Seculo

 

Um dia a máscara cai


01/07/2014 às 21:32
O relatório da Comissão Nacional de Defesa das Prerrogativas e Valorização da Advocacia (CNDPVA) do Conselho Federal da OAB (CFOAB), ao reconhecer que os juízes Carlos Magno Moulin Lima e Flávio Jabour Moulin usaram perfis falsos para difamar o advogado Marcos Dessaune e o diretor-responsável de Século Diário, Rogério Medeiros, já é uma vitória para o jornal e, cremos, para o advogado. 
 
Há exatos cinco anos, Século Diário era vítima de mais uma ação truculenta de censura. No dia 9 de julho de 2009, o juiz Marcos Horácio Miranda, do 2º Juizado Especial Cível Adjunto-Ufes, determinava a retirada sumária de duas reportagens do ar.
 
Miranda atendia ao clamor dos juízes Flávio e Carlos Magno, respectivamente filho e sobrinho do ex-presidente do Tribunal de Justiça do Estado (TJES) e desembargador aposentado Alemer Ferraz Moulin.
 
Na ação, os Moulin requeriam, além do pedido de censura, uma indenização em dinheiro “por danos morais”. O jornal, inconformado com a decisão “fabricada”, recorreu à 1ª Turma Recursal dos Juizados Especiais da Capital. Em vão. Mais tarde a Justiça, além de manter os conteúdos censurados, condenaria ainda o jornal a pagar uma indenização de R$ 20 mil aos primos juízes.
 
As reportagens censuradas desvelavam os abusos cometidos pelos dois juízes contra advogados considerados desafetos do grupo dos Moulin. Tais eram os absurdos cometidos pela dupla, que os desmandos dos juízes foram levados ao conhecimento do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).
 
Não satisfeitos com as injustas punições impostas ao jornal, os Moulin queriam mais. Queriam troçar de seus algozes. Mas não tiveram coragem de assumir a zombaria. 
 
Pegaram pra Cristo o advogado Marcos Dessaune, que comentou reportagem publicada no site de notícias Congresso em Foco, que repercutiu a manobra de censura ao jornal.
 
Os juízes, se valendo de identidades falsas, como reconheceu a Comissão Nacional de Defesa das Prerrogativas e Valorização da Advocacia (CNDPVA) da OAB, passaram ofender o advogado e o diretor de Século Diário. Entre os insultos, disseram que ambos tinham ligação com o “crime organizado” e mais uma porção de impropérios. 
 
Provavelmente, após as postagens anônimas, os dois primos deviam rolar de rir da “peça pregada”. Comportando-se como dois “moleques” que depois de fazer uma troça se escondem para não receber punição. 
 
Continuariam rindo e zombando de Dessaune e Rogério Medeiros até hoje, não fosse a perseverança e determinação do advogado que não se privou da missão de descobrir a identidade dos falsos perfis.
 
Dessaune demorou, mas finalmente chegou ao IP que punha tudo a pratos limpos: a patuscada partira de dois magistrados “respeitados” no meio jurídico, Flávio e Carlos Magno. 
 
Tudo documentado e esclarecido, conforme exibido na reportagem de Século Diário. A Comissão Nacional da OAB, mesmo diante das evidências, deu amplo direito de defesa aos juízes. Mas, diferentemente do entendimento da Corregedoria-Geral de Justiça do Espírito Santo, que à época, agindo corporativamente preferiu arquivar as denúncias contra os dois juízes, a Comissão tratou com isenção o caso, “corrigindo” as injustiças caseiras. 
 
Os conselheiros federais foram unânimes no entendimento de que as prerrogativas profissionais do advogado foram violadas. Consideraram pertinente também um desagravo público em favor do advogado, tarefa que repassaram a OAB capixaba. A conferir.
 
Deixamos aqui registrado o nosso reconhecimento ao esforço do advogado Marcos Dessaune, que enfrentou um verdadeiro périplo na busca da verdade. 
 
Ao desnudar a farsa, Dessaune conquista uma vitória em nome de todos os advogados, que puderam comprovar que a OAB Federal zela pelas prerrogativas dos advogados, doa a quem doer. Prova também que a censura e a condenação por danos morais impostas ao jornal Século Diário foram injustas.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Mesa aberta

Sergio Majeski não deve definir, agora, seu destino partidário. Mas já tem duas certezas: não fica no PSDB, nem aceita compor numa vice em chapa majoritária

OPINIÃO
Editorial
À oposição, o respeito!
Seja manifestando uma simples opinião ou criticando medidas do próprio legislativo ou do governo, falou em Sergio Majeski, o tiroteio é garantido
Piero Ruschi
Carta de aniversário ao papai
‘Venho lhe desejar um feliz aniversário de 102 anos, o mais feliz possível, diante de todas mazelas que atormentam o Museu que o senhor criou e o meio ambiente que tanto defendeu
Gustavo Bastos
Destino e acaso
''Quanto ao cético do acaso, ele chama destino de delírio e acaso de nada''
Geraldo Hasse
Em defesa da soberania
Manifesto combate o entreguismo, filho dileto do colonialismo neoliberal
Roberto Junquilho
Os pequenos se movem
Para garantir verba do fundo partidário, siglas como o PCdoB têm que apresentar chapa majoritária em 2018. E, no Estado, como fica?
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Quem quer dinheiro?
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Com festa no Palácio Anchieta, governador sanciona lei de socorro aos municípios

Militares do Estado contestam governo Hartung em ADI protocolada no Supremo

Os pequenos se movem

Vereador de Vitória aponta manobra para reduzir R$ 12 milhões da Educação em 2018

Greve vai parar ônibus da Grande Vitória na terça-feira, anuncia sindicato