Seculo


  • Lava Jato no ES

 

Letra-morta


23/11/2016 às 20:01
A crise financeira dos estados impôs uma nova realidade aos gestores públicos, que hoje se veem forçados a adoção de medidas de ajuste. A necessidade do ajuste fiscal tornou quase imperiosa a adoção de medidas controversas, seja na retirada de direitos ou a diminuição das obrigações do Estado. No entanto, foi inaugurado um caminho para a burla à legislação, sendo ainda mais grave devido à anuência dos órgãos de fiscalização.

Diante deste cenário, uma das regras constitucionais, como a admissão no serviço público através de concurso também passou a ser flexibilizada. É possível que muito em breve, todos os futuros profissionais de áreas consideradas essenciais – saúde e educação, por exemplo – não sejam mais efetivos, aprovados em concursos de provas ou de provas e títulos. Mas que sejam substituídos por servidores temporários, nomeados através de processos simplificados de seleção.

Numa perspectiva história, o governo do Espírito Santo começou a ampliar o número de servidores em designação temporária, os famosos DTs, a partir da última década. Desde então, a prática começou a tomar conta também de algumas prefeituras. Apesar do expediente no Executivo estadual nunca ter sido combatido de frente pelos órgãos de controle, os prefeitos capixabas não tiveram a mesma sorte. Alguns foram processados e até condenados em ações movidas pelo Ministério Público. Mas esse quadro está para mudar.

Recentemente, o Tribunal de Contas do Estado (TCE) resolveu abrir uma brecha para a expansão dos servidores temporários, tanto na administração estadual, quanto nos municípios. No julgamento de uma auditoria especial (processo TC 7254/2008) na Prefeitura de Venda Nova do Imigrante (região serrana), a 2ª Câmara do tribunal deixou de aplicar multa a dois gestores (o ex-prefeito Braz Delpupo e o atual Dalton Perim, do PMDB) pela prática de contratações temporárias irregulares de vários tipos de profissionais – professores, enfermeiros, auxiliares de serviços gerais e até serventes.

O relator do caso foi o conselheiro Domingos Augusto Taufner, divergindo do entendimento da área técnica do TCE e do Ministério Público de Contas (MPC), que defendiam a aplicação de sanções aos gestores. Em seu voto, o conselheiro-relator fez uma crítica ao que chamou de verdadeira “demonização” sobre as contratações temporárias nos últimos anos. Taufner negou que o expediente fosse uma burla à regra do concurso público e ainda citou a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) para justificar a contratação de DTs ao invés de profissionais concursados.

“Quando alguém é contratado por concurso público representa a assunção de uma despesa de caráter permanente para toda a vida funcional e, havendo regime próprio de previdência, também para a fase da inatividade [...] O excesso de admissão por concurso, os aumentos da remuneração, as decisões judiciais (embora legais) que oneram a folha de pagamento sem levar em conta a realidade fiscal, dentre outras situações, tem agravado a crise fiscal por que passam os Municípios”, argumentou Taufner, cuja toda sua trajetória é ligada ao serviço público de carreira.

Último presidente do Tribunal de Contas, Taufner foi aprovado em dois concursos – de auditor fiscal da Prefeitura de Vitória e de procurados de Contas, até ser nomeado como conselheiro na vaga destinada ao MP. No entanto, ele chegou à conclusão de que o “aumento do número de servidores efetivos por parte do poder público tem que ser feito com muita prudência”. Esse mesmo entendimento foi seguido pelo conselheiro Sérgio Manoel Nader Borges.

O único voto divergente partiu do conselheiro substituto, João Luiz Cotta Lovatti, que é auditor de carreira do tribunal. Para ele, a exigência de concurso público, prevista na Constituição Federal é “norma cogente e sua aplicação independe da vontade do gestor”, lançando por terra o proselitismo de Taufner ao relacionar a obrigatoriedade do concurso público com a crise financeiros dos municípios.

Para Cotta Lovatti, as discussões sobre esse modelo e as disfunções sobre a forma de distribuição de atribuições devem ser discutidas no foro adequado, qual seja, nas casas legislativas. Ele defendeu a auditoria do TCE flagrou infrações de natureza grave, que exigiam a “rigorosa atuação da Corte a fim de inibir a repetição de fatos da mesma”. No entanto, acabou sendo vencido.

Essa é mais uma decisão que tem o potencial de abrir brechas para gestores descumprirem o que rege a legislação. Podemos citar o recente caso dos Termos de Ajustamento de Gestão (TAG), instrumento que deve permitir a flexibilização da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), sugerido pelo próprio TCE. Tudo sob o pretexto do aperto das contas públicas. A crise não pode servir de justificativa para que a letra fria da lei acabe se tornando uma letra-morta.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Mais um teste

O prefeito Audifax Barcelos articula de um lado, o deputado federal Sérgio Vidigal do outro...e vai ganhando forma o tabuleiro eleitoral da Serra

OPINIÃO
José Rabelo
A vez dos fichas-limpas
No país da Lava jato, pesquisa Datafolha aponta que a corrupção tornou-se a principal preocupação dos brasileiros
Lídia Caldas
Nutrição e gestação
Será que uma gestante tem mesmo necessidade de uma dieta alimentar diferenciada?
JR Mignone
Avalanche de informações
Talvez a juventude seja o seguimento que mais sofre com tantos fatos e versões
Geraldo Hasse
Salgado Filho, um simples herói
Hoje ninguém mais lembra o advogado que regulamentou o comércio dos ambulantes
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Uma festa para Ro Ro que rolou escada abaixo
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Mulher "noiada" mostra a falência de programas sociais
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Meu dia, seu dia
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Justiça arquiva investigação contra deputado e juiz citados na Operação Pixote

Comando Geral da PM chama de volta ao trabalho líderes de associações classistas

Mais um teste

A vez dos fichas-limpas

MPA: Programa Compra Direta de Alimentos é 'esmola' do Estado para agricultura familiar