Seculo


  • Lava Jato no ES

 

A crise das classes sociais


26/07/2016 às 11:29
Dia desses ouvi uma pessoa “soltar” essa frase: “pobre vive de esperança”, que provocou uma reflexão sobre o seu significado.
 
A palavra pobre no dicionário Aurélio significa: “Desprovido ou mal provido do necessário. Que tem poucas posses. Que tem pouco dinheiro”, baseando-se na avaliação socioeconômica, na renda familiar, no acesso (ou não) a bens e serviços e também ao padrão de consumo.
 
Quanto à esperança, para os brasileiros, parece estar representada através da soma de características que lhes são peculiares tais como, sua essência otimista e a criatividade.  É acreditar que alcançará o desejado/necessário.
 
Avançamos no significado e chegamos aos estudos que sinalizam para ao fato de que estamos empobrecendo e perdendo ganhos conquistados nas últimas décadas. A Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa (Abep) divulgou um estudo que aponta que nos últimos doze meses, quase um milhão de famílias desceram ao menos um degrau na escala social, confirmando a inversão do processo de ascensão social vivenciado a partir de 2008.
 
O marco desta ascensão, principalmente, à classe C, perdeu força com o cenário nacional de recessão, com a queda na produção, no consumo, a inflação aumentando, o aumento do desemprego, e com isso, a crise se instalou. Quem não está vivendo este cenário diretamente, está assombrado pelo medo e a angústia de vivê-lo, o que tem contribuído para o aumento no adoecimento das famílias. 
 
A classe social que mais “engrossou” foi a C2, incluindo mais de seiscentos e cinquenta mil domicílios.  Ao “cair” da classe C1, cuja renda mensal é de R$2.700,00 para a classe C2, passa a ter uma renda mensal de R$1.600,00, representando uma redução na receita em torno de 40%.
 
E mais de 260 mil famílias caíram da classe C para as classes D e E, cuja renda mensal é na faixa de um salário mínimo.  
 
Esta queda na escala social retoma problemas socioeconômicos já conhecidos da população brasileira, iniciado pela queda na renda e/ou no poder aquisitivo, levando a redução no consumo, refletindo numa perda no padrão de qualidade alimentar, com a exclusão da lista de supermercado de itens como carne, leite e derivados, além de produtos da cesta básica, que são responsáveis pela manutenção da boa saúde. Além do fato de que esse cenário aumenta os atrasos nas contas mensais essenciais e no aumento do endividamento.
 
São mudanças necessárias para serem adotadas em períodos de crise econômica, tal como a atual.  Mas não basta apenas reagir à crise, é preciso elaborar um orçamento eficiente, se atentar para qualificar o consumo, evitando comprar a prazo e trabalhando exaustivamente para reduzir os gastos com as despesas fixas mensais, o que favorecerá tanto para a sobrevivência neste período, como também poderá possibilitar a formação de reservas.
 
Não é enxugar gelo, mas sim, focar no objetivo maior, que é preservar o padrão de consumo ao longo da vida e, estar preparado para passar por imprevistos da vida sem adoecer. 

Ivana Medeiros Zon, Assistente Social, especialista em Saúde da Família e em Saúde Pública,  educadora financeira, palestrante, consultora, colunista do jornal eletrônico www.seculodiario.com https://sites.google.com/site/saudefinanceiraivanamzon/

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Caminhos eleitorais

PT no cenário de 2018: com Lula, missão no Estado caberá a Helder e Givaldo Vieira. Na falta dele, pode sair aliança com o PDT, que rende chapa forte à Câmara

OPINIÃO
Editorial
Acesso seletivo
Referência da comunidade escolar na Assembleia, Majeski acertou ao cobrar explicações sobre sessão que barrou professores
José Rabelo
A vez dos fichas-limpas
No país da Lava jato, pesquisa Datafolha aponta que a corrupção tornou-se a principal preocupação dos brasileiros
JR Mignone
Avalanche de informações
Talvez a juventude seja o seguimento que mais sofre com tantos fatos e versões
Geraldo Hasse
Salgado Filho, um simples herói
Hoje ninguém mais lembra o advogado que regulamentou o comércio dos ambulantes
Caetano Roque
Água da mesma pipa
Na verdade, não houve embate na eleição no Sindicomerciários
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Uma festa para Ro Ro que rolou escada abaixo
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Mulher "noiada" mostra a falência de programas sociais
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Meu dia, seu dia
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Servidores públicos e da saúde aderem à greve geral da próxima sexta-feira

Deputado cobra apuração de responsabilidades em sessão que barrou comunidade escolar

Clima político em Itapemirim se acirra entre prefeito afastado e vice

Coser anuncia desembarque, mas se cala sobre oposição ao governo Hartung

Tribunal de Contas mira criação de cargos na Prefeitura de Pinheiros