Seculo

 

Não deixe para amanhã o que pode fazer hoje


23/08/2016 às 13:22
A impulsividade e o imediatismo costumam marcar a “busca” por socorro financeiro para cobrir os gastos fixos mensais ou as dívidas que têm crescido como fruto do aumento da inflação, dos juros altos, somada a perda do poder aquisitivo e o mais grave, com o crescente desemprego.
 
Acompanhando pessoas e famílias com dívidas, empréstimos e financiamentos, observamos que muitos destes são contratados distantes de suas possibilidades reais de pagamento. Essa soma nem sempre é lançada como despesa em seu orçamento mensal e, quando a receita não cobre todas as despesas, elas normalmente são deixadas de lado, tal como uma estratégia “psicológica” para esquecê-las, paralisá-las além de negá-las.  Representa uma tentativa de que sejam também esquecidas pelas instituições financeiras credoras. Como se isso fosse possível!
 
Tanto o primeiro como o segundo comportamento citados acabam por aumentar o risco de chegarem a uma situação extrema de insolvência civil; ou seja, de falência pessoal.
 
O mais fácil é encontrarmos o comportamento de fuga ilustrado tanto pela impulsividade na busca pelo dinheiro, como também observado na resistência a organizar e somar estes empréstimos e lançá-los no orçamento doméstico.
 
No combate a esta tendência ao “esquecimento”, para os casos, por exemplo, de atraso nas prestações do financiamento imobiliário, o melhor a fazer é ir à instituição financeira buscar a renegociação, pois aí poderão traçar estratégias e assim evitar a inadimplência, a exemplo da possibilidade de incluir a(s) parcela(s) em atraso novamente no saldo devedor do financiamento e de utilizar o saldo do FGTS – Fundo de Garantia por Tempo de Serviço.
 
Tentar esquecer as prestações em atraso não parece ser a melhor alternativa para o enfrentamento da dor, da vergonha e do medo de não ter como pagar. O melhor é encarar  a situação de frente, reconhecer as fragilidades, buscar informações sobre os seus direitos e utilizá-los a seu favor, lançando mão de todas as possibilidades para o enfrentamento, apresentando-se perante o credor para reconhecer e negociar.

Se a taxa do condomínio está em atraso, ao buscar uma negociação tende a achar alternativas para sanar o problema e assim fechar um acordo, melhor do que “deixar rolar”, pois atualmente o processo está mais célere e o condomínio pode entrar com uma ação direta que acelera tanto a ação como a cobrança.

Outra dica importante é não usar novamente e impulsividade e a emoção na hora de traçar a negociação e, principalmente, quando for fechar o acordo, pois tem que ser factível, para assim não gerar um novo problema à frente, pois reconheçamos que ficará mais difícil estabelecer um novo acordo caso não tenha cumprido com o anterior.
 
“Não deixe para amanhã o que você pode fazer hoje”, porque amanhã pode ser tarde.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

PH é estopim da crise no PSDB

Crise no partido é prenúncio de que a era Hartung está encerrando seu ciclo no Espírito Santo

OPINIÃO
Editorial
Oásis
Os capixabas que ouvem o governador Hartung propagandear os atrativos do ES devem pensar que moram em outro Estado
Renata Oliveira
Paraísos artificiais
O que o governador Paulo Hartung e o prefeito Luciano Rezende têm em comum?
Gustavo Bastos
O verão do amor e o movimento hippie
O que representava o movimento hippie como tal era a utopia
Geraldo Hasse
As abelhas e o Agro
Alguns líderes se dão conta da mútua dependência entre animais e plantas
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Este blog fica por aqui
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Olha no mapa
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Oásis

'Eu quero uma direção independente, capaz de optar pela melhor estratégia no ano que vem’

Fórum de Fundão não conta com nenhum analista judiciário

Pó preto extrapola legislações municipal e estadual e ONG cobra providências

Estratégia do PSDB nacional pode desmontar ação de Ricardo Ferraço