Seculo

 

Perícia pode redefinir área de proibição de pesca no mar


18/09/2016 às 21:25
A perícia faz parte de um procedimento de praxe, já previsto desde fevereiro, quando a Justiça Federal em Linhares aprovou uma Ação Civil Pública do Ministério Público Federal que indicava a proibição da pesca no mar numa faixa de 77 km, desde Barra do Riacho/Aracruz, até Piranguinha-Degredo/Linhares.  

Numa espécie de revisão dos limites da área de proibição, a audiência saneadora dessa quinta-feira (15), entre a Samarco (réu) e o MPF (autor), teve também a participação da Defensoria Pública da União, que solicitou formalmente sua participação como assistente do MPF. Pedido ainda vai ser julgado.

Lamentavelmente, no entanto, o magistrado não estabeleceu as regras nem o prazo para realização da perícia, deixando essas definições ao sabor de um acordo entre a Samarco/Vale/BHP e o MPF.

Nessa mesma quinta-feira, uma outra audiência, mediada pelo Ministério Público do Trabalho (MPT), tratou de questões relativas aos cadastramentos e valores de cartões distribuídos entre as comunidades já reconhecidas como atingidas.

O Fórum Norte da Foz rio Doce, no entanto, se fez presente, acompanhado da Defensoria Pública Estadual, e reivindicou seus direitos como atingidos. A Samarco limitou-se a dizer que aguarda definição da Justiça.

Na sexta-feira (16), as duas Defensorias Públicas – estadual e da União – se reuniram para discutir, entre outros assuntos, estratégias para conseguir o recomento das comunidades do norte da foz do rio Doce. Ainda não foi definido nenhum plano, pois o entendimento é que as instituições ainda precisam levantar mais informações.

Na próxima semana, inclusive, serão realizadas cinco audiências públicas com as comunidades já reconhecidas, para apresentar como se dará o apoio das Defensorias às comunidades atingias durante as negociações sobre indenizações e outros benefícios concedidos pela Samarco.

Mobilização social precisa crescer

As audiências serão promovidas pelo chamado Grupo de Trabalho Interdefensorial do Rio Doce, que tem como terceiro integrante a Defensoria Pública de Minas Gerais. O Grupo foi criado também na quinta-feira (15), em Brasília, através de um Termo de Cooperação Técnica.

Serão duas audiências em Colatina, uma em Baixo Guandu e duas em Linhares. A Samarco foi convidada a participar como palestrante, bem como os fóruns em defesa do rio Doce. “A organização dessas audiências só é possível graças ao intenso trabalho dos fóruns. Elas estão acontecendo por causa dos movimentos sociais e organizações da sociedade civil”, reconhece o defensor público e um dos coordenadores do grupo do rio Doce, Rafael Mello Portella Campos. 
 
“Vamos reforçar nosso compromisso de que, independentemente do que ocorrer nos próximos meses, estaremos junto das comunidades para apoia-las”, afirma o defensor público federal João Marcos Matos Mariano.

A participação das comunidades atingidas, reconhecidas ou não, é fundamental nesses e outros espaços de discussão e mobilização. É preciso pressionar as defensorias, os ministérios públicos e a Justiça Federal, para que providencie o reconhecimento das comunidades ao norte da foz do rio Doce

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Cara e crachá

Uns publicaram vídeos e notas nas redes sociais, outros só notas, outros nada. Mas a CPI da Lava Jato continua na conta dos deputados arrependidos

OPINIÃO
Editorial
A Ponte da Discórdia
Terceira Ponte entra novamente no centro dos debates políticos em ano eleitoral. Enquanto isso, a Rodosol continua rindo à toa...
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Geraldo Hasse
Mundo velho sem catraca
Cinquenta anos depois, é possível fazer um curso técnico por correspondência via internet
Roberto Junquilho
Hartung, o suspense
O governador Paulo Hartung mantém o suspense e pode até não disputar a reeleição em 2018
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uma revoada de colibris
MAIS LIDAS

Visita de interlocutores de Hartung a Rodrigo Maia sinaliza mudança de cenário

Juiz Leopoldo mais próximo de ir a Júri Popular por assassinato de Alexandre Martins

Contrato do governo do Estado com a Cetesb sobre poluição do ar continua sigiloso

Hartung, o suspense

LDO será votada na próxima segunda-feira na Assembleia