Seculo


  • Lava Jato no ES

 

Uma mão lava
a outra


12/11/2014 às 16:55
Como de hábito, as principais poluidoras do Estado investiram pesado nos candidatos das disputas majoritárias e proporcionais deste ano. Os eleitos assumirão seus postos a partir de 2015 já com essa conta e terão que quitá-la durante o mandato. Como? Com omissão, blindagem, favorecimentos, concessão de licenciamentos em tempo recorde e oba-oba. A estratégia mantém a classe política e o Estado reféns dos interesses do mercado econômico, e a população refém das consequências que inevitavelmente virão. No bom português, é o famoso rabo preso.
 
Ao contrário das eleições anteriores, a tentativa da Vale de se esconder por meio de suas subsidiárias não vingou. No Estado, a mineradora apareceu no topo das doações de campanha este ano, tirando da Aracruz Celulose (Fibria) a posição de campeã em injetar dinheiro no mercado político. A Vale destinou ao todo R$ 3,69 milhões a candidatos da majoritária e proporcionais, e a Aracruz R$ 1,64 milhão. 
 
A Jurong só compareceu na disputa ao governo do Estado, mas com quantias nada modestas, R$ 1,75 milhão, “batendo” inclusive a Aracruz, que pulverizou suas doações. Já a ArcelorMittal investiu R$1,5 milhão. Ou seja, ninguém economizou, e o retorno foi pra lá de satisfatório, pois a maioria saiu vitoriosa do pleito. 
 
Nessa brincadeira, as poluidoras garantiram a manutenção da relação com o governador eleito, Paulo Hartung (PMDB), com a bancada capixaba no Congresso Nacional – os 11 parlamentares foram financiados pelas poluidoras -, e mais da metade do plenário da Assembleia – de 30 deputados, 18 receberam dinheiro desas empresas. 
 
Para deixar claro, seguem os nomes: no Senado, Rose de Freitas (PMDB); e na Câmara, Sérgio Vidigal (PDT), Helder Salomão e Givaldo Vieira, do PT, Jorge Silva (PDT), Carlos Manatto (SD), Paulo Foleto (PSB), Max Filho (PSDB), Evair de Melo (PV), Marcus Vicente (PP) e Lelo Coimbra (PMDB). 
 
Na Assembleia, devem às empresas Hércules Silveira (PMDB), Guerino Zanon (PMDB), Padre Honório (PT), Marcelo Santos (PMDB), José Carlos Nunes (PT), Luzia Toledo (PMDB), Rodrigo Coelho (PT), Hudson Leal (PRP), Janete de Sá (PMN), Bruno Lamas (PSB), Gildevan Fernandes (PV), Sandro Locutor (PPS), Da Vitória (PDT), Eustáquio de Freitas (PSB), Euclério Sampaio (PDT), Erick Musso (PP), Dary Pagung (PRP) e Sérgio Majeski (PSDB).
 
Anote aí, pois são eles que devemos vigiar e cobrar. E muito, porque a farra está declarada. 


Manaira Medeiros é mestre em Políticas Públicas e Desenvolvimento Local e especialista em Gestão e Educação Ambiental
Fale com a autora: manaira@seculodiario.com
 
 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Problemas em série

A maré não está nada boa, mesmo, para a deputada estadual Raquel Lessa....

OPINIÃO
Editorial
A saúde está doente
Campanha do Simes recomenda que médicos não trabalhem na Serra por causa da violência. E os pacientes, ficam entregues ao deus-dará?
Renata Oliveira
Vai no bolo
As lideranças políticas capixabas devem ficar atentas para não serem atropeladas pelo rolo compressor da indignação
Lídia Caldas
A importância dos probióticos e prebióticos
Se você não se preocupar com isso estará dando passos largos para engrossar as estatísticas de doenças de causas evitáveis
Geraldo Hasse
É preciso equalizar o bem-estar
A crise do capitalismo pode ser resolvida mediante a adoção de um programa comunista de governo
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Nenna – parte II: early years na ilha
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Odebrecht quebrou a "Omertá", e agora?
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

A sombra
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Juiz determina bloqueio dos bens do ex-prefeito de Castelo

Problemas em série

Paulo Ruy Carnelli vai, afinal, explicar por que enterrou o Aquaviário?

Hartung sanciona lei de doações de bens móveis para municípios

Estratégia política palaciana pode favorecer deputados do interior