Seculo

 

Perícia nos terrenos desapropriados do Porto Central vai custar mais de R$ 700 mil


01/12/2015 às 13:42
A perícia judicial nos terrenos desapropriados na área do projeto do Porto Central, em Presidente Kennedy (litoral sul do Estado), terá um custo de R$ 704 mil. Esse é o valor apontado pelo novo perito, Fernando Fregonassi dos Santos, que é o terceiro profissional designado pelo juízo desde o início da ação. Os trabalhos serão custeados pelo governo do Estado, parte interessada no processo. O Estado já recebeu a imissão da posse na área, porém, os proprietários dos terrenos só vão receber após a conclusão da perícia que levantará o valor de mercado de cada lote.

Na decisão assinada no último dia 19, o juiz da comarca, Marcelo Jones de Souza Noto, designou o novo perito e fixou algumas regras para o trabalho. Segundo o togado, o avaliador terá que “se ater as peculiaridades da área avaliada por tratar-se de loteamento aprovado, mas não implementado”, além da existência ou não de infraestrutura existente em cada um dos 2,3 mil lotes estimados na região. A discussão em torno do preço dos terrenos se arrasta desde agosto do ano passado, quando o então governador Renato Casagrande (PSB) publicou o decreto de desapropriação das áreas por motivo de interesse público.

Pelo modelo sugerido pela Secretaria de Desenvolvimento (Sedes), o governo vai entrar como sócio no empreendimento portuário, que já está na fase final de licenciamento ambiental. Pela área, o Estado ofereceu pouco mais de R$ 20 milhões por entender se tratar de lotes em zona rural. Enquanto isso, os donos dos terrenos pedem cifras próximas à casa dos R$ 100 milhões. Durante a instrução do processo, o governo fez o depósito judicial de R$ 27 milhões pela aquisição de cinco áreas, mas os proprietários acreditam que o valor está subavaliado.

Desde então, a Procuradoria do Estado tentou por duas vezes, sem sucesso, que a Justiça concedesse a imissão da posse na área. Mas somente no mês passado, a 4ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado (TJES) garantiu a posse do governo no local, mesmo sem indenizar os proprietários das áreas – que só devem ser pagos após a conclusão dessa perícia.

Com a decisão do TJES, o Estado poderá garantir o início das obras do complexo portuário, que ficará a cargo da empresa TPK Logística. O projeto do Porto Central prevê a construção de um complexo industrial e portuário em uma área de aproximadamente 6.800 hectares (equivalente a 68 milhões de metros quadrados). No entanto, a área portuária deve ser de 2.000 hectares (20 milhões de metros quadrados), sendo que a primeira fase pode ocupar 1.500 hectares (15 milhões de metros quadrados), segundo dados divulgados pela empresa.

Justiça extingue ação contra donos de porto

Em decisão assinada no último dia 23, o juiz da 11ª Vara Cível de Vitória, Júlio César Babilon, determinou a extinção de uma ação movida pela Predial Itabirana, dono do loteamento Cidade Balneária Solimar – que está inserida na área desapropriada – em face da TPK Logística. No processo (0032712-21.2013.8.08.0024), os proprietários dos terrenos queriam impedir a divulgação de informações relativas ao projeto, enquanto não fosse resolvida a questão da posse das áreas.

Entretanto, o magistrado entendeu que a efetivação da desapropriação provocaria a perda do objeto da ação, uma vez que os terrenos não seriam mais de posse da Predial Itabirana, mas agora de propriedade do Estado. “Não há mais utilidade em se tutelar os pleitos cominatórios então formulados, porquanto, efetivada aquela a favor de terceiro, no caso o Poder Público, sem qualquer sentido condenar a parte demandada às cominações de abstenção de divulgação do empreendimento portuário, prestação de esclarecimentos etc., tal como requeridos pela parte autora”, observou.

O juiz decidiu não condenar a autora da ação ao pagamento de multa por eventual litigância de má-fé, como pretendia a defesa da TPK. A Predial Itabirana, no entanto, terá que arcar com as custas processuais, além dos honorários advocatícios – fixados em R$ 2 mil. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Mesa aberta

Sergio Majeski não deve definir, agora, seu destino partidário. Mas já tem duas certezas: não fica no PSDB, nem aceita compor numa vice em chapa majoritária

OPINIÃO
Editorial
À oposição, o respeito!
Seja manifestando uma simples opinião ou criticando medidas do próprio legislativo ou do governo, falou em Sergio Majeski, o tiroteio é garantido
Piero Ruschi
Carta de aniversário ao papai
‘Venho lhe desejar um feliz aniversário de 102 anos, o mais feliz possível, diante de todas mazelas que atormentam o Museu que o senhor criou e o meio ambiente que tanto defendeu
Gustavo Bastos
Destino e acaso
''Quanto ao cético do acaso, ele chama destino de delírio e acaso de nada''
Geraldo Hasse
Em defesa da soberania
Manifesto combate o entreguismo, filho dileto do colonialismo neoliberal
Roberto Junquilho
Os pequenos se movem
Para garantir verba do fundo partidário, siglas como o PCdoB têm que apresentar chapa majoritária em 2018. E, no Estado, como fica?
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Quem quer dinheiro?
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Manifesto denuncia ameaças a lideranças mobilizadas contra agrotóxicos em Boa Esperança

Fundação Renova é multada e Samarco/Vale-BHP vira alvo de mais uma ação civil pública

Morre Chico Flores

Com festa no Palácio Anchieta, governador sanciona lei de socorro aos municípios

Militares do Estado contestam governo Hartung em ADI protocolada no Supremo