Seculo


  • Lava Jato no ES

 

Vereadores querem volta do monitoramento do pó preto na Grande Vitória


12/11/2016 às 20:55

Vereadores de Vitória se mobilizam para requerer ao governo estadual o retorno do monitoramento do material particulado que polui o ar da Grande Vitória, o conhecido pó preto. Davi Esmael (PSB) anunciou nessa quinta-feira (10), em suas redes sociais, a solicitação feita ao Estado.

A última medição do pó preto foi feita em junho. Com o vencimento do contrato com o laboratório responsável pelo trabalho, o monitoramento foi interrompido. Desde julho, o site do Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema) não mostra nenhum dado das emissões, de responsabilidade principalmente das poluidoras Vale e ArcelorMittal.

A Juntos SOS Ambiental foi a primeira entidade a fazer a denúncia da interrupção do monitoramento. No início de novembro, após repercussão na imprensa, o Iema disse que um novo contrato já está tramitando na Procuradoria Geral do Estado (PGE). A população, no entanto, continua sem informações sobre as emissões.

O monitoramento da quantidade de pó preto traz dados importantes para a definição de medidas de controle da poluição e de mitigação dos danos provocados sobre a saúde e o meio ambiente. “Não podemos comprometer a saúde e bem-estar dos capixabas e, muito menos, ignorar as questões ambientais”, afirmou Davi Esmael.

O Sindicato dos Servidores Públicos do Estado (Sindpúblicos) também questionou ao Iema e ao secretário de Estado de Meio Ambiente, Aladim Cerqueira, sobre a suspensão do monitoramento, mas não obteve respostas. A entidade cobrou informações sobre o fim do contrato, a empresa responsável pelo monitoramento, e os motivos dos últimos dados se referirem a maio de 2016.

"A situação só reforça a total submissão do governo Hartung às grandes empresas poluidoras, muitas financiadoras de suas campanhas, e revela o descaso para com a população da Grande Vitória, que é diariamente prejudicada tendo sua saúde e qualidade de vida afetadas", aponta a entidade.

Segundo o sindicato, com a recusa em fornecer informações básicas à sociedade, a gestão estadual fere a própria Constituição Federal Brasileira, que preconiza o Princípio da Publicidade, bem como a Lei de Acesso à Informação (Lei Federal nº 12.527/2011), que determina que os entes públicos forneçam informações objetivas, transparentes, claras e em linguagem de fácil compreensão; e dados em formato aberto e manejável. O Sindipúblicos informa que irá fazer denúncias formais aos órgãos competentes para providências.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Cortina de ferro

Como o PT vai sair do imbróglio em que se meteu após a eleição de Coser (foto) para comandar o partido?

OPINIÃO
José Rabelo
A ocasião faz a cabeça
Preocupado em descolar a Reforma Trabalhista de Temer, Ricardo Ferraço se alinha à narrativa dos tucanos cabeças pretas
Piero Ruschi
Ecomemória: lembranças da destruição ambiental no ES
Guardo em casa um jogo curioso. Na capa, o Museu Mello Leitão ao lado da Aracruz Celulose - uma atroz incoerência lógica
Lídia Caldas
Nutrição e gestação
Será que uma gestante tem mesmo necessidade de uma dieta alimentar diferenciada?
Geraldo Hasse
Salgado Filho, um simples herói
Hoje ninguém mais lembra o advogado que regulamentou o comércio dos ambulantes
Caetano Roque
Água da mesma pipa
Na verdade, não houve embate na eleição no Sindicomerciários
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Uma festa para Ro Ro que rolou escada abaixo
Panorama Atual

Roberto Junquilho

O cinismo explícito e a esperança de fora Temer renovada
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Meu dia, seu dia
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Ferraço: 'Hartung continua o mesmo: enganando, tripudiando e passando por cima de todos'

Distritão ganha força no Congresso e pode pôr fim ao 'efeito Tiririca'

Cortina de ferro

Audiência pública debate contaminação e mortandade de peixes em rios de Aracruz

Comdema nega recurso à Infraero e mantém multa de R$ 535 mil por emissão de poeira