Seculo

 

Órfãos


30/10/2014 às 17:35
O fim do processo eleitoral deste ano deixou claro, mais uma vez, que a questão ambiental não é e nunca foi prioridade da classe política local e nacional. Embora de extrema relevância para a população, tanto nas disputas majoritárias quanto proporcionais, o assunto passou longe de se consolidar como pauta de campanha ou bandeira. O mínimo que se falou, logo virou pó. Empresas poluidoras, governos e políticos omissos, todos ficaram livres de qualquer cobrança ou constrangimento. Ótimo para eles, péssimo para a sociedade. 
 
Na disputa presidencial, chamou atenção que esse debate não tenha recebido a devida atenção mesmo em meio à crise da água em São Paulo, e com as presenças na disputa da ex-ministra de Meio Ambiente, Marina Silva (PSB), que reivindica para si o título de ambientalista, e de Eduardo Jorge (PV) e Luciana Genro (PSOL), candidatos apresentados como independentes. 
 
A crise da água, quando discutida entre a presidente reeleita Dilma Rousseff (PT) e o tucano Aécio Neves, principalmente no segundo turno, foi muito mais no sentido de apontar a incapacidade de planejamento de gestão do governo tucano, do que tratar da problemática ambiental em si. 
 
E olha que há uma lista de problemas que caem na conta dos principais candidatos. Dilma, definitivamente, não adotou o meio ambiente como prioridade do seu governo; Aécio nunca escondeu que era o “candidato do agronegócio”; e Marina Silva compôs chapa com Beto Albuquerque, financiado por empresas rejeitadas pela Rede Sustentabilidade e um dos principais articuladores, no Congresso Nacional, da liberação dos plantios de soja transgênica. Isso só para citar os pontos principais. 
 
No Espírito Santo, o mesmo cenário se repetiu, e não foi por falta de necessidade ou urgência. Embora abrigue poluidoras como Vale, ArcelorMittal, Samarco, Belgo Mineira, Aracruz Celulose (Fibria), Jurong, etc, etc e etc, o debate ambiental se resumiu às tentativas da candidata do PSOL ao governo, Camila Valadão, criticar o modelo econômico atual e os projetos semelhantes defendidos pelo governador eleito Paulo Hartung (PMDB) e o atual Renato Casagrande, que beneficiam os grandes empresários. O assunto, obviamente, também não repercutiu. 
 
No campo da disputa ao Senado, à Câmara dos Deputados e à Assembleia Legislativa, pior ainda. O meio ambiente foi termo raro, perdido entre falas rápidas e superficiais. 
 
Os financiamentos de campanha explicam...

 

Manaira Medeiros é mestre em Políticas Públicas e Desenvolvimento Local e especialista em Gestão e Educação Ambiental
Fale com a autora: manaira@seculodiario.com
 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Facebook/Eliana
Território político

Inferno astral do prefeito de Linhares, Guerino Zanon, deixa o campo aberto para a deputada estadual Eliana Dadalto

OPINIÃO
Editorial
'Gestão compartilhada'
Ofensiva de Luciano Rezende contra movimento dos professores revela autoritarismo e inabilidade política
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
Eliza Bartolozzi Ferreira
Políticas de retrocesso
Dados educacionais do governo Paulo Hartung são alarmantes
Roberto Junquilho
Que novo é esse?
O presidenciável do PRB, Flávio Rocha, apresenta velhas fórmulas de gestão e envolve jovens lideranças
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Para, relógio
MAIS LIDAS

Território político

Procon multa imobiliária e construtora responsáveis por condomínio em Setiba

TJES adia pela quinta vez processo de Dr. Hércules sobre dívida de campanha

Justiça realiza audiência do processo contra seminarista de Boa Esperança

Sindipol denuncia 'mentiras' do governo sobre médicos legistas