Seculo

 

Após ameaça de bloqueio de bens da Vale e BHP, Samarco firma acordo para pagar salário a pescadores e ribeirinhos


05/12/2015 às 12:01
Três dias após o Ministério Público do Trabalho (MPT) de Minas Gerais ameaçar pedir bloqueio dos bens das mineradoras Vale e BHP Billiton, caso sua subsidiária Samarco não garantisse ajuda financeira imediata a pescadores e ribeirinhos afetados pela lama de rejeitos no estado mineiro e no Espírito Santo, a empresa resolveu firmar acordo e fornecerá um auxílio subsistência a essas comunidades a partir da próxima sexta-feira (11), com pagamento retroativo a 5 de novembro, data do rompimento da barragem em Mariana (MG).
O Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com o Ministério Público do Trabalho de Minas Gerais e do Espírito Santo foi assinado pela empresa em Belo Horizonte, nessa sexta-feira (4), e a previsão é que atinja, inicialmente, 11 mil pescadores e ribeirinhos já cadastrados nos dois estados.
Os trabalhadores que não têm cadastro devem procurar as associações e colônias de suas regiões e solicitar o benefício, como orienta o Ministério Público do Trabalho.
O auxílio será no valor de um salário mínimo por família (R$ 788), mais 20% para cada dependente e uma cesta básica. Será entregue durante seis meses – 1º de março de 2016 -, até que a empresa contratada pela Samarco, a Golder Associates, apresente os resultados do estudo socioeconômico das regiões impactadas, com cronograma de ações que garantam o reestabelecimento das condições de trabalhos das famílias que dependem do rio Doce para sobreviver.
O acordo determina ainda que a Samarco não faça dispensa em massa de seus empregados pelo mesmo período, bem como não pode rescindir contratos de prestação de serviços permanentes. Segundo o MPT, são 2.686 empregados diretos e 2.400 terceirizados em Minas e Espírito Santo.
Em entrevista à BBC Brasil nessa terça-feira (1), o procurador do Trabalho Geraldo Emediato de Souza reconheceu que o ideal seria que esse valor aumentasse. “Mas estamos lutando contra o tempo", justificou. A força-tarefa criada pelo MPT para investigar o caso Samarco é conduzida por ele e pelos procuradores Bruno Fonseca, Carolina Buarque e Aurélio Vieito.
A onda de lama da Samarco destruiu o distrito de Bento Rodrigues, em Mariana, e deixou mais de 600 desabrigados. Já foram confirmadas 12 mortes e oito pessoas estão desaparecidas. Desde que chegou ao rio Doce, a lama impediu a captação de água, provocou a morte de toneladas de peixes, e destruiu a biodiversidade, até alcançar a foz e o mar no Espírito Santo. Desde então, os moradores dos municípios capixabas de Baixo Guandu, Colatina e Linhares, impactados pelos rejeitos de mineração, vivem clima de desemparo e apreensão. 

A Vale e a anglo-australiana BHP Billiton detêm 50% cada do controle acionário da Samarco. Assim como a subsidiária, as controladoras respondem por um longo histórico de violações aambientais e aos direitos humanos no Brasil e no exterior.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Lá e cá

Enquanto Rose volta a se movimentar em Brasília, Casagrande delimita território no Estado. Cada um no seu quadrado...

OPINIÃO
Geraldo Hasse
Vendilhões no comando
Os governos petistas deram mole aos Mercados, mas o MDB escancara a prática do entreguismo
Roberto Junquilho
Os calos da esquerda
Apesar de possuir lideranças bem posicionadas, a esquerda só aparece quando os fatos são diretamente ligados ao cenário político partidário
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Admirável mundo novo
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Os calos da esquerda

Comitê em Defesa de Lula é criado no Estado

Lá e cá

Atílio Vivácqua decreta luto oficial de três dias por morte de prefeito

Relatório internacional de Direitos Humanos destaca violência policial no Brasil