Seculo

 

Tubarão


24/05/2015 às 21:29
Peter Benchley se tornou mundialmente famoso ao lançar seu livro Tubarão em 1974, tal obra, romance, vendeu 20 milhões de exemplares e virou filme pelas mãos de Steven Spielberg, filme que logo se tornou um blockbuster em 1975, batendo recordes de bilheteria, e que também teve a participação do escritor Benchley no roteiro.
 
Benchley, desde criança, teve um fascínio por tubarões, passou seus verões em Nantucket, uma ilha no Oceano Atlântico, pois nos anos 1940 e 1950, as águas desta região eram ricas de tubarões de várias espécies: tubarões-areia, tubarões-azuis, tubarões-makos e, finalmente, os conhecidos e temíveis tubarões-brancos.
 
O romance Tubarão, e depois o filme, representam este fascínio de Benchley por tubarões. Admiração e temor que também passam por toda a Humanidade. Um animal que vem desde a pré-história, que passou pela evolução das espécies e que ainda habita o inconsciente do medo ao mergulho no mar. Benchley, por volta de seus 20 anos, leu uma matéria num jornal sobre um pescador que havia arpoado um grande tubarão-branco de mais de duas toneladas na região de Long Island. Tal fato fez Benchley imaginar se fosse possível um monstro desses chegar num balneário e numa região de veraneio, e isto se tornou o embrião do que viria a ser o livro Tubarão.
 
Benchley coloca esta estória neste contexto, a vida de verão de um balneário, região de veraneio, chamada Amity, em Long Island, e o conflito se estabelece logo que há o primeiro ataque de tubarão na região. Há dois personagens principais que entram num embate ético, o chefe de polícia Brody, e o prefeito Vaughan. Brody queria interditar as praias da região logo ao primeiro ataque, e Vaughan queria manter as aparências, pois sabia que uma notícia como aquela correndo por aí, teria, como consequência, prejuízo financeiro para a região de Amity. O conflito ético então se dá entre o dever do alerta no balneário para que não surjam mais vítimas e o imperativo de manter as coisas funcionando em Amity, sobretudo por se tratar da temporada de verão na região.
 
Até este livro de Benchley, não se tinha muito conhecimento de um romance sobre tubarões, e tal ideia deste escritor, por insólita, poderia parecer um projeto que não daria certo, algo que passaria ao largo da literatura reconhecida pelo público, mas deu certo, e mais, ao fim virou filme blockbuster pelas mãos do diretor Steven Spielberg. Então, a ideia de um tubarão como protagonista de uma estória nunca poderia ter dado tão certo.
 
Tubarão, livro e filme, evocam o medo e o respeito por um animal mítico e real ao mesmo tempo. O mito da morte, os dentes triangulares, o comprimento do animal, o monstro sanguinário, e que tem na imagem da espécie tubarão-branco sua expressão perfeita e mais poderosa. O mundo selvagem dos mares, tão perigoso como uma selva africana, mar que também possui seus predadores, e que no maior deles coloca no topo da cadeia alimentar um bicho que não come carne humana, mas que se ataca por engano um de nós, teríamos que ter muita sorte para voltar e contar a história.
 
Romance de ictiologia, uma versão literária do fascínio dos tubarões, uma reunião ficcional de algo que ocorre de fato nos mares. Tubarão consegue juntar algo que vem da mítica oceânica, algo que poderia ter tudo para ser apenas uma boa estória de ficção, mas que tem pé na realidade. Mesmo assim, por se tratar de uma obra literária, as tintas são carregadas, o mesmo ocorre no filme. Tubarão é uma lente de aumento de um perigo real, e a aparição do tubarão-branco, animal real, não um objeto de mito ou uma quimera, assusta por ser real, por viver nos mares. O mar e seus segredos, e a caixa de pandora aberta nesta estória chamada Tubarão, o grande monstro que nos situa num romance de balneário, e que é, por sinal, uma obra de terror.
 
O conhecimento sobre como se comportam os tubarões, os movimentos dos corpos humanos no balneário de Amity, os casos que se sucedem, tudo isso dentro de um conflito ético entre o lucro obtido no verão, tal é a ideia do prefeito Vaughan, e o medo de mais vítimas pelo chefe de polícia Brody. Não há, para além disso, uma garantia de quem está com o domínio da situação, na verdade, o fato que controla todo o enredo é o próprio tubarão, este animal que aparece misteriosamente tanto no livro de Benchley como no filme de Spielberg.
 
Benchley disse que não se interessava apenas por contar uma história de terror de uma nota só, isto é, um tubarão que come gente. Benchley decidiu se concentrar na questão do que realmente aconteceria se um predador gigantesco fechasse o cerco sobre um balneário. Benchley se orgulhava de saber mais sobre tubarões do que a maioria das pessoas, pois isto representava uma lenda, mas que, contudo, tinha base na vida real, a grande cadeia de espécies que vivia nos mares, e que possuía na imagem aterrorizante do tubarão sua perfeita tradução. O mar, já perigoso por suas próprias águas agitadas, também tinha um habitante poderoso, o tubarão, e sua versão mais perigosa, o tubarão-branco, herança dos gigantes pré-históricos que um dia viveram na Terra, ou melhor, neste caso, nos mares.
 
Cada episódio ocorrido no livro realmente aconteceu, pois os resultados demonstrados no livro de ataques de tubarão havia, por conseguinte, um conteúdo real por trás. E este é o grande lance do livro e do filme, Tubarão se coloca, a princípio, como uma mera estória de terror, só que, diferente dos monstros imaginários da maioria das estórias desta temática, nos apresenta um animal real, ou seja, Tubarão mexe com medos reais, com algo que mistura a lenda do mar com a verdadeira sensação de um ataque real de tubarão. Este animal existe, e os casos de corpos humanos estraçalhados por este bicho também. Portanto, não se trata de um terror imaginário, de uma fantasia, é a pura realidade, com o aumento dramático pela pena do escritor e pela direção de um filme.
 
E neste conflito entre Brody e o prefeito Vaughan, o único que não tinha dilemas éticos além da caça era o tubarão-branco. Portanto, em Tubarão, enquanto os homens se digladiavam pela administração de Amity, um animal, na amoralidade de seus propósitos, apenas vivia sua vida biológica, certamente inconsciente do que provocava, pois para o tubarão-branco, a vida consistia em detectar corpos agitados na água e dar mordidas para ver se a carne era boa. No caso dos humanos, o tubarão-branco mal sabia que tinha tanto impacto na vida em sociedade de um balneário de verão.
 
Benchley não previu o sucesso de seu romance Tubarão, mas sua ideia foi acertada, desde O Velho e o Mar, até Tubarão, desde Mil Léguas Submarinas, até, novamente, Tubarão, agora a história dos mares e de seus predadores ganhava contornos de um sucesso enorme. Spielberg explorou tal mote e se deu bem, Benchley também. Tubarão foi um marco do cinema hollywoodiano, tudo isto nascido de um interesse diletante de um escritor que, ao invés de contar qualquer estória, se embrenhou nesta vida selvagem, o tubarão-branco nunca deu tanto o que falar. Benchley e Spielberg acertaram em cheio, e o mito do tubarão-branco, baseado em fatos reais, virou peça de arte, isto é, filme e livro, sucesso na década de 1970.
 

Gustavo Bastos, filósofo e escritor
Blog: http://poesiaeconhecimento.blogspot.com
   

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Próximos capítulos

Com Colnago no comando, dá para imaginar como ficaria o PSDB em 2018, inserido no projeto de Hartung...mas e se Max Filho levasse o pleito, como seria a relação do partido com o governador?

OPINIÃO
Piero Ruschi
O ‘Santo Graal’ de Augusto Ruschi
Eventos recentes de desrespeito ao Museu Mello Leitão, camuflados sob a criação do INMA, ressuscitam episódios históricos lamentáveis
Renata Oliveira
Uma nova bandeira se ergue
O programa de combate à violência contra a mulher leva o governador Paulo Hartung a nova narrativa para 2018
Gustavo Bastos
O verão do amor e o movimento hippie
O que representava o movimento hippie como tal era a utopia
Geraldo Hasse
As abelhas e o Agro
Alguns líderes se dão conta da mútua dependência entre animais e plantas
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Este blog fica por aqui
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Algo de novo no ar
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

As abelhas e o Agro

'Refiliação' de secretário aumenta tensão no PSDB

Sessão solene de homenagem a professores é marcada por protesto

Uma nova bandeira se ergue

Bancada apresenta R$ 1,4 bi em emendas para o Espírito Santo