Seculo

 

Efeito dominó


28/06/2016 às 10:06
(Artigo originalmente publicado 17/06/2015) A crise econômica mundial, que iniciou nos EUA em 2008, com o colapso do crédito, dos mercados imobiliários e execução de dívidas, é apontada como uma das causas dos 4750 casos de suicídio naquele país.
Pesquisadores europeus apontam que o estresse emocional da recessão aumentam os problemas mentais, que elevam as taxas de suicídio, estabelecendo uma possível conexão de causa e efeito, sem desconsiderar outros fatores de risco associados.
Passados sete anos, observa-se que a economia norte-americana está mais saudável, apresenta redução do desemprego, enfim, retoma o crescimento, daí a pergunta: – algo poderia ter sido evitado?
O Brasil, no auge da crise, passou por uma dita “marolinha”, mas hoje muitos acreditam que estamos próximos de enfrentar uma “tsunami”, quando somamos  aumentos nas despesas familiares essenciais,  da inflação e dos juros, além de regras mais rígidas para o acesso ao crédito, sem esquecer a queda no poder de compra, a perda salarial e, principalmente, o aumento do desemprego, com os crescentes aumentos no fechamento de postos de trabalho, no endividamento e na inadimplência das famílias brasileiras.
Frente às situações de adversidade econômica, quanto mais postos de trabalho fecham, quanto mais os arrimos de família – desempregados – se sentem sem perspectivas, quando ficam em dificuldade ou em situação de descontrole financeiros, outras reações psicológicas se apresentam, tais como:  angustia, ansiedade, desânimo, desesperança.  Dessas reações derivam atitudes e comportamentos como o consumo abusivo de álcool e outras drogas, aumento da irritabilidade, conflitos familiares, incluindo, divórcios, que os tornam mais vulneráveis a atitudes extremistas.
É pela soma dos efeitos do cenário de crise econômica, aliado aos sentimentos projetados a partir dela, às reações psicológicas individuais e às atitudes adotadas, que se avalia o grau de vulnerabilidade à depressão, ao estresse e a cometer o ato de tirar a própria vida.
Trata-se de situação social complexa, que demanda uma abordagem interdisciplinar, intersetorial e em rede, pois não basta a Organização Mundial da Saúde traçar estratégias eficazes para a prevenção ao suicídio, se os profissionais da saúde não estiverem capacitados, sempre atentos a identificarem os casos de risco e a adotarem o manejo e, em períodos de crise econômica, redobrarem a atenção.
Além das intervenções terapêuticas específicas para o tratamento dos transtornos mentais consequentes, há a importância de o governo investir em políticas públicas de emprego para o mercado de trabalho, direcionadas à recolocação profissional, além de agir para manter e fomentar a criação de novos postos de trabalho.
No mesmo cenário de crise econômica global e, do outro lado da moeda, foi observado que em países como Áustria, Suécia e Finlândia não houve esse impacto da crise no aumento da taxa de suicídio na população. O investimento que esses governos fazem em programas para a reinserção/recolocação no mercado de trabalho é apontado como responsável por isso.
Vale à citação bíblica “tudo tem um tempo próprio: há um tempo para plantar  e um tempo para colher o que se semeou, (…) um tempo para destruir e outro para reconstruir”
 Faça a sua parte! Não sucumba ao efeito dominó.
 

Ivana Medeiros Zon, Assistente Social, especialista em Saúde da Família e em Saúde Pública,  educadora financeira, palestrante, consultora, colunista do jornal eletrônico www.seculodiario.com https://sites.google.com/site/saudefinanceiraivanamzon/

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

PH é estopim da crise no PSDB

Crise no partido é prenúncio de que a era Hartung está encerrando seu ciclo no Espírito Santo

OPINIÃO
Editorial
Oásis
Os capixabas que ouvem o governador Hartung propagandear os atrativos do ES devem pensar que moram em outro Estado
Renata Oliveira
Paraísos artificiais
O que o governador Paulo Hartung e o prefeito Luciano Rezende têm em comum?
Gustavo Bastos
O verão do amor e o movimento hippie
O que representava o movimento hippie como tal era a utopia
Geraldo Hasse
As abelhas e o Agro
Alguns líderes se dão conta da mútua dependência entre animais e plantas
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Este blog fica por aqui
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Olha no mapa
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Oásis

'Eu quero uma direção independente, capaz de optar pela melhor estratégia no ano que vem’

Fórum de Fundão não conta com nenhum analista judiciário

Pó preto extrapola legislações municipal e estadual e ONG cobra providências

Estratégia do PSDB nacional pode desmontar ação de Ricardo Ferraço