Seculo

 

Mais da metade da equipe de Hartung foi escolhida por critério político


08/05/2015 às 13:46
O sindicato dos Servidores Públicos do Estado (Sindipúblicos) publicou nesta sexta-feira (8) uma análise do secretariado do governador Paulo Hartung (PMDB). Diferentemente do que havia prometido durante a campanha eleitoral - que trabalharia com uma equipe constituída com base na meritocracia -, Hartung montou seu secretariado a partir de critérios políticos.
 
O sindicato analisou os currículos dos 50 principais gestores do governo do Estado, entre secretários, presidentes de autarquias e fundações. E a constatação foi do perfil político da equipe de Hartung
 
Segundo o levantamento do sindicato, 29 gestores, o equivalente a 58% da equipe, têm ligações político-partidárias com o governador. Esses agentes não têm formação profissional na área de competência inerente à pasta que comanda. Entre os exemplos estão o  engenheiro Ricardo Oliveira (Saúde); o procurador, Rodrigo Júdice (Meio Meio Ambiente); além de ex-deputados e ex-prefeitos ocupando primeiro, segundo e terceiro escalões do governo.
 
Entre as indicações políticas com afinidades com os cargos foram identificados 18 gestores, o equivalente a 36% do secretariado. Para o sindicato, os dados apontam que o atual governo preocupou-se mais em colocar aliados políticos para compor seu secretariado a contar com gestores a partir do mérito técnico. 
 
O levantamento do sindicato aponta também a participação de parte do empresariado na equipe, como o secretário de Cultura, João Gualberto, que era sócio do Instituto Futura e que tem mostrado pouca habilidade para lidar com o setor, haja vista que há mais de duas semanas a classe artística vem promovendo protestos em função da inabilidade do secretário para estabelecer diálogo com os artistas. 
 
O sindicato também aponta a indicação do sobrinho do vice-governador César Colnago (PSDB) para a direção da Prodest. Embora, a indicação de Renzo Colnago tenha sido, segundo os meios políticos, um atendimento ao pleito da ONG Espírito  Santo em Ação. Já a Secretária de Governo, Ângela Silvares, é cunhada de Hartung e está no governo desde o primeiro mandato. 
 
Ângela é auditora de carreira do Estado, mas seu cargo é de confiança. Hartung chegou a criar uma secretaria, a de Transparência, em sua primeira passagem pelo Palácio Anchieta para se adequar à legislação. Ela permaneceu no governo na gestão de Renato Casagrande como indicação de Hartung.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
CMV
Blindagem coletiva

Greve dos professores não reforçou apenas o perfil antidemocrático do prefeito, mas também a omissão da Câmara de Vitória. Só Roberto Martins enxerga o óbvio?

OPINIÃO
Editorial
'Gestão compartilhada'
Ofensiva de Luciano Rezende contra movimento dos professores revela autoritarismo e inabilidade política
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
JR Mignone
O voto facultativo
Atual insatisfação com a política seria uma chance para começar a estudar a implantação do voto facultativo?
Roberto Junquilho
Que novo é esse?
O presidenciável do PRB, Flávio Rocha, apresenta velhas fórmulas de gestão e envolve jovens lideranças
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Para, relógio
MAIS LIDAS

Blindagem coletiva

STF mantém interrupção de pagamento de gratificação a procuradores de Justiça no ES

Que novo é esse?

Professores encerram greve, mas movimento reivindicatório continua em Vitória

MAB: 'Falta organização e profissionalismo na Fundação Renova'