Seculo

 

Governo determina cadastramento de poços artesianos no Estado


29/01/2016 às 18:14
Os poços artesianos utilizados para captar água subterrânea no Estado e  utilizados em larga escala pelas poluidoras Vale e ArcelorMittal serão, finalmente, cadastrados pela Agência Estadual de Recursos Hídricos (Agerh). É o que determina Instrução Normativa publicada nesta sexta-feira (29) no Diário Oficial, que define aos usuários o prazo de três meses para efetuar o procedimento.
O cadastro também abrange captações em nascentes, cacimbas e poços escavados de até quatro metros quadrados de abertura. A medida tem o objetivo, segundo o governo, “de garantir segurança e racionalidade na utilização da água subterrânea”. Com a escassez hídrica, é crescente o número de perfurações para utilização da água dos aquíferos.
 
O cadastro dos usos de águas subterrâneas deve ser realizado pela internet, no site da Agerh. Os usuários receberão da Agência a Declaração de Uso de Água Subterrânea, no prazo de até dois meses, com validade de um ano. Os donos de poços que não o fizerem serão considerados irregulares e estarão sujeitos a multas, lacre dos poços e perda do direito a financiamentos e benefícios fiscais, como garante o governo. 
 
A obrigação do cadastro será divulgada em reuniões regionais, realizadas a partir do próximo mês, em Nova Venécia, Colatina, Domingos Martins e Cachoeiro de Itapemirim.
 
A Agerh afirma que a medida representa o “primeiro passo” para a implantação da outorga de direito de uso também para água subterrânea no Espírito Santo, que hoje só é exigida para a captação de águas superficiais, que abrange rios e lagoas. 
 
Isso porque, embora a captação comprometa a água subterrânea da Grande Vitória, que é reserva social e deve ser priorizada para o consumo da população, o governo do Estado não adota procedimentos de outorga ou licenciamento ambiental para captação de água subterrânea por meio de poços artesianos, utilizados em larga escala pela Vale e ArcelorMittal
 
A exploração do recurso pelas empresas contaminou os aquíferos com poluentes, mas o governo do Estado também não avalia os impactos, deixando a cargo das próprias poluidoras. 
 
A Vale tinha sete poços em 2007 e passou a 87 em 2015. As unidades da ArcelorMittal Tubarão e Cariacica também são grandes consumidoras da água subterrânea. As empresas não tiveram dificuldades em abrir novos poços até em plena crise hídrica, como ocorreu no ano passado.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
'Devoção' cega

Enquanto lideranças partidárias ecoam o ‘Volta Hartung’, o próprio lava as mãos e deixa seu exército fiel em apuros nas eleições deste ano

OPINIÃO
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Gustavo Bastos
Carta ao inventor da música
''Mas que alma mora no sol?''
Erfen Santos
O Cidadão Ilustre
O filme suscita reflexões pertinentes sobre prêmios literários como o Nobel, que rejeitou grandes escritores
Roberto Junquilho
Tem jabuti na árvore
Por trás da conturbada escolha do candidato ao governo, há uma clara demostração de poder de Hartung
JR Mignone
A importância das eleições
Cada empresa de comunicação tem de se esmerar nas campanhas, sem partido ou cores políticas
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Último desejo
MAIS LIDAS

Ministério Público investiga suspeita de cartel em licitações da Secretaria de Agricultura

Amancio, um cantador da capoeira

'Devoção' cega

Vagas no Senado viram a grande disputa deste ano no Espírito Santo

A quadrilha democrática da Rua Sete