Seculo

 

Aracruz Celulose insentifica violência contra quilombolas dentro do território reconhecido


16/09/2016 às 18:19
O emprego de violência é a marca registrada da forma com que a Aracruz Celulose (Fibria) sempre lidou com as comunidades quilombolas – e também indígenas – do norte e noroeste do Estado. Há quase meio século, ela roubou os territórios desses povos tradicionais e exterminou a Mata Atlântica para plantar seus soldados estrangeiros do deserto verde. O resultado é que hoje cerca de 250 mil hectares são ocupados com a monocultura de eucalipto, seja por ação da Aracruz o da Suzano.

Desertificação estabelecida, crise hídrica cada vez mais acentuada, a violência continua. Após uma ampla mobilização de antropólogos e ativistas dos direitos dos quilombolas, várias comunidades tiveram seu território reconhecido pelo governo e aguardam titulação. Mesmo assim, a empresa continua utilizando da violência e do apoio da Polícia Militar para oprimir e criminalizar as lideranças quilombolas.

Desta vez, as vítimas diretas foram o agricultor Antonio Rodrigues de Oliveira, da comunidade de Linharinho, e o contra-guia do Ticumbi – manifestação folclórica mais emblemática de Conceição da Barra e uma das mais importantes do Estado – Berto Florentino, de São Domingos. Ambos estão sendo ameaçados pela Polícia Militar de terem suas roças – de pimenta-do-reino e abóbora, respectivamente – destruídas para o plantio de eucalipto.

Antonio foi abordado no domingo (11) pela empresa de segurança patrimonial da Aracruz Celulose, que depois trouxe a Polícia Ambiental. O motivo foi o corte de acácia, para servir de apoio aos pés de pimenta-do-reino. A ideia é, em seguida à retirada das acácias, espécie invasora, proceder um reflorestamento com espécies nativas e frutíferas. Quinhentas mudas já foram disponibilizadas, na forma de permuta, com um produtor de Nova Venécia.

Na comunidade de Antonio, passa o Córrego do Caboclo, um dos poucos que sobreviveu na região, devido aos cuidados que os moradores têm dispensado às nascentes. E mesmo nos arredores do Caboclo, muitos poços já não têm água. “Mais de mil nascentes secaram no nosso território”, denuncia Antonio.

No domingo, Antonio foi levado pela Polícia Ambiental até a delegacia de São Mateus. Mas antes, conseguiu levar os policiais até uma área, próxima de onde ele retirou as invasoras acácias, onde a Fibria desmatou toda a mata ciliar (Área de Preservação Permanente – APP). “Passaram com máquina e desmataram tudo”, relatou. Antonio conta que o sargento constatou o crime ambiental da empresa e após prestar seu depoimento na delegacia, assinou um termo circunstancial, que ele não soube explicar do que se trata.

Dois dias depois, novamente a empresa o coagiu, desta vez com apoio da Polícia Militar. “Não entendo, a acácia é uma vilã e eu estou dentro do meu território. Mas o comandante me tratou de forma agressiva, disse que ia mandar a empresa passar em cima da madeira”, desabafa.

Respeito sim, medo não

Levado para a Delegacia de Conceição da Barra, mais depoimento e mais papeis assinados sem conhecimento do conteúdo e objetivo. “Na visão deles, a empresa é dona da terra, não vê que é área devoluta. A empresa faz com que a polícia me veja como um criminoso”, denuncia Antonio.

“Minha dó é passar por cima da minha biodiversidade, que eu estou recuperando lá, é a empresa ir lá com a máquina e moer tudo”, clama. “A empresa é bilionária é está tirando alimento da minha casa. Eu estou aqui pra defender a Agroecologia. São Mateus está bebendo água salgada há seis meses, porque as nascentes estão secas, a água não chega no rio, o mar invade”, explica.

Em São Domingos, a violência aconteceu nesta quinta-feira (15), também através da segurança patrimonial e da Polícia Militar. A ameaça é de destruir a plantação de abóboras com trator. Duas viaturas já foram ao local e os policiais chegaram a disparar tiros para o alto.

“Dissemos que não era pra fazer. O único córrego que tem água por aqui é o que eu cuido, que não deixei plantar eucalipto”, defende Berto. “Não estamos deixando plantar. Se plantar nós vamos arrancar o eucalipto todo”, avisa.

Em ambas as comunidades, os líderes ameaçados estão se mobilizando para acionar o Ministério Público Federal. “Eles vêm pra amedrontar a gente. Eu respeito a autoridade, mas medo eu não tenho, não”, declara o velho Berto, guardião da cultura popular há 45 anos, ajudando a manter vivo o Ticumbi de São Benedito.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Tabuleiro de 2018

Ele já negou intenção de deixar o PT ou mudanças de planos, mas movimentações de Givaldo continuam chamando atenção do mercado político

OPINIÃO
Editorial
Fosso social
No Espírito Santo, população negra é mais vulnerável à violência, é maioria no sistema carcerário e nas filas de desempregados
Renata Oliveira
Solidão sem fim
A oposição de Majeski na Assembleia não encontra coro entre os pares, nem no grupo arredio
JR Mignone
Rádio bandeira
A trajetória deste segmento de rádio em capitais é grande
Caetano Roque
A força da CUT
É hora de a Central assumir sua função de agregadora dos trabalhadores e das bandeiras de luta
Geraldo Hasse
Os golpes se sucedem
Em plena era do GPS, a reforma trabalhista sugere multiplicar os ''chapas''
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Fuga do Paraíso
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

'Orgânico não tem que ser caro'

Tabuleiro de 2018

Conselheiro José Antônio Pimentel vira réu em ação penal por corrupção

Eleição da nacional alimenta divisão no PSDB capixaba

Cariacica pode ter redistribuição de votos para disputa eleitoral de 2018