Seculo

 

Justiça Eleitoral confirma existência de ‘mansão secreta’ de Hartung


04/10/2014 às 20:24

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE-ES) rejeitou o pedido de direito de resposta ao ex-governador Paulo Hartung (PMDB) em relação à divulgação das reportagens sobre a mansão em Pedra Azul, que foi omitida da declaração de bens do candidato. Na decisão, o juiz auxiliar da corte, Helimar Pinto, negou o pedido de liminar para retirada do ar da matéria publicada, com exclusividade, pelo jornal Século Diário – que foi alvo de repercussão até na imprensa nacional. Hartung pedia ainda a expedição de uma ordem para proibir a publicação de qualquer conteúdo relacionado à “mansão secreta”, porém, o pedido de censura prévia também foi rejeitado pelo togado. (Clique aqui e veja a íntegra da decisão)

Na representação (1883-63.2014.6.08.0000), o ex-governador alegava que a veiculação de suposta “informação inverídica”, além de questionar o uso da palavra “omissão” e o conteúdo da matéria jornalística que teria sido utilizado, no entendimento dele, em tom pejorativo. No entanto, todas as teses lançadas pela defesa foram sumariamente derrubadas, uma a uma, pelo juiz eleitoral, com base nas próprias provas trazidas nos autos.

Entre os documentos apresentados pela defesa estavam: a escritura pública do imóvel, bem como a declaração de bens entregue à Receita Federal pela mulher de Hartung, a psicóloga Cristina Gomes. Esse último documento foi definitivo para confirmar que o patrimônio havia sido omitido pelo candidato ao governo. Na decisão, o juiz Helimar Pinto negou o pedido de liminar sob argumento de que “os elementos de convicção não demonstram que o teor da matéria é flagrantemente inverídico”.

Mais adiante na decisão, o togado fez considerações sobre as contradições no pedido feito por Hartung, que não negou sequer a propriedade do imóvel – confirmando tudo que foi publicado sobre a omissão dolosa da declaração do terreno e da construção de luxo na mansão situada no condomínio “Villaggio Verdi”, em Domingos Martins (região serrana do Estado).

“Seguindo na análise do caso, vê-se que o representante [Paulo Hartung] não negou a essência do fato omissivo que lhe é atribuído, tampouco negou a propriedade sobre o imóvel. Pelo contrário, trouxe aos autos prova que tal bem lhe pertence. Ademais, não carreou (apresentou) aos autos a sua declaração de bens apresentada à Justiça Eleitoral para que pudesse fazer juízo de valor acerca da manifesta inveracidade da informação veiculada pelo representado [jornal Século Diário]”, narra um dos trechos de decisão.

Nesta passagem do documento, o juiz Helimar Pinto faz menção às folhas do processo que confirmam a propriedade da mansão, que já não é mais secreta. Entretanto, os autos do processo foram retirados sob alegação de vistas pelo advogado do candidato (Wellington Renato Poleze) tão logo a sentença desfavorável foi publicada na Secretaria do TRE-ES, de acordo com as informações extraídas do sistema processual da Justiça Eleitoral.

Esse fato chama atenção para a ocultação das informações sobre o real patrimônio do ex-governador, já que ele fez questão de incluir a declaração de bens da esposa – com quem é casado em comunhão parcial de bens, ou seja, o patrimônio adquirido após a união pertence ao casal, portanto, deveria fazer parte da declaração entregue à Justiça Eleitoral. A preocupação com a revelação da verdade se torna ao se construir uma “linha do tempo” com todos os acontecimentos.

A reportagem sobre a “mansão secreta” foi publicada pelo jornal Século Diário na edição do dia 20 de setembro. A ação com o pedido de retirada do ar foi protocolada às 16h59 do dia seguinte (21 de setembro, domingo). Na mesma data, o caso foi autuado e distribuído ao juiz Helimar Pinto, que prolatou sua decisão no início da tarde de segunda-feira (22 de setembro). A sentença foi registrada no sistema da corte às 13h42, sendo remetida para a Secretaria do tribunal, que fez a sua publicação às 14h25, dando ciência à defesa de Hartung.

Consta no registro que o advogado do candidato fez a retirada dos autos do TRE-ES às 15h51, isto é, exatos uma hora e 26 minutos após a publicação da decisão. Desde então, a íntegra do processo – e, consequentemente, dos documentos que podem indicar a suposta omissão de outros bens do casal que aparecem na declaração de bens de Cristina Gomes – está em poder do advogado, que até o fechamento da reportagem não havia devolvido os autos para o cartório.

A manobra também impede o cumprimento das demais providências estipuladas pelo juiz eleitoral em sua decisão. Entre elas, o magistrado havia determinado a notificação do jornal Século Diário para apresentar a sua defesa, no prazo de 24 horas. No entanto, a empresa SDC Serviços de Comunicação Ltda, que publica o jornal, não foi sequer intimada para se manifestar – tendo em vista que a notificação implicaria no acesso integral ao processo, bem como todos os documentos apresentados pela defesa do peemedebista.

O juiz Helimar Pinto também havia determinado a abertura de vista ao Ministério Público Eleitoral (MPE) para que se manifestasse sobre a ação, com ou até mesmo sem a manifestação de Século Diário. Mas essa providência também não foi possível em virtude da retirada dos autos pelo advogado de Hartung.

Na decisão, o magistrado também considerou que Hartung poderia utilizar seu espaço no horário eleitoral para “esclarecer tais fatos”, porém, as explicações sobre a “mansão secreta” nunca foram dadas pelo ex-governador

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

OPINIÃO
Renata Oliveira
Mau negócio
Quando Casagrande e Hartung passam a polarizar o cenário, a política capixaba deixa de ser interessante para a Odebrencht
Geraldo Hasse
O despudor do poder
O marqueteiro-mór pagou multa de R$ 30 milhões à Justiça, deu depoimento e saiu rindo
Lídia Caldas
Por que engordamos?
Estamos ingerindo muito carboidrato de má qualidade. Fomos viciados pela indústria de alimentos em gordura saturada, açúcar e sal
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Imperdivel! Já em cartaz!
Flânerie

Manuela Neves

Nenna, em transição
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Odebrecht quebrou a "Omertá", e agora?
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Nossa Terra, nossa gente
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Candidatura individual para a Mesa Diretora indica nova realidade na Assembleia

TJES fará nova sessão de escolha em concurso para cartórios de 2006

Vereadora protocola indicação para nova licitação de ônibus em Vitória

Envolvimento de Ricardo Ferraço no esquema da Odebrecht inibe oposição de Theodorico na Assembleia

Justiça rejeita ação popular contra programa de rádio do prefeito de Marataízes