Seculo

 

Quilombolas organizam Intercâmbio em Linharinho


24/08/2016 às 16:25
O II Intercâmbio das Retomas Quilombolas de Conceição da Barra, no próximo sábado (27), de 8h às 16h, está sendo organizado pelas Retomadas Quilombolas de Angelim 1, Linharinho, Córrego da Angélica e São Domingos, e comemora também os seis anos da Retoma de Angelim 1.
As Retomas são iniciativas das comunidades quilombolas, com apoio de entidades que acompanham suas lutas, para recuperarem partes de seus territórios, usurpados pela empresa Aracruz Celulose (Fibria S/A). Após identificados, os territórios são ocupados, havendo retirada de eucaliptos, construção de casas e plantios de lavouras de subsistência.
 
Na região do Sapê do Norte, entre os municípios de São Mateus e Conceição da Barra, o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) reconheceu, em 2015, quatro áreas descontínuas totalizando 3.507,40 hectares. A área corresponde a um terço da área total, de propriedade tradicional dos quilombolas, segundo calculam as comunidades e suas entidade de apoio.
 
O reconhecimento dessa parte do território pelo Incra se baseou no Relatório Técnico de Identificação e Delimitação (RTID), elaborado graças a um inquérito civil do Ministério Público Federal. O RTID é o primeiro passo para a titulação das terras aos quilombolas.
 
O debate sobre as retomas, as experiências de reconquistas de terras ocupadas por eucaliptos, a radicalização dos conflitos envolvendo atentados contra a vida de quilombolas, as ameaças, coação e até expulsão de famílias dos seus territórios serão aprofundados durante o Intercâmbio, bem como as incansáveis tentativas da Fibria de garantir um “acordo” entre famílias quilombolas e o Programa de Desenvolvimento Rural Territorial (PDRT).

Umas das principais estratégias de "engajamento" da Fibria criadas para enfraquecer a luta pela retomada dos territórios quilombolas, o PDRT obriga as famílias a assinarem um termo de comodato com a empresa em que abrem mão de suas terras e concordam em produzir, em um espaço demilitado, culturas estabelecidas pela própria Fibria. A adesão ao programa reconhece, assim, que o território pertence à empresa e não aos seus verdadeiros donos, os quilombolas. 
 
Espaço de luta e articulação, mas também de comemoração. “Passaremos o dia juntos, estreitando e fortalecendo nossos laços! Debateremos nossos êxitos e desafios, a reconversão do território exaurido em um território produtor de alimentos e de Mata Atlântica, o redesenho fundiário em Conceição da Barra e os horizontes de transição e as expectativas”, informa o material de divulgação do evento. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Tabuleiro de 2018

Ele já negou intenção de deixar o PT ou mudanças de planos, mas movimentações de Givaldo continuam chamando atenção do mercado político

OPINIÃO
Editorial
Fosso social
No Espírito Santo, população negra é mais vulnerável à violência, é maioria no sistema carcerário e nas filas de desempregados
Renata Oliveira
Solidão sem fim
A oposição de Majeski na Assembleia não encontra coro entre os pares, nem no grupo arredio
JR Mignone
Rádio bandeira
A trajetória deste segmento de rádio em capitais é grande
Caetano Roque
A força da CUT
É hora de a Central assumir sua função de agregadora dos trabalhadores e das bandeiras de luta
Geraldo Hasse
Os golpes se sucedem
Em plena era do GPS, a reforma trabalhista sugere multiplicar os ''chapas''
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Fuga do Paraíso
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

'Orgânico não tem que ser caro'

Tabuleiro de 2018

Conselheiro José Antônio Pimentel vira réu em ação penal por corrupção

Eleição da nacional alimenta divisão no PSDB capixaba

Cariacica pode ter redistribuição de votos para disputa eleitoral de 2018