Seculo

 

Diretor-presidente e executivos da Samarco/Vale-BHP vão responder por homicídio por crime no Rio Doce


20/10/2016 às 16:39
O Ministério Público Federal (MPF) denunciou 21 pessoas, entre elas o diretor-presidente da Samarco Mineração, Ricardo Vescovi, e os representantes das empresas controladoras (Vale e BHP Billiton) no Conselho de Administração da mineradora por homicídio qualificado com dolo eventual pelo rompimento da barragem de Fundão em Mariana (MG).  A denúncia também responsabiliza a Samarco/Vale-BHP, além da VogBR, pela maior tragédia ambiental da história do País, que deixou 19 mortos e um rastro de destruição e prejuízos até a foz do Rio Doce, atingido pela lama de rejeitos de mineração.

De todas as 22 pessoas denunciadas, apenas o engenheiro Samuel Santana Paes Loures, da VogBR  – responsável pelo laudo ambiental que atestava a estabilidade da barragem –, não foi acusado de homicídio. Ele vai responder, juntamente com a empresa, pelo crime de apresentação de documento falso – no caso, do próprio laudo ambiental. Todos os demais, além da acusação de homicídio qualificado com dolo eventual (quando se assume o risco de matar), vão responder por crimes ambientais, inundação, desabamento e de lesão corporal. Já as empresas Samarco/Vale-BHP são acusadas da prática de nove crimes ambientais.

O ajuizamento da denúncia foi anunciado nesta quinta-feira (20) pela força-tarefa do MPF que investiga o crime ocorrido em novembro do ano passado. A divulgação acontece no momento em que a empresa iniciava mais uma leva de declarações à mídia com objetivo de “sensibilizar” a opinião pública quanto à retomada das atividades da Samarco. No Espírito Santo, a Assembleia Legislativa chegou a se articular entre empresários e políticos para pressionar as autoridades pelo retorno das operações da empresa em Anchieta.

Entre os denunciados estão: Ricardo Vescovi de Aragão, diretor-presidente licenciado; Kléber Terra, diretor de operações; Germano Lopes, gerente-geral de projetos; Wagner Milagres Alves, gerente de operações; Daviely Rodrigues Silva, gerente de geotecnia e hidrogeologia; além dos integrantes do Conselho de Administração da Samarco, Stephen Michael Potter; Gerd Peter Poppinga; Pedro José Rodrigues; Helio Cabral Moreira; José Carlos Martins (indicados pela Vale); James John Wilson; Antônio Ottaviano, Margaret MC Mahon Beck; Jeffery Mark Zweig; Marcus Philip Randolph (indicados pela BHP) e os membros na governança da mineradora, Paulo Roberto Bandeira; Luciano Torres Sequeira; Maria Inês Gardonyi Carvalheiro (Vale); Sérgio Consoli Fernandes; Guilherme Campos Ferreira; e André Ferreira Gavinho Cardoso (BHP).

Segundo reportagem no portal G1, o procurador da República, José Adércio Leite Sampaio, informou que o MPF pede ainda a reparação dos danos causados às vítimas – cujo valor será apurado durante a instrução processual. A análise feita pela força-tarefa revelou problemas no maciço da barragem, vazamento de água, problemas na quantidade de água na barragem e nos procedimentos adotados para que fossem feitos o alteamento e o recuo de Fundão.

Além das mortes e rastros de destruição, o crime da Samarco/Vale-BHP decretou a morte do Rio Doce, contaminado pelos rejeitos da mineração, que chegaram também ao litoral do Espírito Santo por sua foz, localizada em Regência, Linhares. A lama interrompeu o abastecimento de água potável em municípios mineiros e capixabas e acabou com a principal fonte de sustento das comunidades ribeirinhas, a pesca artesanal e o turismo. Quase um ano após o crime, os atingidos continuam dessassistidos pela empresa e com dificuldades de subsistência.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Tabuleiro de 2018

Ele já negou intenção de deixar o PT ou mudanças de planos, mas movimentações de Givaldo continuam chamando atenção do mercado político

OPINIÃO
Editorial
Fosso social
No Espírito Santo, população negra é mais vulnerável à violência, é maioria no sistema carcerário e nas filas de desempregados
Renata Oliveira
Solidão sem fim
A oposição de Majeski na Assembleia não encontra coro entre os pares, nem no grupo arredio
JR Mignone
Rádio bandeira
A trajetória deste segmento de rádio em capitais é grande
Caetano Roque
A força da CUT
É hora de a Central assumir sua função de agregadora dos trabalhadores e das bandeiras de luta
Geraldo Hasse
Os golpes se sucedem
Em plena era do GPS, a reforma trabalhista sugere multiplicar os ''chapas''
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Fuga do Paraíso
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

'Orgânico não tem que ser caro'

Tabuleiro de 2018

Conselheiro José Antônio Pimentel vira réu em ação penal por corrupção

Eleição da nacional alimenta divisão no PSDB capixaba

Cariacica pode ter redistribuição de votos para disputa eleitoral de 2018