Seculo

 

Ato contra Samarco/Vale reúne mais de mil pessoas em Linhares


04/12/2015 às 15:37
A Samarco e suas acionistas - Vale e BHP Billiton - foram alvos de mais um protesto no Espírito Santo. Nesta sexta-feira (4), véspera de se completar um mês do maior crime socioambiental do País, pescadores de 16 estados e entidades da sociedade civil fecharam um trecho da BR 101 e a ponte Joaquim Calmon, que corta o rio Doce, onde realizaram um abraço simbólico. Eles cobraram punição às empresas e soluções em relação à contaminação do manancial, que é fonte de subsistência e referência afetiva das comunidades. 
Com personagem vestido de morte e cartazes com frases de “Samarco Assassina”, “Desenvolvimento para quem?”, “Samarco sujou? Limpe!”, os manifestantes ecoaram gritos de ordem questionando o atual modelo econômico, que tem promovido a destruição ambiental e o “genocídio de pescadores e agricultores”. Destacaram, ainda, a necessidade de as comunidades defenderem o território e a pesca tradicional. 
Além das colônias do Estado, participaram do ato pescadores do Movimento de Pescadores e Pescadoras do Brasil (MPP), estudantes, militantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e LGBT, e moradores do município. O protesto foi organizado pela Colônia de Pescadores Z-9, com convocação nas redes sociais. 
Na tarde desta sexta, os pescadores estão em Regência, onde está localizada a foz do rio Doce, que foi atingida pela onda de lama há duas semanas. No mesmo dia, os rejeitos encontraram o oceano. 
Segundo Manoel Bueno (Nego da Pesca), que preside a Federação das Associações de Pescadores e Aquicultores do Estado (Fecopes), a visita a Regência tem o objetivo de permitir a troca de experiências entre os pescadores da vila e de outros estados, que já passaram por situações semelhantes à atual. 
Com o crime da Samarco/Vale, as comunidades que vivem da pesca em Regência e Povoação estão sem alternativas de trabalho e apreensivas em relação ao futuro. Na vila, também está programada uma reunião com o Ministério Público do Estado (MPES) e Ministério Público Federal (MPF), às 18h30
Apesar da gravidade dos impactos a essas comunidades, os pescadores denunciam que têm recebido pouca visibilidade no caso, tanto da Samarco e suas acionistas quanto do poder público. 
Até agora, não têm qualquer garantia e vivem, por enquanto, do salário do defeso da piracema, que vai até fevereiro de 2016. No entanto, há muitos pescadores que ainda não são cadastrados e, impedidos de realizar a atividade, estão totalmente desamparados. 
Para que os pescadores recebam o básico capaz de garantir o sustento de suas famílias, a Fecopes entrou com ação na Justiça contra a Samarco/Vale, exigindo que as empresas indenizem cada integrante das colônias capixabas do rio Doce até sua foz, em pelo menos um salário mínimo (R$ 788,00). A entidade também requer danos morais. No entanto, as negociações com a empresa ainda não avançaram e uma nova audiência de conciliação foi marcada para o próximo dia 16.
A manifestação desta sexta também reivindicou a migração da pesca artesanal para o Ministério de Desenvolvimento Agrário (MDA). Após a extinção do Ministério da Pesca e Aquicultura (MPA), o setor foi realocado para o Ministério da Agricultura (Mapa), que atua em sentido oposto às demandas das comunidades tradicionais. A pasta é dirigida por Kátia Abreu, do setor do agronegócio e das grandes indústrias.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Cara e crachá

Uns publicaram vídeos e notas nas redes sociais, outros só notas, outros nada. Mas a CPI da Lava Jato continua na conta dos deputados arrependidos

OPINIÃO
Editorial
A Ponte da Discórdia
Terceira Ponte entra novamente no centro dos debates políticos em ano eleitoral. Enquanto isso, a Rodosol continua rindo à toa...
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Geraldo Hasse
Mundo velho sem catraca
Cinquenta anos depois, é possível fazer um curso técnico por correspondência via internet
Roberto Junquilho
Hartung, o suspense
O governador Paulo Hartung mantém o suspense e pode até não disputar a reeleição em 2018
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uma revoada de colibris
MAIS LIDAS

Visita de interlocutores de Hartung a Rodrigo Maia sinaliza mudança de cenário

Juiz Leopoldo mais próximo de ir a Júri Popular por assassinato de Alexandre Martins

Contrato do governo do Estado com a Cetesb sobre poluição do ar continua sigiloso

Hartung, o suspense

LDO será votada na próxima segunda-feira na Assembleia