Seculo


  • Lava Jato no ES

 

Reflexos da crise na família


09/08/2016 às 15:45
 (Artigo publicado orinalmente no Portal Edufin em 4/04/2016) Após quase uma década de estabilização, a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad), registrou um novo aumento no Brasil de crianças e adolescentes ocupadas no trabalho (6,1%).
Há fatores variados que influenciam para esse resultado, tais como: o aumento na taxa de desocupação entre os adultos, a perda no poder de compra das famílias que, sem dúvida, estão no topo desta lista. Fatores deflagrados ou agravados pela crise econômica e política.
Se os pais e/ou responsáveis não estão “dando conta” do sustento da família, parece que os filhos passam a ser encarados por eles como uma alternativa de trabalho para complementarem a renda familiar e contribuírem com as despesas da casa.
Como consequências diretas ao aumento do trabalho de crianças e adolescentes observa-se o aumento na evasão escolar que, quando não ocorre concretamente, acaba provocando queda no rendimento escolar, faltas, reprovações, além de influenciar para que tenham menos tempo e oportunidade para o laser, culminando com um forçado e precipitado amadurecimento psicológico e emocional.
Vemos crianças por todas as partes nas cidades como ambulantes – vendendo picolés, frutas, água. Também estão na área rural, na agricultura familiar, por exemplo, colhendo café. A utilização desta faixa etária como mão de obra, parece almejar driblar a crise e recuperar, melhorar os resultados do negócio.
Nas praias, os clientes adultos puxam conversa, se encantando com as crianças e adolescentes vendedores, o que aumenta a tendência do consumo.  Perigosamente representando um reforço como estratégia para sobreviver à crise.
Vale lembrar que utilizar a mão de obra dos filhos – crianças e adolescente, pode representar uma tática para reduzir despesas com empregados, mas deve respeitar os limites físicos, psicológicos e sociais destes, lembrando que eles estão em formação. Criança precisa de brincar, interagir com outras crianças, estudar, enfim, ser criança, e isso, lhe é garantido pelo Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA, de 1990.
Lembrando que consta no ECA,  em seu “Art. 4º É dever da família, da comunidade, da sociedade em geral e do poder público assegurar, com absoluta prioridade, a efetivação dos direitos referentes à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao esporte, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária”,
Não podemos “tapar o sol com a peneira”, pois reconhecemos às dificuldades financeiras das famílias, principalmente, nas de renda mais baixa; logo, sendo imprescindível lançarem mão deste paliativo, é importante que haja a preocupação com a segurança deles e com o tempo, para que ocorra pontualmente.
Vale lembrar que o trabalho infantil é alvo do Plano Nacional de Erradicação do Trabalho Infantil.  Fato é que reconhecidamente são escassos ou nulos os mecanismos para a fiscalização do trabalho de crianças e adolescentes então…
Fiquemos de olho!

Ivana Medeiros Zon, Assistente Social, especialista em Saúde da Família e em Saúde Pública,  educadora financeira, palestrante, consultora, colunista do jornal eletrônico www.seculodiario.com

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Tem, sim!

Não escapou Hartung nem Baianinho dos protestos de desta sexta-feira no Estado

OPINIÃO
Editorial
A PM sendo PM
Depois de estarem do “outro lado do balcão, policiais militares voltam a recorrer à violência para reprimir greve geral dos trabalhadores no ES
Renata Oliveira
O que esperar de PH para 2018?
A história do Baianinho pegou e dificulta o caminho eleitoral do governador
Geraldo Hasse
Os apuros do rei da petroquímica
A ascensão da Braskem faz lembrar o ditado: tudo que sobe rápido demais, desce ligeirinho
Lídia Caldas
Como ter um coração saudável?
Curioso que algumas coisas que hoje são heresias amanhã podem se tornar dogmas
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Nenna, em transição
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Odebrecht quebrou a "Omertá", e agora?
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Aniversário devia ser feriado
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

O que esperar de PH para 2018?

Justiça absolve ex-secretário Neivaldo Bragato de acusação de improbidade

Prefeitura publica edital para alienação do Saldanha da Gama

Projetos prejudiciais ao governo adormecem na pauta da Assembleia

Prefeitura realiza audiência pública sobre condomínio de luxo na Bacutia