Seculo

 

Escola Familiar Agrícola realiza mais um encontro de mulheres camponesas


23/09/2016 às 17:49
Difícil saber o que é mais produtivo e edificante: se o encontro, em si, ou o processo preparatório para a sua realização. Os encontros de mulheres camponesas realizados há 19 anos pela Escola Familiar Agrícola de Vinhático, em Montanha, noroeste do Espírito Santo, é sempre fruto de um trabalho coletivo, que envolve intensamente os estudantes e a comunidade. Este ano será realizado neste sábado e domingo (24 e 25), com ampla programação.

Na verdade, assim é com tudo o que é produzido dentro da escola. Porque um dos princípios que guia as escolas familiares agrícolas é a formação integral do indivíduo, com foco em sua inserção participativa no contexto social ao qual ele pertence.

“A escola age na formação de sujeitos mais autônomos e pensantes, na formação de jovens protagonistas”, afirma Matheus Pancieri Fellim, um dos estudantes que atua na organização do XIX Encontro. “É um princípio, um valor estupendo que a nossa escola carrega. Não é só aprender Português e Matemática, é formar o jovem pra ele ser protagonista na comunidade dele, ser uma pessoa que vai lutar pelos quilombolas, pelos assentados da Reforma Agrária, pelas pessoas marginalizadas, pelos pobres, e para ocupar espaços na política. Isso está tão presente na minha escola, que tem sujeitos que hoje ocupam cargos políticos importantes. As pessoas bem-sucedidas da agricultura passaram pela escola família”, atesta o estudante.

Matheus vem de uma família já tradicional na Escola Familiar Agrícola de Vinhático (EFAVI). Seu pai já participava do conselho da escola antes que ele começasse a estudar. E continua até hoje. Ele também se vê participando da escola mesmo depois de concluídos os estudos.

Ilva Nogueira Moreira Panciero, dona de casa e agricultora aposentada, tem trajetória semelhante. As três filhas passaram pela Escola de Vinhático, sendo que duas se formaram técnicas agropecuárias e, depois, fizeram faculdades de Agronomia e Biologia, e a caçula concluiu o ensino médio fora e se formou em Administração. Ela, no entanto, continua ativa no conselho da escola e na comissão de organização do encontro. “Porque essa escola pra gente é tudo. É uma base pros filhos, pros agricultores. É por isso que a gente está aqui”, conta.

Ilva ajuda nos mutirões e, para a festa, tem a tarefa de levantar dinheiro e brindes para o bingo. Este ano, como candidata à Rainha das Margaridas, foi atrás também de votos. Tem duas concorrentes. “De dia tem as palestras e de noite a festa da primavera. Enfeitamos tudo com flores, fazemos bolos, biscoitos, doces”, descreve, animada.

Este ano, os temas das duas palestras são: “Os desafios da atualidade e nosso papel de mulher” e “A importância do autoconhecimento da mulher para uma atuação mais equilibrada na família, trabalho e sociedade”. A programação conta ainda com oficinas, festa cultural, bingo, místicas e técnicas de relaxamento.

A dona de casa conta que participa do Encontro desde a primeira edição e que foi a primeira vez que fez as malas pra passar a noite fora de casa, a não ser as vezes em que foi ao hospital para parir as três filhas. “Esse encontro é o dia de sair de casa, ficar longe de fogão, ficar feliz, cantar, dançar, pular. É um dia de lazer”, festeja.

A dedicação à escola e às atividades que ela desenvolve, como o Encontro de Mulheres, foi a forma encontrada para apoiar a educação das filhas e retribuir as bênçãos recebidas. “Eu não estudei, sei o 'basiquinho' pra mim, pra ler e escrever um pouco, mas pra mim, o básico. E o  que eu não tive, eu dei pras minhas filhas”, emociona-se.

Só mesmo o afeto e o senso de pertencimento explicam o sucesso das escolas agrícolas familiares, com sua Pedagogia da Alternância, em que o estudante alterna uma semana inteira, dormindo e se alimentando no ambiente escolar, com uma semana em casa, ajudando a família com a lida na lavoura.

As EFAs são criadas e mantidas por associações de pais e membros da comunidade, todos voluntários. A sustentação financeira vem de duas fontes principais: convênio com a municipalidade e recursos levantados pela própria comunidade. No caso do Vinhático, a festa anual arrecada a maior parte do orçamento, havendo também os projetos selecionados em editais, como o do Bando do Brasil, mais recentemente. As contribuições mensais dos associados têm valor simbólico de R$ 2,00 e, para a alimentação, é sugerida uma contribuição, voluntária, de R$ 25,00 por semana.

A Escola Familiar Agrícola de Vinhático foi fundada há 29 anos e já formou 500 técnicos agrícolas. Hoje tem 170 estudantes – de 14 municípios e três estados – no ensino fundamental e médio, integrado ao curso profissionalizante técnico em agropecuária. “Já sai no quarto ano com diploma”, orgulha-se Matheus.

A qualidade do ensino é amplamente reconhecida, atraindo alunos até da cidade que, mesmo não vivendo a realidade do trabalho rural, são atraídos pela qualidade e pelo método diferenciado de ensino, que privilegia uma formação mais completa, de cidadão, e não só de um profissional, especializado em uma área de conhecimento. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Cara e crachá

Uns publicaram vídeos e notas nas redes sociais, outros só notas, outros nada. Mas a CPI da Lava Jato continua na conta dos deputados arrependidos

OPINIÃO
Editorial
A Ponte da Discórdia
Terceira Ponte entra novamente no centro dos debates políticos em ano eleitoral. Enquanto isso, a Rodosol continua rindo à toa...
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Geraldo Hasse
Mundo velho sem catraca
Cinquenta anos depois, é possível fazer um curso técnico por correspondência via internet
Roberto Junquilho
Hartung, o suspense
O governador Paulo Hartung mantém o suspense e pode até não disputar a reeleição em 2018
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uma revoada de colibris
MAIS LIDAS

Visita de interlocutores de Hartung a Rodrigo Maia sinaliza mudança de cenário

Juiz Leopoldo mais próximo de ir a Júri Popular por assassinato de Alexandre Martins

Contrato do governo do Estado com a Cetesb sobre poluição do ar continua sigiloso

Hartung, o suspense

LDO será votada na próxima segunda-feira na Assembleia