Seculo

 

Perícia pode redefinir área de proibição de pesca no mar


18/09/2016 às 21:25
A perícia faz parte de um procedimento de praxe, já previsto desde fevereiro, quando a Justiça Federal em Linhares aprovou uma Ação Civil Pública do Ministério Público Federal que indicava a proibição da pesca no mar numa faixa de 77 km, desde Barra do Riacho/Aracruz, até Piranguinha-Degredo/Linhares.  

Numa espécie de revisão dos limites da área de proibição, a audiência saneadora dessa quinta-feira (15), entre a Samarco (réu) e o MPF (autor), teve também a participação da Defensoria Pública da União, que solicitou formalmente sua participação como assistente do MPF. Pedido ainda vai ser julgado.

Lamentavelmente, no entanto, o magistrado não estabeleceu as regras nem o prazo para realização da perícia, deixando essas definições ao sabor de um acordo entre a Samarco/Vale/BHP e o MPF.

Nessa mesma quinta-feira, uma outra audiência, mediada pelo Ministério Público do Trabalho (MPT), tratou de questões relativas aos cadastramentos e valores de cartões distribuídos entre as comunidades já reconhecidas como atingidas.

O Fórum Norte da Foz rio Doce, no entanto, se fez presente, acompanhado da Defensoria Pública Estadual, e reivindicou seus direitos como atingidos. A Samarco limitou-se a dizer que aguarda definição da Justiça.

Na sexta-feira (16), as duas Defensorias Públicas – estadual e da União – se reuniram para discutir, entre outros assuntos, estratégias para conseguir o recomento das comunidades do norte da foz do rio Doce. Ainda não foi definido nenhum plano, pois o entendimento é que as instituições ainda precisam levantar mais informações.

Na próxima semana, inclusive, serão realizadas cinco audiências públicas com as comunidades já reconhecidas, para apresentar como se dará o apoio das Defensorias às comunidades atingias durante as negociações sobre indenizações e outros benefícios concedidos pela Samarco.

Mobilização social precisa crescer

As audiências serão promovidas pelo chamado Grupo de Trabalho Interdefensorial do Rio Doce, que tem como terceiro integrante a Defensoria Pública de Minas Gerais. O Grupo foi criado também na quinta-feira (15), em Brasília, através de um Termo de Cooperação Técnica.

Serão duas audiências em Colatina, uma em Baixo Guandu e duas em Linhares. A Samarco foi convidada a participar como palestrante, bem como os fóruns em defesa do rio Doce. “A organização dessas audiências só é possível graças ao intenso trabalho dos fóruns. Elas estão acontecendo por causa dos movimentos sociais e organizações da sociedade civil”, reconhece o defensor público e um dos coordenadores do grupo do rio Doce, Rafael Mello Portella Campos. 
 
“Vamos reforçar nosso compromisso de que, independentemente do que ocorrer nos próximos meses, estaremos junto das comunidades para apoia-las”, afirma o defensor público federal João Marcos Matos Mariano.

A participação das comunidades atingidas, reconhecidas ou não, é fundamental nesses e outros espaços de discussão e mobilização. É preciso pressionar as defensorias, os ministérios públicos e a Justiça Federal, para que providencie o reconhecimento das comunidades ao norte da foz do rio Doce

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Precipitou-se

Com um olho em 2018 e outro em 2020, Luciano Rezende antecipou o processo eleitoral, mas esqueceu a Lava Jato. Aí mora o problema.

OPINIÃO
Renata Oliveira
Majeski deve bater asas
Pelo andar da carruagem da disputa pela presidência do PSDB estadual, a história do deputado com o partido caminha para um melancólico fim
JR Mignone
Qual rádio ouviria hoje?
Sinceramente, não saberia explicar que tipo de rádio eu ouviria hoje, isto é, que me motivaria a ligar o botão para ouvi-la: uma de notícia ou uma só de música selecionada
Geraldo Hasse
A doença da intolerância
Ela está nos estádios, nos governos, nas igrejas, nos parlamentos, nas ruas, nos tribunais
Caetano Roque
Emprego de ficção
Diariamente vagas e mais vagas são prometidas nos jornais e onde está o sindicato para cobrar isso
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Branca, o Teatro e a sala de estar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Fuzis e baionetas, nunca mais!
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Turista acidental
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Subseção da OAB-ES cobra esclarecimento sobre atuação de Homero Mafra na defesa de acusado

Posse de tucano no Turismo é demonstração interna de força de Colnago

Justiça Federal determina que 14 municípios adotem ponto eletrônico para médicos e dentistas

Dary Pagung vai fechar a porta para emendas de deputados no orçamento

Ato público abre Semana Sem Petróleo no Espírito Santo