Seculo

 

Milson, o multimídia


27/06/2016 às 17:23
Acostumado a comentar assuntos políticos neste espaço, vou deixar de fazê-lo hoje para homenagear uma das maiores expressões culturais do Espírito Santo: o multimídia Milson Henriques, que morreu na madrugada do último sábado (25), no Hospital das Clínicas, em Vitória.
 
Presto essa homenagem movido pela gratidão da enorme contribuição que Milson deu à cultura do Espírito Santo e pela emoção de ter participado de parte da sua rica vida. Das gerações que compareceram ao seu sepultamento, faço parte da mais antiga delas. Conheci Milson trazido por outra inesquecível figura e não menos importante da intelectualidade capixaba: a jornalista e cronista Carmélia de Souza.
 
Trabalhava no jornal A Tribuna nos idos de 1960. Carmélia chegou com Milson e me pediu para que o apresentasse ao diretor do jornal, Djalma Juarez Magalhães. Disse que trazia uma boa proposta. Olhei para aquela figura magrela, alta, sorridente, simpático, inquieto, e disse-lhe: “Pera aí, meu caro, isto não é comigo.
 
Como ele insistia que eu olhasse a peça que carregava consigo, acabei levando para uma pequena sala que era Redação. Dividia o espaço com Gilson Felix, que fazia esporte, e o professor Américo Guimarães, que era o redator. O resto do jornal era com o Djalma, que dava conta de tudo. Ele ainda arrumava tempo para cuidar da coluna da sua mulher, Maria Nilce.
 
Quando Mison desenrolou uma página de jornal desenhada apareceu a proposta de um jornal nanico, que tinha o título de “Jornaléco”. Repeti: “Isto não é comigo, não. Tentei lhe explicar que eu era apenas um repórter de geral. Fazia matérias para as editorias de política, cidade, e ainda cuidava de uma coluna de opinião sobre política.
 
A ideia do Jornaléco era ótima. Levei para o Djalma, mas antes, taticamente, passei pelas mãos da mulher do Djalma, a Maria Nilce, que fazia uma coluna social de grande sucesso. Ela gostou e Milson emplacou o seu Jornaléco. E Djalma passou a contar com outro problema pelo conteúdo crítico do Jornaléco, que juntou-se à coluna da Maria Nilce, demolindo figuras da alta sociedade capixaba.
 
Pouco tempo depois, assistiria Milson como personagem central da peça Arena Conta Zumbi, de Gianfrancesco Guarnieri e Augusto Boal, dirigida por Toninho Neves, e que tinha no elenco além de Milson, Zélia Stein, Cláudio Lanchini, Alcides Vasconcelos, Sheila Bandeira, Margarida Del Caro, e os músicos Afonso Abreu e Tião de Oliveira. Um sucesso enorme; cinco meses de casa cheia.
 
Viria a reencontrá-lo tempos depois, em O Diário, quando fui dirigi-lo. Ele criou um personagem interessante para o momento em que vivia o país: em plena ditadura e sob o AI-5. Era o boneco de seu Justino. Lado a lado. Num ele estava triste e explicava o motivo; noutro surgia alegre e também dizia por quais motivos. No dia em que Vitória recebia o arcebispo de Olinda, D. Helder Câmara como paraninfo da formatura de uma turma de economistas da Ufes (D. Helder era uma figura que constava entre os impublicáveis da censura dos militares), Milson fez um seu Justino com a boca tampada por um crucifixo. Deu cana.
 
Não posso encerras essas reminiscências sobre Milson sem deixar de registrar a grande paixão vivida por ele com a cronista Carmélia M. de Souza. Não é sem razão que o destino reservou para os dois estarem enterrados na mesma ala do Cemitério de Santo Antonio. Que sejam ali, felizes para sempre.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Fazendo escola

Temer em Brasília, Hartung e Luciano Rezende no Espírito Santo: retaliações a quem anda “fora da linha” nunca estiveram tão na moda como agora

OPINIÃO
Editorial
Em causa própria
Promotor Marcelo Zenkner usa cargo público para promover projeto pessoal
Piero Ruschi
Festa de fachada
Comemoração da Sambio evidencia que o Museu Mello Leitão segue precisando de verdadeiros amigos
Renata Oliveira
Pela emoção
Magno Malta sempre tem uma carta na manga para a disputa eleitoral. Mas desta vez o cenário é diferente
JR Mignone
O repórter e a polícia
A vítima não foi repórter, foi a professora
Caetano Roque
Inversão de papéis
O movimento sindical foi dar uma de direita e agora perdeu o caminho da rua
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Sizino, o pioneiro
Panorama Atual

Roberto Junquilho

O cinismo explícito e a esperança de fora Temer renovada
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

O tempo entre as vírgulas
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Família busca indenização por morte de jovem em unidade prisional

Grupo de Luciano tenta sufocar oposição com corte de cargos

PP classifica como 'desproporcional' críticas de vereador contra Hartung

Hartung e Casagrande seguem disputando espaço no interior

Fazendo escola