Seculo

 

Um dia a máscara cai


01/07/2014 às 21:32
O relatório da Comissão Nacional de Defesa das Prerrogativas e Valorização da Advocacia (CNDPVA) do Conselho Federal da OAB (CFOAB), ao reconhecer que os juízes Carlos Magno Moulin Lima e Flávio Jabour Moulin usaram perfis falsos para difamar o advogado Marcos Dessaune e o diretor-responsável de Século Diário, Rogério Medeiros, já é uma vitória para o jornal e, cremos, para o advogado. 
 
Há exatos cinco anos, Século Diário era vítima de mais uma ação truculenta de censura. No dia 9 de julho de 2009, o juiz Marcos Horácio Miranda, do 2º Juizado Especial Cível Adjunto-Ufes, determinava a retirada sumária de duas reportagens do ar.
 
Miranda atendia ao clamor dos juízes Flávio e Carlos Magno, respectivamente filho e sobrinho do ex-presidente do Tribunal de Justiça do Estado (TJES) e desembargador aposentado Alemer Ferraz Moulin.
 
Na ação, os Moulin requeriam, além do pedido de censura, uma indenização em dinheiro “por danos morais”. O jornal, inconformado com a decisão “fabricada”, recorreu à 1ª Turma Recursal dos Juizados Especiais da Capital. Em vão. Mais tarde a Justiça, além de manter os conteúdos censurados, condenaria ainda o jornal a pagar uma indenização de R$ 20 mil aos primos juízes.
 
As reportagens censuradas desvelavam os abusos cometidos pelos dois juízes contra advogados considerados desafetos do grupo dos Moulin. Tais eram os absurdos cometidos pela dupla, que os desmandos dos juízes foram levados ao conhecimento do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).
 
Não satisfeitos com as injustas punições impostas ao jornal, os Moulin queriam mais. Queriam troçar de seus algozes. Mas não tiveram coragem de assumir a zombaria. 
 
Pegaram pra Cristo o advogado Marcos Dessaune, que comentou reportagem publicada no site de notícias Congresso em Foco, que repercutiu a manobra de censura ao jornal.
 
Os juízes, se valendo de identidades falsas, como reconheceu a Comissão Nacional de Defesa das Prerrogativas e Valorização da Advocacia (CNDPVA) da OAB, passaram ofender o advogado e o diretor de Século Diário. Entre os insultos, disseram que ambos tinham ligação com o “crime organizado” e mais uma porção de impropérios. 
 
Provavelmente, após as postagens anônimas, os dois primos deviam rolar de rir da “peça pregada”. Comportando-se como dois “moleques” que depois de fazer uma troça se escondem para não receber punição. 
 
Continuariam rindo e zombando de Dessaune e Rogério Medeiros até hoje, não fosse a perseverança e determinação do advogado que não se privou da missão de descobrir a identidade dos falsos perfis.
 
Dessaune demorou, mas finalmente chegou ao IP que punha tudo a pratos limpos: a patuscada partira de dois magistrados “respeitados” no meio jurídico, Flávio e Carlos Magno. 
 
Tudo documentado e esclarecido, conforme exibido na reportagem de Século Diário. A Comissão Nacional da OAB, mesmo diante das evidências, deu amplo direito de defesa aos juízes. Mas, diferentemente do entendimento da Corregedoria-Geral de Justiça do Espírito Santo, que à época, agindo corporativamente preferiu arquivar as denúncias contra os dois juízes, a Comissão tratou com isenção o caso, “corrigindo” as injustiças caseiras. 
 
Os conselheiros federais foram unânimes no entendimento de que as prerrogativas profissionais do advogado foram violadas. Consideraram pertinente também um desagravo público em favor do advogado, tarefa que repassaram a OAB capixaba. A conferir.
 
Deixamos aqui registrado o nosso reconhecimento ao esforço do advogado Marcos Dessaune, que enfrentou um verdadeiro périplo na busca da verdade. 
 
Ao desnudar a farsa, Dessaune conquista uma vitória em nome de todos os advogados, que puderam comprovar que a OAB Federal zela pelas prerrogativas dos advogados, doa a quem doer. Prova também que a censura e a condenação por danos morais impostas ao jornal Século Diário foram injustas.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Defesa caseira

No projeto à reeleição, o senador Ricardo Ferraço conta agora com o pai para o que sabe fazer de melhor: ser uma pedra no caminho de Hartung

OPINIÃO
Editorial
Acabou o teatro
O governo disse que não negocia mais com as mulheres dos PMs. Nenhuma novidade. Hartung nunca quis buscar uma saída negociada para a crise
Renata Oliveira
Bem vivo
Theodorico Ferraço mostrou ao governo que pode incomodar muito mais no plenário do que na Mesa Diretora
Ivana Medeiros Zon
Vacilou, dançou
Idosos são alvos crescentes de tentativas de golpes
JR Mignone
Retrocesso
Temo pelo futuro do rádio e dou motivo ao título deste artigo
Nerter Samora
Benesse exposta
Em meio do caos da segurança pública, a questão dos incentivos fiscais da Era Hartung volta à tona
Caetano Roque
Defesa trabalhista
O movimento sindical deve apresentar e estimular suas lideranças a buscar espaço institucional
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Clipe de Val Donato emociona ao trazer homem trans como protagonista
Flânerie

Manuela Neves

As primeiras artes de Luizah Dantas nas paredes da casa de Branca
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Os tanques de guerra e a marcha dos insensatos
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Flamingos no quintal
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Mexidas na equipe fortalecem Hartung em embate contra Casagrande

Base do governo na Assembleia barra sessão especial sobre crise na segurança

Com maioria, Coser não terá problema para se reeleger presidente do PT capixaba

TJES começa a definir futuro de ações sobre rompimento da barragem da Samarco/Vale-BHP

Givaldo Vieira critica falta de diálogo do governo do Estado com a PM