Seculo

 

A cura indesejável


07/07/2007 às 08:57

Fotos: Ricardo Medeiros

("A descoberta consiste em ver o que todo mundo viu e pensar o que ninguém pensou." - A. Szent-Gyorgyi) 

"Antes de começarmos a entrevista os senhores, se quiserem, podem chegar até a varanda e desfrutar da vista. É maravilhosa, não é?", disse-nos o dr. Genésio Pacheco da Veiga. "O senhor pode aproveitar e tirar umas fotos, vale a pena", sugeriu ao fotógrafo Ricardo Medeiros. Do alto de seu confortável apartamento na Praia das Castanheiras, em Guarapari, o dr. Genésio revelou os segredos da vacina que é capaz de curar doenças como artrite reumatóide, artrose, espondilite anquilosante, osteoartrite, gota, lesão por esforço repetitivo (LER), entre outras doenças do aparelho locomotor.

Aos 91 anos de idade, e após mais de meio século de pesquisas, o cientista descobriu a vacina antibrucélica. Entretanto, o que poderia ser motivo de orgulho e reconhecimento, tem causado ao dr. Genésio constantes inconvenientes. Médicos reumatologistas, conselhos classistas e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) o perseguem alegando que a vacina não pode ser usada. Eles exigem um estudo científico comparativo que comprove a eficácia da vacina. "Eu já fiz esse estudo junto com o professor José de Felippe Junior, mas eles não aceitaram. Aplicamos a vacina em 400 pacientes e obtivemos resultados positivos em mais de 80% dos casos. Isso tudo está documentado. Na verdade, sabe por que eles não liberam a vacina? Por causa dos interesses econômicos que estão em jogo." 




Logo que concluiu o curso de Medicina, o dr. Genésio foi trabalhar como pesquisador no controle bacteriológico da peste bubônica, na Fundação Oswaldo Cruz, no Rio de Janeiro. "Durante 46 anos no Rio, fui aperfeiçoando essa vacina até conseguir chegar num resultado altamente eficiente. Há 22 anos eu me mudei para Guarapari e adaptei essa vacina aos processos inflamatórios do aparelho locomotor".

O pesquisador carioca não sabe dizer quantas pessoas já foram curadas com o seu tratamento. Mas tanto ele quanto sua mulher, Norma, de 82 anos, aparentam ser donos de uma excelente saúde física e mental, que chega a impressionar. Eles asseguraram que usam a vacina há mais de 16 anos. "Nós não pegamos nem resfriado", garantiu dona Norma. O fotógrafo Ricardo Medeiros se convenceu dos efeitos benéficos da vacina. Saiu de lá com um kit de vacina para tratar durante um ano sua LER, que o persegue há anos.

Leia a seguir a entrevista completa do dr. Genésio e entenda por que milhares de pessoas aderiram à vacina e se dizem eternamente agradecidas ao médico.


Século Diário: - Quais são os resultados da vacina antibrucélica no tratamento da artrite reumatóide e outras doenças do aparelho locomotor?

 





Dr. Genésio Pacheco da Veiga: - Os resultados da vacina têm sido excelentes. Veja bem, o paciente procura um tratamento para o seu problema. O médico diz para ele, normalmente, que a doença não tem cura e é progressiva. Depois esse mesmo paciente me procura e eu resolvo o problema dele. Os médicos ficam possessos. Por causa dessa vacina que descobri, que contraria o interesse dos outros médicos, já fui processado uma série de vezes. Houve um caso que foi muito interessante. Eu havia curado uma paciente de Juiz de Fora (MG) que sofria de LER (Lesão por Esforço Repetitivo). E essa paciente era sempre atendida por uma médica da medicina do trabalho. Essa médica ficou sabendo que a paciente havia sido curada por mim. Ela então solicitou informações ao Conselho Regional de Medicina (CRM) para saber qual era o tratamento que a paciente havia recebido. A médica informou ao Conselho que o tratamento, embora fosse eficiente, era tóxico. O CRM, por sua vez, não realizou nenhum tipo de investigação ou pesquisa sobre a vacina, sequer me questionou sobre o fato. Simplesmente me processou no Conselho de Ética. Na verdade, foi um processo arbitrário, uma vez que não houve denúncia e nem provas contra mim. Isso é para você ter uma idéia das manobras que eles fazem para impedir meu trabalho.

- Mas como foi que o senhor descobriu essa vacina?

- No Fiocruz eu estava pesquisando a vacina para o tratamento da brucelose (enfermidade bacteriana generalizada de começo agudo ou insidioso, caracterizada por febre continua, intermitente ou irregular, de duração variável, debilidade, cefaléia, suor profuso, perda de peso e mal-estar generalizado. São freqüentes infecções subclínicas e não diagnosticadas. As complicações osteoarticulares são comuns). Eu observei que um médico francês havia acompanhado o caso de um paciente de artrite reumatóide e utilizou vários tipos de vacina. E a única vacina que prejudicou a imunidade do paciente foi justamente a de brucelose. Nas minhas pesquisas observei que os pacientes vacinados contra brucelose apresentavam também diminuição das dores articulares provocadas pela artrite reumatóide. Isso me deixou bastante intrigado. Então passei a investigar exaustivamente o fenômeno. Alterei o modo de administração da vacina e suas diluições. Fiz uma série de extrações de endotoxina da bactéria que provoca a brucelose bovina e após alguns longos anos de trabalho consegui chegar à formulação da vacina, que é capaz de cessar a dor porque elimina o processo evolutivo da doença. A vacina que desenvolvi tem sido muito eficiente. Já consegui tirar muita gente de cadeiras de rodas e de muletas, que eram pacientes considerados pelos médicos como irrecuperáveis. Agora essas pessoas estão aí, trabalhando, produzindo, se sentindo úteis novamente.

- Quais são os efeitos colaterais da vacina?

- A vacina é 100% natural e praticamente não tem nenhum efeito colateral. No estudo desenvolvido com o dr. José de Felippe, dos 400 pacientes que receberam a vacina apenas 12% sentiram algum tipo de efeito colateral. Entretanto, com a diminuição da dosagem ou continuidade do tratamento esses pequenos efeitos colaterais desapareceram em 85% dos pacientes. 

- Quais são as doenças que a vacina combate?

- Todas do aparelho locomotor: artrite reumatóide, artrose, espondilite anquilosante, osteoartrite, gota, lesão por esforço repetitivo (LER), artrite psoriática, esclerodermia, esclerose sistêmica, dermatopolimiosite, polimiosite e lupus eritematoso sistêmico... enfim, todas as doenças que decorrem de quadros inflamatórios. Tratei muitos pacientes também que sofriam de alergia asmática. O aumento da imunidade propiciado pela vacina faz com que essas doenças regridam. Entretanto, apesar de estar comprovada a eficácia da vacina, eles continuam me perseguindo de todas as maneiras.

- Mas quem está perseguindo o senhor?

- A maioria dos reumatologistas, os grandes laboratórios, a Anvisa. Sabe por que? Por causa dos interesses econômicos que estão em jogo. Parte dos médicos reumatologistas criou um esquema de atendimento que na verdade não cura ninguém. Quando o paciente vai ao consultório de um desses médicos, a primeira coisa que eles fazem é receitar um medicamento para ser preparado por uma dessas farmácias de manipulação. Alguns médicos alertam o paciente que ele deve necessariamente mandar fazer o remédio numa farmácia específica, considerada de 'confiança'. Na verdade, essa farmácia ou é do próprio médico ou ele tem algum esquema de participação, como por exemplo comissão sobre o medicamento comercializado. Normalmente, o medicamento receitado dura de um a dois meses no máximo. Resultado: terminada aquela remessa, o paciente tem de retornar ao médico, pagar uma nova consulta para receber outra receita - muitas vezes idêntica à anterior ou com pequenas modificações. Vamos supor que o médico tenha 50 pacientes, todos os meses ele terá 50 consultas e receberá certamente 50 comissões. Então, eles não têm nenhum interesse de mudar esse esquema. Esse tipo de médico não quer curar ninguém. Eu vou lhe contar uma história que ilustra bem essa situação. Havia uma moça em Juiz de Fora (MG) que fazia um tratamento com o cunhado, que é reumatologista. Ela ficou sabendo do meu tratamento e resolveu experimentar a vacina. Ficamos até amigos. Depois de perceber os resultados positivos da vacina, ela retornou a Juiz de Fora e sugeriu ao cunhado que passasse a utilizar a vacina em seus pacientes. O cunhado então respondeu a ela: 'Tenho cerca de 70 pacientes. Se curá-los, como vou viver?'

- Por que então o senhor não regulariza a vacina para poder beneficiar um número maior de pessoas?

- Porque eu não posso. Para regularizar a vacina preciso primeiro provar à Anvisa que essa vacina é eficiente; segundo, que ela é atóxica; terceiro, é preciso fazer um exame de imunidade. São essas três exigências que a Anvisa faz.

- E o senhor não faz isso porque o processo é muito demorado, burocrático?

- Não é isso, não. Eu já fiz esse trabalho com o dr. José Felippe Júnior, que é médico geriatra e professor universitário. Sabendo dos resultados positivos da vacina, ele então me chamou para fazer o tratamento com seus pacientes em São Paulo. Durante o período de 1986 a 1989, 1,750 pacientes com vários tipos de doenças reumáticas foram submetidos à vacina antibrucélica. Destes, 400 pacientes preenchiam os critérios de diagnóstico clássico de artrite reumatóide, de acordo com a classificação da Associação Americana de Reumatismo (American Council of Rheumatology), isto é, todos os pacientes incluídos neste estudo apresentavam os critérios de doença ativa e eram soropositivos para artrite reumatóide. O resultado desse estudo foi surpreendente, obtivemos mais de 80% de cura. Nós apresentamos esse estudo no Congresso Brasileiro de Medicina, mas eles não aceitaram. Alegaram que o estudo não foi realizado em serviço de reumatologia. Para que a Anvisa aceite, eu preciso fazer o tratamento em um serviço de reumatologia. Entende? Mas os reumatologistas não permitem que eu faça o estudo.
- E não há um outro caminho para legalizar a vacina?

- Eu solicitei um orçamento para uma universidade de Juiz de Fora para saber quanto eles me cobrariam para fazer a pesquisa comparativa exigida pela Anvisa. A universidade me pediu R$ 1 milhão. Eu não tenho esse dinheiro. Somente as multinacionais têm condições de legalizar medicamentos na Anvisa. Elas pagam facilmente esse valor, vendem em quantidade e ganham muito dinheiro.

- Quer dizer então que para legalizar a vacina o senhor teria que se associar a um grande laboratório?

- É isso. Confidenciaram-me até que a Anvisa recebe comissões dos laboratórios para registrar medicamentos. Se isso é verdade, não sei. Mas, se for, quem manda na Anvisa então são os grandes laboratórios. No Brasil as coisas são difíceis...

- O senhor já foi processado alguma vez?

- Sim. Meu consultório funciona no térreo de um prédio de três andares. No terceiro andar fica o laboratório Eles alegavam que eu não podia manter funcionando no mesmo prédio meu consultório e o laboratório. Disseram-me que consultório e laboratório deveriam estar em prédios distintos. Exigiram também que eu enviasse ao CRM uma ata com reunião da diretoria, nomes dos membros etc. Disseram que eu tinha que funcionar como empresa. Aplicaram uma multa e disseram que diante de uma reincidência eles arbitrariam um novo valor...


- O CRM do Espírito Santo?

- Não, pelo contrário. Este ano o CRM-ES me prestou uma homenagem de Honra ao Mérito pelos serviços prestados à medicina aqui no Estado. Mas em um dos processos eu mesmo organizei minha defesa a partir de notícias publicadas no próprio jornal do CRM. Uma das notícias dizia que um médico havia sido flagrado dentro de uma ambulância fumando maconha; um outro médico anestesiou uma paciente e a deflorou. Ambos foram condenados a um mês de suspensão de suas funções. Veja bem, apenas um mês. Então eu disse ao Conselho: se vocês me condenarem também à pena de um mês de afastamento eu aproveito para tirar umas férias e vou a Cancun com minha esposa.

- O senhor tem idéia de quantas pessoas foram curadas com a vacina?

- Não dá para saber. É muita gente. Mas há alguns casos que eu tenho um carinho especial. Havia uma menina que aos dois anos de idade apresentou artrite reumatóide. Ela não andava devido a fortes dores no joelho e nos pés. Os médicos já haviam alertado a seus pais que ela não teria chances de andar pelo fato de a doença ser progressiva e incurável. Aos nove anos de idade a mãe da menina tomou conhecimento do meu tratamento. A partir de então, ela começou a receber a vacina e aos poucos foi reaprendendo a andar. Na juventude jogou voleibol. Recentemente se formou na faculdade e agora se casou. Numa carta ela escreveu o seguinte: 'Meus pais me geraram, e o senhor me deu a vida'. Isso é muito gratificante para mim.

- O senhor também toma a vacina?

- Mas é claro. Eu e a minha esposa (Norma, 82 anos) tomamos a vacina há mais de 16 anos. É por isso que nós não pegamos nem gripe. Tanto eu quanto a minha senhora temos uma disposição enorme. Até outro dia trabalhava até às 11 horas da noite.



- O tratamento com a vacina é muito caro? 

- Não, pelo contrário. É extremamente barato em relação aos tratamentos convencionais. Um paciente que usa medicamentos 'clássicos', como antiinflamatórios não hormonais, corticosteróides e drogas de ação lenta, pode chegar a gastar em média até R$ 300 por mês. E os efeitos colaterais são terríveis. A vacina custa R$ 240 por ano. O tratamento com a vacina dura normalmente dois anos. Existe uma estimativa que diz que há 14 milhões de pessoas com doenças relacionadas ao aparelho locomotor no Brasil. Agora imagine a quantidade de pacientes que poderiam ser curados com a vacina. Isso só não é possível porque eles me perseguem e preferem insistir em tratamentos equivocados. Você lembra quando apareceu o Viox como sendo uma droga avançada e eficiente no tratamento de inflamações?

- Lembro inclusive de uma edição da revista "Veja" que fez uma reportagem de capa sobre os benefícios do Viox, que era considerada a droga do momento.

- Pois bem, o próprio laboratório foi obrigado a retirar o medicamento do mercado porque, ao invés de curar, ele estava matando as pessoas. E a Anvisa, à época, validou o remédio. Agora, a vacina que comprovadamente não oferece nenhum risco ela não libera.

- O que o senhor pretende fazer agora para legalizar a vacina?

- Há uma empresa de São Paulo que está querendo legalizar a vacina. Disseram-me para eu entregar logo para eles, assim eu fico livre da Anvisa.

- E o senhor vai entregar?

- Às vezes eu penso em fazer isso para me livrar deste problema com a Anvisa, ou talvez entregue a vacina a Cuba. Tenho certeza de que lá eles vão saber o que fazer com ela. Porque em Cuba a medicina é social. Não são as grandes empresas que estão no comando.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Próximos capítulos

Com Colnago no comando, dá para imaginar como ficaria o PSDB em 2018, inserido no projeto de Hartung...mas e se Max Filho levasse o pleito, como seria a relação do partido com o governador?

OPINIÃO
Piero Ruschi
O ‘Santo Graal’ de Augusto Ruschi
Eventos recentes de desrespeito ao Museu Mello Leitão, camuflados sob a criação do INMA, ressuscitam episódios históricos lamentáveis
Renata Oliveira
Uma nova bandeira se ergue
O programa de combate à violência contra a mulher leva o governador Paulo Hartung a nova narrativa para 2018
Gustavo Bastos
O verão do amor e o movimento hippie
O que representava o movimento hippie como tal era a utopia
Geraldo Hasse
As abelhas e o Agro
Alguns líderes se dão conta da mútua dependência entre animais e plantas
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Este blog fica por aqui
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Algo de novo no ar
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

As abelhas e o Agro

'Refiliação' de secretário aumenta tensão no PSDB

Sessão solene de homenagem a professores é marcada por protesto

Uma nova bandeira se ergue

Bancada apresenta R$ 1,4 bi em emendas para o Espírito Santo