Seculo

 

Em plena crise hídrica, governo Hartung quer ampliar plantios de eucalipto no Estado


26/10/2015 às 17:14
Nos últimos dias, para oferecer uma resposta à população, o governo Paulo Hartung (PMDB) vem anunciado uma série de ações para combater a escassez hídrica, além de percorrer o Estado para visitas aos rios, que estão cada vez mais secos. Na contramão do discurso, porém, faz movimentos de incentivo aos plantios de eucalipto, que estão diretamente relacionados à questão.
Nesta segunda-feira (26), em matéria do jornal A Gazeta, o Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Expansão Rural (Incaper) manifestou o interesse em ampliar a área ocupada pelo eucalipto hoje no Estado, calculada pelo órgão como 250 mil hectares no total – entidades do campo dizem que já são 350 mil hectares, sem considerar os plantios dos próprios agricultores. 
 
“Poderíamos ter o dobro da área plantada”, sinalizou o pesquisador do Incaper, Pedro Arlindo Oliveira Galveas, colocando como único empecilho para isso a “péssima infraestrutura das estradas”.
 
Além de ressaltar a rentabilidade do negócio e as facilidades dos plantios, o Incaper defende que o eucalipto consome pouca água, ao contrário do que comprovam estudos sobre o problema e os relatos das comunidades impactadas.
 
Segundo pesquisas já publicadas no Estado, a espécie é exótica consome 36,5 mil litros de água por ano quando adulta, com o agravante de os plantios serem feitos próximos aos manancias, inclusive nas áreas de recargas de água, que são os topos de morros e encostas, e aquíferos. 
 
Principal beneficiada com os incentivos do governo para o setor, a Aracruz Celulose (Fibria) não só degradou de uma só vez 50 mil hectares de mata atlântica com seus primeiros plantios realizados ainda na ditadura militar, como secou córregos e rios. Há, ainda, a contaminação dos mananciais por agrotóxicos, amplamente utilizados na atividade. 
 
Nos municípios que concentram a maior extensão desses plantios, São Mateus e Conceição da Barra, no norte do Estado, não há água nem para consumo dos moradores. Sem ter mais para onde se expandir na região, as cidades serranas também foram invadidas pelo eucalipto. 
 
O incentivo à monocultura, que leva à exaustão dos recursos hídricos, à escassez do solo e ao desmatamento, se contrapõe às ações necessárias para solucionar o grave problema da água, que consiste exatamente em criar condições para plantios de espécies da mata atlântica no Estado. Esses plantios nativos têm desenvolvimento rápido e podem gerar receita em sistemas agrossilvipastoris  -  integração de lavoura, pecuária e floresta. 
 
Para agravar ainda mais a situação, a Assembleia Legislativa aprovou, no último mês, o projeto (PL 344/2015) do governo Hartung que libera a expansão dos monocultivos no Estado, sem a exigência dos estudos de impacto ambiental (EIA). A flexibilização da legislação ambiental tem a intenção de favorecer a expansão de grandes empresas como a Aracruz Celulose e a Suzano Papel e Celulose. 
 
A estratégia para garantir a expansão da monocultura do eucalipto no Estado será debatida nesta quarta-feira (28), às 8h30, em Colatina (noroeste do Estado), como parte das oficinas do Plano Estratégico da Agricultura Capixaba (Pedeag). O governo também quer garantir os plantios de seringueira. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Facebook/Eliana
Território político

Inferno astral do prefeito de Linhares, Guerino Zanon, deixa o campo aberto para a deputada estadual Eliana Dadalto

OPINIÃO
Editorial
'Gestão compartilhada'
Ofensiva de Luciano Rezende contra movimento dos professores revela autoritarismo e inabilidade política
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
JR Mignone
O voto facultativo
Atual insatisfação com a política seria uma chance para começar a estudar a implantação do voto facultativo?
Roberto Junquilho
Que novo é esse?
O presidenciável do PRB, Flávio Rocha, apresenta velhas fórmulas de gestão e envolve jovens lideranças
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Para, relógio
MAIS LIDAS

Procon multa imobiliária e construtora responsáveis por condomínio em Setiba

Justiça realiza audiência do processo contra seminarista de Boa Esperança

TJES adia pela quinta vez processo de Dr. Hércules sobre dívida de campanha

Sindipol denuncia 'mentiras' do governo sobre médicos legistas

Ministério da Segurança Pública anuncia mutirão para reduzir população carcerária