Seculo

 

O desarme de Ferração


16/06/2016 às 18:06
A Proposta de Emenda Constitucional (PEC) para reeleição de presidente da Assembleia destinada a permitir o quarto mandato consecutivo a Theodorico Ferraço (DEM), ou furou ou entrou em estado de navegação à busca de um porto seguro.

Quando foi idealizada atribui-se à PEC um desejo de Ferraço conjugado com os interesses de PH. Essa leitura, pelo menos, foi a que ao ouvido dos deputados. Mas o tempo logo diria que ela não era real. A jogada da PEC era coisa mesmo do próprio Ferração.

E como o deputado é um velho aprontador, pelo sim, pelo não, a desconfiança tomou conta do seu "colégio eleitoral"  - os 29 deputados estaduais. Isto porque PH fechou-se em copas depois de um almoço particular com ele, produzindo outro nome de imediato: o do deputado licenciado, agora à frente da Secretaria de Assistência Social, Rodrigo Coelho (PDT). Para não dizer um não seco na cara de Ferração e enfrentar sua ira, PH trocou o não pelo "vamos deixar isso para depois das eleições". Dando a entender, porém, que não tinha nada contra Ferração ambicionar um quarto mandato. Só da boca pra fora. Seu presidente dos sonhos é mesmo Rodrigo Coelho, e quem PH está talhando para o cargo tão estratégico.

Basta perceber que PH sempre que tem oportunidade se derrama em elogios a Coelho, que a seu ver é a própria figura do equilíbrio. Na leitura que andam fazendo desse "rasga-seda" de PH com Rodrigo Coelho é que o governador anda apontando a necessidade de um presidente da Assembleia com esse perfil equilibrado para estar à frente da Casa numa hora eleitoral importantíssima: agora em outubro e em 2018, quando Hartung estará na disputa.

Quando um recadeiro, como o líder do governo na Assembleia, deputado Gildevam Fernandes (PMDB), fala para os seus colegas que PH está completamente alheio à discussão da PEC, mas que terá sua parcela de participação na hora da escolha do presidente da Casa, soa em tom de ameaça para que não haja compromissos com a PEC do Ferração. Estar alheio, nesse caso, significa ignorar a proposta de Ferraço. Dar sinais que o momento é inadequado para a discussão.

Não é sem razão se analisarmos a questão do ponto de visto do futuro do próprio PH.  Não confundindo-o com o Casagrande, que foi na conversa de Ferração e entregou-lhe de mão beijada o Poder Legislativo. Acabou se saindo mal. PH conhece a capacidade lenhadora do gajo. Ferração é desses políticos atemporais.  São 50 anos na crista da política, período em que nasceram e desapareceram outros tantos que foram na lábia de Ferração.

Só a santa ingenuidade do ex-governador Renato Casagrande foi capaz de entregar a Assembleia Legislativa a ele. Um poder poderoso por onde passam os interesses dos outros poderes. O presidente do Legislativo estadual é um homem que decide o que deve ser objeto da apreciação dos deputados.  Dela dependem também o Judiciário, Ministério Público e Tribunal de Contas, além, é claro, do próprio governo. Um instrumento desses nas mãos de Ferração é sinal verde à prática das tramoias que o têm sustentado na crista da política capixaba há meio século.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Leonardo Duarte/Secom
Uma coisa só

Enquanto no campo nacional PRB e MDB ainda estão em fase de namoro, no Estado o partido já é um “puxadinho” de Hartung. E tudo começou com Roberto Carneiro...

OPINIÃO
Editorial
MPES omisso
Ministério Público decidiu não participar das audiências de custódia. Um dos prejuízos: denúncias contra tortura, comumente relatada por presos
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
Eliza Bartolozzi Ferreira
Políticas de retrocesso
Dados educacionais do governo Paulo Hartung são alarmantes
Geraldo Hasse
Vampirismo neoliberal
O governo oferece refrescos aos trabalhadores enquanto suga seu sangue
Roberto Junquilho
Quem governa?
Um novo porto na região de Aracruz demonstra que, para as corporações, as minorias não importam
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uh, Houston, temos um problem
MAIS LIDAS

Uma coisa só

MPES omisso

Processo de Valci Ferreira e Gratz por crime de peculato será remetido ao STF

Cedrolândia ainda aguarda resposta do prefeito sobre escola condenada

Diretoria do Heimaba não comparece em reunião do Conselho para explicar óbitos