Seculo

 

Vitória-Trindade: pesquisa revela biodiversidade de peixes em montanhas submarinas


13/03/2015 às 15:09
A revista científica PLoS ONE publicou na semana passada um estudo que  traz o que é apontado como o maior levantamento de peixes “jamais realizado nas montanhas submarinas do Atlântico Sul”. Apesar de comemorar o avanço no conhecimento, os pesquisadores expressam preocupação com a conservação desse ecossistema ímpar. 
Foram registradas 211 espécies de peixes no topo das dez principais montanhas submarinas, que se alinham desde o continente até as ilhas. Das 211 espécies, 191 representam novos registros para a Cadeia Vitória-Trindade. O entorno das ilhas também foi pesquisado e revelou 173 espécies. 
 
A região estudada é pleiteada pelo Brasil perante a comunidade internacional. A criação de uma Reserva da Biosfera Marinha na Cadeia Vitória-Trindade foi recentemente proposta à Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura). 
 
Os pesquisadores expressam, por outro lado, o processo de criação de áreas de proteção, que deveria ser mais ágil. Mas está parado no Ministério do Meio Ambiente (MMA) desde 2012. Além da mineração, a pesca excessiva em todos os montes submarinos e nas ilhas preocupa os autores do estudo, que já reportam risco de extinção e declínio de várias espécies de peixes.
 
O estudo é assinado pelos pesquisadores Hudson T. Pinheiro, Eric Mazzei, Rodrigo L. Moura, Gilberto M. Amado-Filho,  Alfredo Carvalho-Filho, Adriana C. Braga, Paulo A. S. Costa, Beatrice P. Ferreira, Carlos Eduardo L. Ferreira, Sergio R. Floeter, Ronaldo B. Francini-Filho, João Luiz Gasparini, Raphael M. Macieira, Agnaldo S. Martins, George Olavo, Caio R. Pimentel, Luiz A. Rocha, Ivan Sazima, Thiony Simon, João Batista Teixeira,  Lucas B. Xavier e Jean-Christophe Joyeux.
 
Sobre o estudo foi divulgado um comunicado de imprensa. Nele, é  destacado que foram quase duas décadas de pesquisas na Cadeia Vitória-Trindade, mais conhecida por abrigar em seu extremo leste o complexo insular de Trindade e Martin-Vaz, distante 1.200 quilômetros de Vitória, no Espírito Santo. 
 
O projeto envolveu 22 pesquisadores de 12 universidades brasileiras e uma norte-americana, tendo contado com apoio do Ministério da Ciência Tecnologia e Inovação, do Ministério da Educação e da Marinha do Brasil. 
 
Para explorar essa vasta e remota região, foram realizados mergulhos com uso de misturas gasosas e utilizados robôs submarinos munidos de câmeras, além de barcos pesqueiros da frota comercial. Nada menos que 211 espécies de peixes foram registradas no topo das 10 principais montanhas submarinas, que se alinham desde o continente até as ilhas. O entorno das ilhas também foi pesquisado e revelou 173 espécies. 
 
Segundo o comunicado, o principal produto desse enorme esforço é um catálogo fartamente ilustrado e documentado, disponível para download no site da PLoS ONE. O líder do estudo, Hudson Pinheiro, doutorando na Universidade da Califórnia, ressaltou que 191 espécies representam novos registros para a Cadeia Vitória-Trindade. 
 
“Agora compreendemos melhor os processos evolutivos que resultaram em espécies endêmicas nas ilhas e nas montanhas submarinas. Em função de apresentarem topos relativamente rasos, as montanhas funcionam como trampolins para as espécies ao longo de vastas extensões de oceano aberto”, declarou Hudson  Pinheiro. 
 
Conhecer a topografia e os ecossistemas, de forma a garantir sua exploração racional, são premissas centrais da Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar (CNUDM). A Convenção, da qual o Brasil é signatário, assegura a Zona Econômica Exclusiva de 200 milhas. Em 2004 o Brasil apresentou uma proposta de expansão da Plataforma Continental Jurídica à Comissão sobre Limites da CNUDM, para além das 200 milhas, na Foz do Amazonas e na região sul. 
 
O pleito brasileiro também incluiu alguns montes da Cadeia Vitória-Trindade, mas foi devolvido para que o país adequasse a proposta e a justificativa. Segundo Rodrigo Moura, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro e coautor do estudo, “os resultados das pesquisas agregam valor ao pleito brasileiro”. Segundo o pesquisador, “trata-se de uma contribuição que demonstra, internacionalmente, a soberania do Brasil no conhecimento sobre a biodiversidade da região”.
 
Apesar das boas notícias, o Monte Davis, uma das áreas cuja jurisdição ainda não está plenamente estabelecida, tem sido explorado para a produção de fertilizantes. O entendimento dos pesquisadores é que dragar um recife riquíssimo e com espécies únicas para produzir fertilizantes é completamente irracional. 
 
“Não podemos repetir os graves erros cometidos na ocupação da Amazônia na chamada "Amazônia Azul". Ocupar não precisa ser sinônimo de destruir, afirma Moura. “A utilização sustentável da biodiversidade marinha, através da pesca controlada e da biotecnologia, é um caminho muito mais racional”, completa o pesquisador. 
 
 
Onde encontrar:
 
A pesquisa Fish Biodiversity of the Vitória-Trindade Seamount Chain, Southwestern Atlantic: An Updated Database, em artigo completo, incluindo mapa.
 
Commission on the Limits of the Continental Shelf (CLCS) - Outer limits of the continental shelf beyond 200 nautical miles from the baselines: Submissions to the Commission: Submission by Brazil: 
 
 
Fertilizante marinho:
 
 
 
Fish Biodiversity of the Vitória-Trindade Seamount Chain - Pinheiro et al 2015 Plos One,  com assinatura de Hudson Pinheiro:
 
 
 
 
Link para acessar o catálogo ilustrado das espécies.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

OPINIÃO
Piero Ruschi
O ‘Santo Graal’ de Augusto Ruschi
Eventos recentes de desrespeito ao Museu Mello Leitão, camuflados sob a criação do INMA, ressuscitam episódios históricos lamentáveis
Renata Oliveira
Uma nova bandeira se ergue
O programa de combate à violência contra a mulher leva o governador Paulo Hartung a nova narrativa para 2018
Gustavo Bastos
O verão do amor e o movimento hippie
O que representava o movimento hippie como tal era a utopia
Geraldo Hasse
As abelhas e o Agro
Alguns líderes se dão conta da mútua dependência entre animais e plantas
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Este blog fica por aqui
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Algo de novo no ar
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Contas públicas viram pano de fundo para disputa entre 'doutores' em Itapemirim

'Refiliação' de secretário aumenta tensão no PSDB

Sessão solene de homenagem a professores é marcada por protesto

As abelhas e o Agro

Bancada apresenta R$ 1,4 bi em emendas para o Espírito Santo