Seculo

 

Ato contra Samarco/Vale reúne mais de mil pessoas em Linhares


04/12/2015 às 15:37
A Samarco e suas acionistas - Vale e BHP Billiton - foram alvos de mais um protesto no Espírito Santo. Nesta sexta-feira (4), véspera de se completar um mês do maior crime socioambiental do País, pescadores de 16 estados e entidades da sociedade civil fecharam um trecho da BR 101 e a ponte Joaquim Calmon, que corta o rio Doce, onde realizaram um abraço simbólico. Eles cobraram punição às empresas e soluções em relação à contaminação do manancial, que é fonte de subsistência e referência afetiva das comunidades. 
Com personagem vestido de morte e cartazes com frases de “Samarco Assassina”, “Desenvolvimento para quem?”, “Samarco sujou? Limpe!”, os manifestantes ecoaram gritos de ordem questionando o atual modelo econômico, que tem promovido a destruição ambiental e o “genocídio de pescadores e agricultores”. Destacaram, ainda, a necessidade de as comunidades defenderem o território e a pesca tradicional. 
Além das colônias do Estado, participaram do ato pescadores do Movimento de Pescadores e Pescadoras do Brasil (MPP), estudantes, militantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e LGBT, e moradores do município. O protesto foi organizado pela Colônia de Pescadores Z-9, com convocação nas redes sociais. 
Na tarde desta sexta, os pescadores estão em Regência, onde está localizada a foz do rio Doce, que foi atingida pela onda de lama há duas semanas. No mesmo dia, os rejeitos encontraram o oceano. 
Segundo Manoel Bueno (Nego da Pesca), que preside a Federação das Associações de Pescadores e Aquicultores do Estado (Fecopes), a visita a Regência tem o objetivo de permitir a troca de experiências entre os pescadores da vila e de outros estados, que já passaram por situações semelhantes à atual. 
Com o crime da Samarco/Vale, as comunidades que vivem da pesca em Regência e Povoação estão sem alternativas de trabalho e apreensivas em relação ao futuro. Na vila, também está programada uma reunião com o Ministério Público do Estado (MPES) e Ministério Público Federal (MPF), às 18h30
Apesar da gravidade dos impactos a essas comunidades, os pescadores denunciam que têm recebido pouca visibilidade no caso, tanto da Samarco e suas acionistas quanto do poder público. 
Até agora, não têm qualquer garantia e vivem, por enquanto, do salário do defeso da piracema, que vai até fevereiro de 2016. No entanto, há muitos pescadores que ainda não são cadastrados e, impedidos de realizar a atividade, estão totalmente desamparados. 
Para que os pescadores recebam o básico capaz de garantir o sustento de suas famílias, a Fecopes entrou com ação na Justiça contra a Samarco/Vale, exigindo que as empresas indenizem cada integrante das colônias capixabas do rio Doce até sua foz, em pelo menos um salário mínimo (R$ 788,00). A entidade também requer danos morais. No entanto, as negociações com a empresa ainda não avançaram e uma nova audiência de conciliação foi marcada para o próximo dia 16.
A manifestação desta sexta também reivindicou a migração da pesca artesanal para o Ministério de Desenvolvimento Agrário (MDA). Após a extinção do Ministério da Pesca e Aquicultura (MPA), o setor foi realocado para o Ministério da Agricultura (Mapa), que atua em sentido oposto às demandas das comunidades tradicionais. A pasta é dirigida por Kátia Abreu, do setor do agronegócio e das grandes indústrias.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Quem dá mais?

Enquanto o mercado político se divide cada vez mais entre o bloco palaciano e o puxado por Casagrande, Audifax segue com acenos para o lado que mais convém

OPINIÃO
Editorial
Castigada seja a hipocrisia!
Ideal, mesmo, seria ver tamanha indignação dos deputados estaduais no debate sobre nudez artística em casos reais de atentado à paciência da sociedade
Geraldo Hasse
Manobras perigosas
Os empresários, que surfaram na onda de Lula, estão assustados com a pororoca de Temer
JR Mignone
Banalização
O carnaval fez com que se desse uma trégua nas informações sobre política no Brasil
Roberto Junquilho
Hora do plano B
Os planos de Hartung e Colnago retornam à estaca zero com a saída de Luiz Paulo do PSDB
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

A arte de pilotar motocicletas – ou com Chico na garupa
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Yes, nós também!
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Castigada seja a hipocrisia!

Hora do plano B

Ricardo Ferraço ensaia chapa casada ao Senado com Amaro Neto

Quem dá mais?

Estudantes reagem contra manutenção do reajuste na passagem de ônibus