Seculo

 

Vestido de zebra


13/06/2016 às 18:10
A diferença da atual Assembleia Legislativa e das outras, até mesmo em comparação às da Era Hartung, está no agito causado pelas CPIs criadas por iniciativa do deputado Enivaldo dos Anjos (PSD). As CPIs dos Guinchos (que e engloba também os táxis) e da Sonegação são as que tem atraído grande audiência, cativando um bom público na TV Ales nas manhãs de segunda-feira.
 
As reuniões têm mostrado que o trabalho das comissões está longe de ficar só no lero-lero. Os resultados são concretos. Nesta segunda-feira (13), a CPI dos Guinchos,por exemplo, pediu a prisão de dois permissionários de táxis. Sinal de que as coisas estão andando.
 
Uma das explicações para a efetividade das CPI é o fato de elas estarem libertas de ingerência externas, algo inusitado, pois tratar-se de uma Assembleia inteiramente submissa ao governador Paulo Hartung
 
Passando ao largo desse controle, a CPI do Guincho, a mais efetiva, desnudou um sistema que misturavam verdadeiras gangues protegidas por esquemas de altos funcionários da prefeitura e de policiais militares. Caminhando agora para proceder da mesma forma no caso dos táxis - um sistema bem montado que enriquece as gangues das chapas conectadas também a um esquema protecionista. 
 
Esse trabalho das CPIs se ajusta bem ao temperamento de Enivaldo. Ele foi forjado politicamente em Barra de São Francisco, no coração do noroeste capixaba, onde se acostumou enfrentar cano de revólver para fazer política e conquistar votos. Por lá, foi prefeito duas vezes e duas vezes também deputado estadual. 
 
Esse seu processo vem se colocá-lo agora num cenário urbano, muito diferente ao que deixou em Barra do São Francisco. Mas ele chega como nas disputas políticas da sua região, não se acovardando à pressão e cara feia. Isso fica patente quando ele ignora o poder intimidador de um presidente da Vale e ameaça trazê-lo coercitivamente à CPI da Sonegação. Não quer dizer que Enivaldo esteja procurando chifre em cabeça de cachorro, ao contrário, está tratando o presidente da empresa que mais polui no Espírito Santo e ainda sonega impostos impunemente da maneira como ele merece ser tratado.
 
À custa dessas CPIs, Enivaldo se revela uma liderança pronta para desbravar um novo campo político. E tem feito isso em velocidade relâmpago. Está mais que preparado para intrometer-se na vida da cidade mais importante do Estado, e adotá-la como sua nova casa. Enivaldo, que já fez história em Barra de São Francisco, vem com energia de sobra para encarar o desafio de disputar a prefeitura da capital vestido de zebra.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Leonardo Duarte/Secom
Uma coisa só

Enquanto no campo nacional PRB e MDB ainda estão em fase de namoro, no Estado o partido já é um “puxadinho” de Hartung. E tudo começou com Roberto Carneiro...

OPINIÃO
Editorial
MPES omisso
Ministério Público decidiu não participar das audiências de custódia. Um dos prejuízos: denúncias contra tortura, comumente relatada por presos
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
Eliza Bartolozzi Ferreira
Políticas de retrocesso
Dados educacionais do governo Paulo Hartung são alarmantes
Geraldo Hasse
Vampirismo neoliberal
O governo oferece refrescos aos trabalhadores enquanto suga seu sangue
Roberto Junquilho
Quem governa?
Um novo porto na região de Aracruz demonstra que, para as corporações, as minorias não importam
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uh, Houston, temos um problem
MAIS LIDAS

Uma coisa só

MPES omisso

Processo de Valci Ferreira e Gratz por crime de peculato será remetido ao STF

Cedrolândia ainda aguarda resposta do prefeito sobre escola condenada

Diretoria do Heimaba não comparece em reunião do Conselho para explicar óbitos