Seculo


  • Lava Jato no ES

 

Bancada unida contra a reeleição, mas divergente no financiamento


28/05/2015 às 11:16
A votação da bancada capixaba na Câmara dos Deputados, na noite dessa quarta-feira (27), em relação à reforma política e ao fim da reeleição foi unânime. Todos os deputados federais do Estado votaram pelo fim da recondução na majoritária em todos os níveis: prefeito, governador e opresidente. Mas sobre o ponto mais polêmico da discussão, o financiamento privado de campanha, houve divergências. 
 
Os deputados Lelo Coimbra (PMDB), Marcus Vicente (PP) e Manato (SD) votaram a favor da proposta pinçada pelo presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). O texto aprovado é uma emenda à reforma política (PEC 182/07) apresentada pelo líder do PRB, deputado Celso Russomanno (SP), que atribui a uma lei futura a definição de limites máximos de arrecadação e dos gastos de recursos para cada cargo eletivo.
 
A maioria dos deputados seguiu a orientação de seus partidos, exceto o deputado Jorge Silva. O Pros orientou a bancada para votar favoravelmente ao projeto, mas o deputado capixaba votou contrário. O PSB de Paulo Foletto liberou seus parlamentares e o socialista votou contra a proposta.
 
A aprovação da emenda ocorreu em meio a protestos de deputados do PCdoB, do PT, do PSOL e do PSB. Esses partidos avaliaram que houve uma manobra para reverter a derrota imposta na terça-feira pelo Plenário às doações de empresas às campanhas. Os deputados rejeitaram a emenda que autorizava as doações de pessoas físicas e jurídicas para candidatos e partidos. Pela emenda a provada nessa quinta, as doações poderão ser feitas aos partidos e não aos candidatos. 
 
A matéria vai de encontro ao interesse da população, já que a defesa é pelo financiamento público de campanha. 
 
Se aprovada também no Senado, a proposta joga por água abaixo a discussão que vinha sendo travada no Supremo Tribunal Federal. Os ministros iniciaram uma avaliação a partir de uma ação da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) que pedia o fim das doações de empresas a campanhas. Seis ministros votaram a favor da proibição, mas o julgamento foi suspenso porque o ministro Gilmar Mendes pediu vistas do processo e nunca mais colocou a matéria em discussão. 
 
Quanto ao projeto que prevê o fim da reeleição, os dez deputados do Estado votaram favoravelmente ao projeto. No plenário, a medida foi aprovada com o apoio majoritário das bancadas: 452 votos a favor, 19 contra e uma abstenção.
 
O texto aprovado é o do relatório do deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), que prevê uma transição. O fim da reeleição não se aplicará aos governadores eleitos em 2014 e aos prefeitos eleitos em 2012, nem a quem os suceder ou substituir nos seis meses anteriores ao pleito subsequente, exceto se já tiverem exercido os mesmos cargos no período anterior.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Ensaiado

Mudança de planos de Ricardo Ferraço na condução da Reforma Trabalhista atende à estratégia de Temer e da classe empresarial. Falou de empresário, é com ele mesmo!

OPINIÃO
Editorial
Defesa burocrática
Secretário Júlio Pompeu fez um discurso burocrático para defender o governo Hartung na Corte Interamericana de Direitos Humanos
Renata Oliveira
O universo conspira
A onda de falta de sorte do governador, iniciada em fevereiro, insiste em não passar
Caetano Roque
Venceu o pragmatismo
Ao reeleger o grupo que se perpetua na direção, PT perde um pouco mais de sua ideologia
Geraldo Hasse
Seremos todos boias-frias?
A palavra reforma, sempre associada a avanços, está sendo aplicada a um retrocesso
JR Mignone
Sérgio Bermudes, sempre atual
''Existe uma crise no Judiciário, que vai da falta de juízes, da infraestrutura adequada, até a postulação e prestação precárias''
Caetano Roque
A hora do Judiciário
O Supremo tem que mostrar a que veio e a serviço de quem está
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Nenna – parte II: early years na ilha
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Odebrecht quebrou a "Omertá", e agora?
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

A sombra
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

CNMP pode acabar com pagamento de ‘horas-extras’ a promotores no Espírito Santo

Disputa pelo poder em Itapemirim reacende tensão entre prefeito e vice

Defesa burocrática

Ensaiado

Esgoto na Praia de Santa Helena não se resolve com teste de balneabilidade