Seculo

 

Um ano depois, Plano de Gerenciamento da Qualidade do Ar ainda não foi apresentado pela prefeitura de Vitória


21/07/2016 às 17:09
O Plano de Gerenciamento da Qualidade do Ar de Vitória, previsto há um ano, ainda não foi submetido ao Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente (Condema). A elaboração do documento é uma das determinações do Grupo de Trabalho Interinstitucional Respira Vitória e deve conter os protocolos – regras e diretrizes técnicas – necessários para medir e monitorar os parâmetros de qualidade do ar na Capital.
A apresentação do plano foi cobrada em abril último pela organização Juntos SOS Espírito Santo Ambiental e a resposta da Prefeitura de Vitória na ocasião, segundo o presidente da ONG, Eraylton Moreschi Junior, foi que o Plano estava pronto e logo seria apresentado ao Conselho, o que até hoje não aconteceu.
 
Como coordenador da Câmara de Controle de Poluição do Condema, Eraylton, representando a Associação dos Amigos da Praia de Camburi, afirma que o Conselho acompanhará de perto a questão, pois a aprovação do Plano é um dos pontos primordiais para que entre em vigor a Lei Municipal 8803/2015, que dispõe sobre o Padrão de Qualidade do Ar de Vitória. A lei foi aprovada pela Câmara de Vereadores em março de 2015 e entrou em vigor três meses depois. O objetivo é de que, ao final, os padrões de qualidade do ar atendam aos padrões da Organização Mundial de Saúde (OMS), até o final de 2025.
 
Tendo como bandeira principal de luta o controle da poluição do ar gerada pelas indústrias do Complexo de Tubarão, Vale e ArcelorMittal, a Juntos SOS ES Ambiental – coletivo de nove entidades, entre associações de moradores e entidades ambientais - também concluiu nesta quinta-feira (21) a entrega do quarto e último requerimento ao Ministério Público Estadual referente ao Movimento Capixaba Diga Não aos TCAs. O movimento foi lançado no último Dia Mundial do Meio Ambiente, em cino de junho, com apoio de mais de 300 pessoas, muitas delas representantes de sociedade civil que lidam com a pauta ambiental no município.
 
Todos solicitam que não sejam mais firmados Termos de Compromisso Ambiental (TCAs) com as empresas geradoras do pó preto, e sim Termos de Ajustamento de Conduta (TACs). A campanha enfatiza que a primeira grande vantagem jurídica dos TACs sobre os TCAs é de que os Termos de Ajustamento de Conduta fazem com que as empresas, previamente, assumam que há uma conduta a ser ajustada. Tanto que o TCA firmado coma Vale em 2007 tinha, inicialmente, sua redação como TAC, o que foi modificado, como aponta Moreschi, por interesses da empresa em ter suas obrigações suavizadas pelo termo jurídico.
 
Esse TCA nem nenhum outro, anterior ou posterior, segundo Moreschi, determinou a realização de um inventário das fontes emissoras, o que é fundamental, ponto inicial, para se estabelecer um monitoramento efetivo e o atingimento das metas da OMS, conforme determina a lei municipal 8.803/2015. “Os TACs preveem esse inventário, o monitoramento, as metas e as multas severas para o caso de descumprimento”, pleiteia.
 
O primeiro requerimento foi referente à Samarco, o segundo à ArcelorMittal e Vale, o terceiro é específico sobre o enxofre lançado pela ArcelorMittal, e o último requer que as três empresas financiem pesquisas científicas – com orientação, acompanhamento e aprovação da sociedade civil, universidades e poder público – sobre a relação entre a poluição do ar e doenças respiratórias.
 
Os estudos existentes até o momento insistem em não apresentar essa correlação e legitimam o discurso das empresas e do próprio governo – reafirmado publicamente durante as investigações da CPI do Pó Preto –, de que o grave problema da poluição do ar gera apenas um incômodo visual e transtorno para limpeza das residências e locais de trabalho dos capixabas.
 
Requerimentos semelhantes, integrantes do Movimento Diga Não aos TCAs, também já foram entregues em junho para o governador do Estado, Paulo Hartung, o secretário estadual de Meio Ambiente, Aladim Cerqueira, e a procurado-geral de Justiça, Elda Sepdo.
 
“Agora vai depender dos interesses políticos, porque tudo isso é uma questão política, mesmo quando se trata de Ministério Público”, lamenta Eraylton. “Nós, como sociedade civil, estamos fazendo a nossa parte”. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Tabuleiro de 2018

Ele já negou intenção de deixar o PT ou mudanças de planos, mas movimentações de Givaldo continuam chamando atenção do mercado político

OPINIÃO
Editorial
Fosso social
No Espírito Santo, população negra é mais vulnerável à violência, é maioria no sistema carcerário e nas filas de desempregados
Renata Oliveira
Solidão sem fim
A oposição de Majeski na Assembleia não encontra coro entre os pares, nem no grupo arredio
JR Mignone
Rádio bandeira
A trajetória deste segmento de rádio em capitais é grande
Caetano Roque
A força da CUT
É hora de a Central assumir sua função de agregadora dos trabalhadores e das bandeiras de luta
Geraldo Hasse
Os golpes se sucedem
Em plena era do GPS, a reforma trabalhista sugere multiplicar os ''chapas''
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Fuga do Paraíso
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

'Orgânico não tem que ser caro'

Tabuleiro de 2018

Conselheiro José Antônio Pimentel vira réu em ação penal por corrupção

Eleição da nacional alimenta divisão no PSDB capixaba

Cariacica pode ter redistribuição de votos para disputa eleitoral de 2018