Seculo


  • Lava Jato no ES

 

Um dia a máscara cai


01/07/2014 às 21:32
O relatório da Comissão Nacional de Defesa das Prerrogativas e Valorização da Advocacia (CNDPVA) do Conselho Federal da OAB (CFOAB), ao reconhecer que os juízes Carlos Magno Moulin Lima e Flávio Jabour Moulin usaram perfis falsos para difamar o advogado Marcos Dessaune e o diretor-responsável de Século Diário, Rogério Medeiros, já é uma vitória para o jornal e, cremos, para o advogado. 
 
Há exatos cinco anos, Século Diário era vítima de mais uma ação truculenta de censura. No dia 9 de julho de 2009, o juiz Marcos Horácio Miranda, do 2º Juizado Especial Cível Adjunto-Ufes, determinava a retirada sumária de duas reportagens do ar.
 
Miranda atendia ao clamor dos juízes Flávio e Carlos Magno, respectivamente filho e sobrinho do ex-presidente do Tribunal de Justiça do Estado (TJES) e desembargador aposentado Alemer Ferraz Moulin.
 
Na ação, os Moulin requeriam, além do pedido de censura, uma indenização em dinheiro “por danos morais”. O jornal, inconformado com a decisão “fabricada”, recorreu à 1ª Turma Recursal dos Juizados Especiais da Capital. Em vão. Mais tarde a Justiça, além de manter os conteúdos censurados, condenaria ainda o jornal a pagar uma indenização de R$ 20 mil aos primos juízes.
 
As reportagens censuradas desvelavam os abusos cometidos pelos dois juízes contra advogados considerados desafetos do grupo dos Moulin. Tais eram os absurdos cometidos pela dupla, que os desmandos dos juízes foram levados ao conhecimento do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).
 
Não satisfeitos com as injustas punições impostas ao jornal, os Moulin queriam mais. Queriam troçar de seus algozes. Mas não tiveram coragem de assumir a zombaria. 
 
Pegaram pra Cristo o advogado Marcos Dessaune, que comentou reportagem publicada no site de notícias Congresso em Foco, que repercutiu a manobra de censura ao jornal.
 
Os juízes, se valendo de identidades falsas, como reconheceu a Comissão Nacional de Defesa das Prerrogativas e Valorização da Advocacia (CNDPVA) da OAB, passaram ofender o advogado e o diretor de Século Diário. Entre os insultos, disseram que ambos tinham ligação com o “crime organizado” e mais uma porção de impropérios. 
 
Provavelmente, após as postagens anônimas, os dois primos deviam rolar de rir da “peça pregada”. Comportando-se como dois “moleques” que depois de fazer uma troça se escondem para não receber punição. 
 
Continuariam rindo e zombando de Dessaune e Rogério Medeiros até hoje, não fosse a perseverança e determinação do advogado que não se privou da missão de descobrir a identidade dos falsos perfis.
 
Dessaune demorou, mas finalmente chegou ao IP que punha tudo a pratos limpos: a patuscada partira de dois magistrados “respeitados” no meio jurídico, Flávio e Carlos Magno. 
 
Tudo documentado e esclarecido, conforme exibido na reportagem de Século Diário. A Comissão Nacional da OAB, mesmo diante das evidências, deu amplo direito de defesa aos juízes. Mas, diferentemente do entendimento da Corregedoria-Geral de Justiça do Espírito Santo, que à época, agindo corporativamente preferiu arquivar as denúncias contra os dois juízes, a Comissão tratou com isenção o caso, “corrigindo” as injustiças caseiras. 
 
Os conselheiros federais foram unânimes no entendimento de que as prerrogativas profissionais do advogado foram violadas. Consideraram pertinente também um desagravo público em favor do advogado, tarefa que repassaram a OAB capixaba. A conferir.
 
Deixamos aqui registrado o nosso reconhecimento ao esforço do advogado Marcos Dessaune, que enfrentou um verdadeiro périplo na busca da verdade. 
 
Ao desnudar a farsa, Dessaune conquista uma vitória em nome de todos os advogados, que puderam comprovar que a OAB Federal zela pelas prerrogativas dos advogados, doa a quem doer. Prova também que a censura e a condenação por danos morais impostas ao jornal Século Diário foram injustas.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Tem, sim!

Não escapou Hartung nem Baianinho dos protestos de desta sexta-feira no Estado

OPINIÃO
Editorial
A PM sendo PM
Depois de estarem do “outro lado do balcão, policiais militares voltam a recorrer à violência para reprimir greve geral dos trabalhadores no ES
Piero Ruschi
O desmanche do Museu Mello Leitão
Um ato de desrespeito à população que foi camuflado e conta com o apoio da própria diretoria e sua associação de amigos
Renata Oliveira
Bancada na berlinda
A votação sobre a reforma trabalhista pode condenar metade da bancada capixaba, mas deputados parecem confiar na dialética
Nerter Samora
Uma nova República
Prestes a ser aprovada, a lei sobre abuso de autoridade é um bem necessário para esse ''novo Brasil''
Geraldo Hasse
Os apuros do rei da petroquímica
A ascensão da Braskem faz lembrar o ditado: tudo que sobe rápido demais, desce ligeirinho
Lídia Caldas
Como ter um coração saudável?
Curioso que algumas coisas que hoje são heresias amanhã podem se tornar dogmas
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Nenna, em transição
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Odebrecht quebrou a "Omertá", e agora?
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Nossa Terra, nossa gente
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Governador vira alvo nos protesto dos servidores públicos

Greve Geral: manifestações pacíficas são dispersadas com violência pela Polícia Militar

Delações da Odebrecht mudam expectativas de composições eleitorais para 2018

Givaldo critica Hartung, Lelo e Ana Paula Vescovi em protesto contra Reforma Trabalhista

STF decide que terreno de marinha em ilha com sede de município é da União