aparece no topo, mas bem inferior à parceira de poluição da Grande Vitória, com R$ 13 milhões. 
 
Embora de saltar os olhos, esse volume de dinheiro não acaba aí. É referente à segunda prestação de contas dos candidatos. A terceira vem só após as eleições, em novembro. Os empresários gostam mesmo é de liberar dinheiro nesta reta final, para evitar exposição. Ou seja, muita gente ainda deve encher o bolso.
 
A atenção especial das mineradoras às campanhas proporcionais não é à toa. Elas estão de olho na aprovação do novo Código da Mineração, que tramita na Câmara, e no projeto que transfere do Executivo para o Legislativo a demarcação de terras indígenas – há proposta de regulamentação da mineração também nessas áreas. 
 
Os integrantes da comissão especial criada para discutir o novo Código da Mineração, como não poderia deixar de ser, foram os que levaram a maior parte da bolada, R$ 10 milhões, entre titulares e suplentes. 
 
Na lista, duas representantes da bancada capixaba. A deputada federal Rose de Freitas (PMDB), candidata ao Senado, foi a campeã geral: R$ 1,4 milhão, o que representa 96% de toda sua arrecadação até agora. Já a petista Iriny Lopes, que tenta a reeleição, levou R$ 290 mil - com trajetória política ligada aos movimentos sociais, doações de poluidoras a Iriny tem sido regra nas últimas eleições. 
 
No caso de Rose, ela conseguiu “bater” até mesmo o relator do novo Código, deputado federal Leonardo Quintão (PMDB-MG), que arrecadou R$ 1 milhão das empresas do setor. Isso se deve ao fato de seu suplente, Luis Pastore (PMDB), ser do ramo – é dono da Copper Trading, ligada  à Vale.
 
No restante da lista, aparecem outras empresas como Votorantim-Aracruz Celulose (Fibria), CBMM, Grupo Rima, Gerdau, Grupo Equipav, Ferrous Resources do Brasil, AngloGold e Ibrama. Muitas delas já conhecidas dos capixabas e que adotam o mesmo tipo de estratégia para encontrar no poder público um parceiro duradouro e fiel. 
 
As mudanças na legislação no Código da Mineração irão beneficiar exatamente as “gigantes do setor”, determinando quem terá a prioridade para exploração de lavras minerais e o valor dos royalties pagos. No debate sobre a nova proposta, foram excluídas as questões ambientais e os trabalhadores da área. As próprias empresas ditam as regras. 

O financiamento de campanha não passa, portanto, de um investimento, com retorno garantido. Ninguém doa tanto dinheiro sem esperar nada em troca. A quitação do débito é no mandato. Já se sabe como: favorecimentos e lobbys. 
 

Manaira Medeiros é mestre em Políticas Públicas e Desenvolvimento Local e especialista em Gestão e Educação Ambiental
Fale com a autora: manaira@seculodiario.com

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Cara e crachá

Uns publicaram vídeos e notas nas redes sociais, outros só notas, outros nada. Mas a CPI da Lava Jato continua na conta dos deputados arrependidos

OPINIÃO
Editorial
A Ponte da Discórdia
Terceira Ponte entra novamente no centro dos debates políticos em ano eleitoral. Enquanto isso, a Rodosol continua rindo à toa...
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Gustavo Bastos
Conto surrealista
''virei pasta para entrar mais fácil na pintura de Dalí''
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Geraldo Hasse
Mundo velho sem catraca
Cinquenta anos depois, é possível fazer um curso técnico por correspondência via internet
Roberto Junquilho
Hartung, o suspense
O governador Paulo Hartung mantém o suspense e pode até não disputar a reeleição em 2018
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

‘Lutava contra um sistema podre e falido com os braços amarrados. Agora estou livre’

Visita de interlocutores de Hartung a Rodrigo Maia sinaliza mudança de cenário

Juiz Leopoldo mais próximo de ir a Júri Popular por assassinato de Alexandre Martins

Hartung, o suspense

Agenda Cultural: festa do Caboclo Bernardo em Linhares