Seculo

 

Governo determina cadastramento de poços artesianos no Estado


29/01/2016 às 18:14
Os poços artesianos utilizados para captar água subterrânea no Estado e  utilizados em larga escala pelas poluidoras Vale e ArcelorMittal serão, finalmente, cadastrados pela Agência Estadual de Recursos Hídricos (Agerh). É o que determina Instrução Normativa publicada nesta sexta-feira (29) no Diário Oficial, que define aos usuários o prazo de três meses para efetuar o procedimento.
O cadastro também abrange captações em nascentes, cacimbas e poços escavados de até quatro metros quadrados de abertura. A medida tem o objetivo, segundo o governo, “de garantir segurança e racionalidade na utilização da água subterrânea”. Com a escassez hídrica, é crescente o número de perfurações para utilização da água dos aquíferos.
 
O cadastro dos usos de águas subterrâneas deve ser realizado pela internet, no site da Agerh. Os usuários receberão da Agência a Declaração de Uso de Água Subterrânea, no prazo de até dois meses, com validade de um ano. Os donos de poços que não o fizerem serão considerados irregulares e estarão sujeitos a multas, lacre dos poços e perda do direito a financiamentos e benefícios fiscais, como garante o governo. 
 
A obrigação do cadastro será divulgada em reuniões regionais, realizadas a partir do próximo mês, em Nova Venécia, Colatina, Domingos Martins e Cachoeiro de Itapemirim.
 
A Agerh afirma que a medida representa o “primeiro passo” para a implantação da outorga de direito de uso também para água subterrânea no Espírito Santo, que hoje só é exigida para a captação de águas superficiais, que abrange rios e lagoas. 
 
Isso porque, embora a captação comprometa a água subterrânea da Grande Vitória, que é reserva social e deve ser priorizada para o consumo da população, o governo do Estado não adota procedimentos de outorga ou licenciamento ambiental para captação de água subterrânea por meio de poços artesianos, utilizados em larga escala pela Vale e ArcelorMittal
 
A exploração do recurso pelas empresas contaminou os aquíferos com poluentes, mas o governo do Estado também não avalia os impactos, deixando a cargo das próprias poluidoras. 
 
A Vale tinha sete poços em 2007 e passou a 87 em 2015. As unidades da ArcelorMittal Tubarão e Cariacica também são grandes consumidoras da água subterrânea. As empresas não tiveram dificuldades em abrir novos poços até em plena crise hídrica, como ocorreu no ano passado.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
'Tapa na cara'

Na semana do Dia do Professor, os homenageados da Assembleia: Hartung, Haroldo Rocha e a vitrine Escola Viva. É mole ou quer mais?

OPINIÃO
Editorial
Ajuste fiscal, a 'isca' do negócio
Hartung tem feito publicidade nacional para mostrar que o ES é o novo paraíso para investidores. Esconde, porém, os problemas internos, que não são poucos
Renata Oliveira
Hartung fica?
O tempo passa e nada de Hartung deixar o PMDB. Já tem gente apostando que ele não sai do partido
JR Mignone
Meio a meio
Seria esta a solução para ter uma programação de rádio com a participação de emissora de fora?
Geraldo Hasse
Está começando o ano 2018
Tudo indica que o único evento positivo do próximo ano será a Copa do Mundo
Caetano Roque
Sindicalismo unilateral
O processo de debate no movimento sindical deve ser participativo, mas não é isso que vem acontecendo no país
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Este blog fica por aqui
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Algo de novo no ar
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

'Tapa na cara'

Está começando o ano 2018

Ricardo Ferraço tenta construir imagem de ficha limpa e prega tolerância zero à corrupção

Mais veneno para o Espírito Santo

Ajuste fiscal, a 'isca' do negócio