Seculo

 

A política do terror de PH


15/06/2016 às 16:53
É impressionante como o governador Paulo Hartung (PMDB) insiste nessa sua quase obsessão de abater o ex-governador Renato Casagrande (PSB) antes da chegada do processo eleitoral, contando, para tal empreitada, com a total omissão da classe política, que se finge de rogada.
 
Aliás, a classe política começou a se omitir lá atrás, quando o governador, à semelhança do que havia feito com outros antecessores, aplicou em cima de Casagrande o discurso de que teria herdado um governo “quebrado”. Essa estratégia, porém, não funcionou com o ex-governador Renato Casagrande, que reagiu à altura, provando que, ao contrário do que lhe imputava Hartung, entregara o governo com as finanças saneadas ao sucessor.
 
Como esse discurso não logrou êxito, PH levou o propósito de torná-lo inelegível à Assembleia Legislativa. Foi neste contexto que Hartung ordenou a criação da CPI dos Empenhos. Os membros do colegiado foram escolhidos a dedo para cumprir a tarefa de limar aniquilar Casagrande do cenário politico.
 
Apesar do zelo para construir o plano, Hartung foi surpreendido com o relatório de um deputado de sua própria base. Euclério Sampaio (PDT) negou incluir Casagrande como responsável pelas “pedaladas” no relatório. Hartung, quem diria, tomou rasteira de um deputado que até então esteve sempre em todas as articulações em favor dos interesses do governador na Assembleia. 
 
A decisão de Euclério provocou um corre-corre danado no Palácio Anchieta. Os governistas precisavam arrumar um jeito de derrubar o relatório do pedetista. Quatro pedidos de vista surgiram até agora com esse propósito. Mas o sonhado voto em separado para incluir Casagrande ainda não veio. Pode vir agora com Gildevan Fernandes (PMDB), último a pedir vista. Resta ao líder do governo na Assembleia a missão de indiciar o ex-governador, manobra que deixa cada vez mais evidente as digitais do governador.
 
Importante não são os propósitos de PH, e sim a negligência da classe política em si. Nem ante a uma manobra que é um verdadeiro atentado à democracia, os deputados não se manifestam, principalmente os que assistem essa afronta à democracia de camarote.
 
Agora surge o Ministério Público de Contas (MPC) como reforço a esse mesmo propósito. A missão do MPC é a mesma: livrar o governador de um embate eleitoral com Casagrande.
 
A repercussão nos meios políticos recomenda que Euclério se cuide: o governador, mais cedo ou mais tarde, vai pegá-lo de jeito. Como invariavelmente ocorre com aqueles que atravessam o seu caminho. PH quer botar pânico é quem o desafia.
 
Não fosse esse pânico usual que toma conta dos políticos no Espírito Santo, eles já teriam tido frieza para refletir que a anulação de um dos polos não será boa para a classe político. Manter Casagrande vivo pode ser uma estratégia interessante de sobrevivência para a classe política capixaba. A hegemonia só favorece a PH.
 
Clama-se, então, para que surjam outros Euclérios, com coragem e ousadia para renunciar ao temor e desafiar PH.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Deu zebra

Já está na hora de passar o governador Paulo Hartung a limpo...

OPINIÃO
Editorial
Mais uma porta na cara
O racismo institucional do Palácio Anchieta ficou ainda mais claro com a presença do jornalista Willian Waack, demitido da Rede Globo por comentários racistas
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Erfen Santos
O Cidadão Ilustre
O filme suscita reflexões pertinentes sobre prêmios literários como o Nobel, que rejeitou grandes escritores
Geraldo Hasse
Notícias do fundo do poço
Se não ceder às pressões externas, a Petrobras pode voltar a liderar a economia
JR Mignone
A importância das eleições
Cada empresa de comunicação tem de se esmerar nas campanhas, sem partido ou cores políticas
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Além das lágrimas
MAIS LIDAS

Enivaldo diverge de Neucimar e expõe risco de racha na base governista

Corregedoria da Prefeitura de Vitória é acionada para investigar perda de recursos de compensação ambiental

Fase Escelsa e Rádio Capixaba de Hugo Borges

Chapa de deputados estaduais do PCdoB se arma para fortalecer Givaldo Vieira

A importância das eleições