Seculo


  • Lava Jato no ES

 

Órfãos


30/10/2014 às 17:35
O fim do processo eleitoral deste ano deixou claro, mais uma vez, que a questão ambiental não é e nunca foi prioridade da classe política local e nacional. Embora de extrema relevância para a população, tanto nas disputas majoritárias quanto proporcionais, o assunto passou longe de se consolidar como pauta de campanha ou bandeira. O mínimo que se falou, logo virou pó. Empresas poluidoras, governos e políticos omissos, todos ficaram livres de qualquer cobrança ou constrangimento. Ótimo para eles, péssimo para a sociedade. 
 
Na disputa presidencial, chamou atenção que esse debate não tenha recebido a devida atenção mesmo em meio à crise da água em São Paulo, e com as presenças na disputa da ex-ministra de Meio Ambiente, Marina Silva (PSB), que reivindica para si o título de ambientalista, e de Eduardo Jorge (PV) e Luciana Genro (PSOL), candidatos apresentados como independentes. 
 
A crise da água, quando discutida entre a presidente reeleita Dilma Rousseff (PT) e o tucano Aécio Neves, principalmente no segundo turno, foi muito mais no sentido de apontar a incapacidade de planejamento de gestão do governo tucano, do que tratar da problemática ambiental em si. 
 
E olha que há uma lista de problemas que caem na conta dos principais candidatos. Dilma, definitivamente, não adotou o meio ambiente como prioridade do seu governo; Aécio nunca escondeu que era o “candidato do agronegócio”; e Marina Silva compôs chapa com Beto Albuquerque, financiado por empresas rejeitadas pela Rede Sustentabilidade e um dos principais articuladores, no Congresso Nacional, da liberação dos plantios de soja transgênica. Isso só para citar os pontos principais. 
 
No Espírito Santo, o mesmo cenário se repetiu, e não foi por falta de necessidade ou urgência. Embora abrigue poluidoras como Vale, ArcelorMittal, Samarco, Belgo Mineira, Aracruz Celulose (Fibria), Jurong, etc, etc e etc, o debate ambiental se resumiu às tentativas da candidata do PSOL ao governo, Camila Valadão, criticar o modelo econômico atual e os projetos semelhantes defendidos pelo governador eleito Paulo Hartung (PMDB) e o atual Renato Casagrande, que beneficiam os grandes empresários. O assunto, obviamente, também não repercutiu. 
 
No campo da disputa ao Senado, à Câmara dos Deputados e à Assembleia Legislativa, pior ainda. O meio ambiente foi termo raro, perdido entre falas rápidas e superficiais. 
 
Os financiamentos de campanha explicam...

 

Manaira Medeiros é mestre em Políticas Públicas e Desenvolvimento Local e especialista em Gestão e Educação Ambiental
Fale com a autora: manaira@seculodiario.com
 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Problemas em série

A maré não está nada boa, mesmo, para a deputada estadual Raquel Lessa....

OPINIÃO
Editorial
A saúde está doente
Campanha do Simes recomenda que médicos não trabalhem na Serra por causa da violência. E os pacientes, ficam entregues ao deus-dará?
Renata Oliveira
Vai no bolo
As lideranças políticas capixabas devem ficar atentas para não serem atropeladas pelo rolo compressor da indignação
Lídia Caldas
A importância dos probióticos e prebióticos
Se você não se preocupar com isso estará dando passos largos para engrossar as estatísticas de doenças de causas evitáveis
Geraldo Hasse
É preciso equalizar o bem-estar
A crise do capitalismo pode ser resolvida mediante a adoção de um programa comunista de governo
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Nenna – parte II: early years na ilha
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Odebrecht quebrou a "Omertá", e agora?
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

A sombra
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Juiz determina bloqueio dos bens do ex-prefeito de Castelo

Problemas em série

Paulo Ruy Carnelli vai, afinal, explicar por que enterrou o Aquaviário?

Hartung sanciona lei de doações de bens móveis para municípios

Estratégia política palaciana pode favorecer deputados do interior