Seculo

 

Remada no manguezal de Goiabeiras revela potencial ecoturístico da região, apesar da degradação


08/08/2016 às 20:17

Duas horas de remadas em caiaques, stand ups e outras embarcações, em meio às belezas naturais do manguezal da baía de Vitória. Em seguida, um pequeno mutirão de limpeza, com retirada de um pouco da imensa quantidade de plásticos e outros resíduos que poluem o ecossistema local. E, ao final, uma confraternização no galpão das Paneleiras, guardiãs das tradições culturais locais e ícones da identidade cultural capixaba.

“Foi de lavar a alma!”, resume Paulo Pedrosa, presidente da Associação dos Amigos da Praia de Camburi (AAPC). “Pudemos ver as belezas naturais se contrastando com a degradação de um ecossistema lindo. Todos ficaram deslumbrados com as belezas e as espécies lá existentes, como as aves e vegetações”, relata.

A remada desse domingo (7) foi um dos tantos eventos produzidos pela AAPC que unem lazer, sensibilização ambiental e integração social. “É uma maneira das pessoas se envolverem mais nas questões ambientais e de termos uma sociedade mais unida. Só uma sociedade unida pode mudar essa história em favor das futuras gerações”, explica Paulo.

A idealização do evento foi do jovem professor Wallace Mendes, morador de Goiabeiras, remador e nadador em Camburi e membro da AAPC. Durante o passeio, ele pôde contar um pouco da história do bairro, do ponto de vista cultural e ambiental.

“Quando eu era pequeno, tinha fartura de caranguejo e aratu. Agora, pedi pros remadores me mostrarem pelo menos um caranguejo ou um aratu. Não tem, acabou mesmo”, lamenta. A poluição da água é também é bem visível, com muitos resíduos sólidos e também canais com águas avermelhadas, estranhas ao ambiente natural.

Mas apesar da degradação, o resultado geral do evento o surpreendeu e permitiu confirmar sua percepção sobre o potencial ecoturístico da região. Segundo Wallace, um grande mercado é o turismo de negócios que acontece na capital, por exemplo, pois o passeio de barco é uma opção que atrai bastante o público de executivos e de outros profissionais que vêm a trabalho e ficam ávidos por opções de lazer em que possam interagir com a natureza e as comunidades locais.

A remada tende a se tornar um evento anual, no entendimento da Associação, e o próximo deve incluir um cortejo de barcos dentro do manguezal. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Agência Senado
Cotações

Apesar de já ter anunciado apoio a Majeski, sobem as apostas de que Max Filho poderá, mesmo, é fixar lugar no palanque de Rose

OPINIÃO
Editorial
Quem paga a conta senta na cabeceira?
O financiamento pela Arcelor de uma pesquisa da Ufes de R$ 2 milhões acende o alerta sobre a autonomia universitária e a transparência nos acordos entre academia e capital privado
Piero Ruschi
Visita à coleção zoológica de Augusto Ruschi
Visitei a coleção zoológica criada por meu pai e seu túmulo na Estação Biológica. Por um lado, bom, por outro, angústia
JR Mignone
Uma análise
Algumas emissoras, aquelas que detêm alguma ou boa audiência, dedicam-se pouco à situação do país
Geraldo Hasse
Refém do Mercado
O País está preso ao neoliberalismo do tucano Pedro Parente, presidente da BR
Roberto Junquilho
A montagem da cena
Em baixa junto aos prefeitos da Grande Vitória, Hartung dispara para o interior do Estado
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Candidatura de Lula à Presidência será lançada neste domingo em Vitória e Serra

Servidores do Ibama e ICMBio no Estado protestam contra loteamento político do órgão

Quem paga a conta senta na cabeceira?

Projeto da nova sede do IPAJM é 'reavaliado' por Instituto de Obras do Estado

A montagem da cena