Seculo

 

Reflexos da crise na família


09/08/2016 às 15:45
 (Artigo publicado orinalmente no Portal Edufin em 4/04/2016) Após quase uma década de estabilização, a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad), registrou um novo aumento no Brasil de crianças e adolescentes ocupadas no trabalho (6,1%).
Há fatores variados que influenciam para esse resultado, tais como: o aumento na taxa de desocupação entre os adultos, a perda no poder de compra das famílias que, sem dúvida, estão no topo desta lista. Fatores deflagrados ou agravados pela crise econômica e política.
Se os pais e/ou responsáveis não estão “dando conta” do sustento da família, parece que os filhos passam a ser encarados por eles como uma alternativa de trabalho para complementarem a renda familiar e contribuírem com as despesas da casa.
Como consequências diretas ao aumento do trabalho de crianças e adolescentes observa-se o aumento na evasão escolar que, quando não ocorre concretamente, acaba provocando queda no rendimento escolar, faltas, reprovações, além de influenciar para que tenham menos tempo e oportunidade para o laser, culminando com um forçado e precipitado amadurecimento psicológico e emocional.
Vemos crianças por todas as partes nas cidades como ambulantes – vendendo picolés, frutas, água. Também estão na área rural, na agricultura familiar, por exemplo, colhendo café. A utilização desta faixa etária como mão de obra, parece almejar driblar a crise e recuperar, melhorar os resultados do negócio.
Nas praias, os clientes adultos puxam conversa, se encantando com as crianças e adolescentes vendedores, o que aumenta a tendência do consumo.  Perigosamente representando um reforço como estratégia para sobreviver à crise.
Vale lembrar que utilizar a mão de obra dos filhos – crianças e adolescente, pode representar uma tática para reduzir despesas com empregados, mas deve respeitar os limites físicos, psicológicos e sociais destes, lembrando que eles estão em formação. Criança precisa de brincar, interagir com outras crianças, estudar, enfim, ser criança, e isso, lhe é garantido pelo Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA, de 1990.
Lembrando que consta no ECA,  em seu “Art. 4º É dever da família, da comunidade, da sociedade em geral e do poder público assegurar, com absoluta prioridade, a efetivação dos direitos referentes à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao esporte, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária”,
Não podemos “tapar o sol com a peneira”, pois reconhecemos às dificuldades financeiras das famílias, principalmente, nas de renda mais baixa; logo, sendo imprescindível lançarem mão deste paliativo, é importante que haja a preocupação com a segurança deles e com o tempo, para que ocorra pontualmente.
Vale lembrar que o trabalho infantil é alvo do Plano Nacional de Erradicação do Trabalho Infantil.  Fato é que reconhecidamente são escassos ou nulos os mecanismos para a fiscalização do trabalho de crianças e adolescentes então…
Fiquemos de olho!

Ivana Medeiros Zon, Assistente Social, especialista em Saúde da Família e em Saúde Pública,  educadora financeira, palestrante, consultora, colunista do jornal eletrônico www.seculodiario.com

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Crônica de uma eleição

Vagões do trem do governador Paulo Hartung estão acima da capacidade da locomotiva. Haja peso para carregar...

OPINIÃO
Editorial
Futuro interrompido
Onde estão os promotores, delegados, políticos e demais agentes públicos para berrarem em defesa da infância? Mortes no Heimaba são alarmantes e inadmissíveis!
Bruno Toledo
Em defesa dos defensores
Nunca antes foi tão necessário e urgente o fortalecimento da Defensoria Pública
Eliza Bartolozzi Ferreira
A greve é um direito
Prefeito de Vitória ignorou o direito dos professores e adotou medidas coercitivas contra a liberdade de expressão e de greve
JR Mignone
Nova rádio
Tudo modificado, tudo moderno na Rádio Globo
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Vitória já poderia ter identificado as fontes de emissão de pó preto

Regimento Interno da Câmara da Serra torna nulo pedido de empréstimo para a prefeitura

Audiência Pública debate políticas de enfrentamento às desigualdades raciais

Pulverizações com agrotóxicos continuam no entorno do Parque de Itaúnas

Mordaça na escola