Seculo


  • Lava Jato no ES

 

Entressafra de lideranças


28/11/2016 às 18:16
Política não é minha praia, mas não posso deixar de comentar as coisas que acontecem neste país. O teto de gastos criado pelo governo federal, que muitos são contra por não estudarem o assunto, foi como uma avalanche em todos os meios. Ora, o governo federal faz o que pode. É irrecuperável o rombo que o governo do PT deixou neste país. O responsável, ou responsáveis, tem nome, sobrenome e endereço fixo. Aliás, nome não, apelido.
 
Outro dia o governador do Espírito Santo, Paulo Hartung, disse em uma solenidade que o maior déficit deste país é a falta de lideranças. Vou dar a mão à palmatória ao governador. Temer é melindroso e não tem saída. Ele até que enfrenta a situação, mas é muito caótica em todos os campos: político, moral, social, econômico e até esportivo (com a decadência também do futebol).
 
Publicou-se recentemente em um jornal de Vitória que já se está discutindo a sucessão estadual em pleno novembro pós-eleição municipal. Nomes improváveis vêm à tona, talvez para que já sejam logos “queimados”. Uma velha tática política. Mas seriam elas boas “lideranças”?
 
Voltando à “falta de liderança”, o maior exemplo disso esta no próprio Temer. Há quem afirme que ele é um velho lobo e sabe o que faz. É político profissional, sabe escorregar. Mas a situação atual não coaduna essas práticas. O momento exige firmeza em tudo. O país esta esfacelado, com o moral baixo.
 
Duas atitudes nefastas do presidente fizeram com que o povo duvidasse ainda mais de sua governança; uma quando ele disse que se prender Lula o país entra em ebulição. Talvez já saiba que isso acontecerá e se prepara. A outra foi manter o Geddel Vieira no cargo depois do episódio envolvendo o agora ex-ministro e o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Temer precisa entender que há ministros duvidosos no seu governo por força de acordos políticos.
 
Mas não é dessa liderança que se refere o governador PH. É da liderança administrativa, econômica, capaz de manter a ferro e fogo o orçamento estável do estado. Liderança social, nem tanto, talvez por força do momento ou até mesmo do seu próprio desgaste como político no cenário há tanto tempo.
 
A liderança política é que faz PH ter sucesso nas outras áreas. Essa ele aprendeu há muito tempo, desde primórdios estudantis. Parece que lia Golbery ou que já memorizou O Príncipe.
 
MENSAGEM FINAL
 
Os homens se empenham mais em mascarar do que em consertar. Benjamin Franklin

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Tem, sim!

Não escapou Hartung nem Baianinho dos protestos de desta sexta-feira no Estado

OPINIÃO
Editorial
A PM sendo PM
Depois de estarem do “outro lado do balcão, policiais militares voltam a recorrer à violência para reprimir greve geral dos trabalhadores no ES
Renata Oliveira
O que esperar de PH para 2018?
A história do Baianinho pegou e dificulta o caminho eleitoral do governador
Geraldo Hasse
Os apuros do rei da petroquímica
A ascensão da Braskem faz lembrar o ditado: tudo que sobe rápido demais, desce ligeirinho
Lídia Caldas
Como ter um coração saudável?
Curioso que algumas coisas que hoje são heresias amanhã podem se tornar dogmas
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Nenna, em transição
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Odebrecht quebrou a "Omertá", e agora?
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Aniversário devia ser feriado
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

O que esperar de PH para 2018?

Justiça absolve ex-secretário Neivaldo Bragato de acusação de improbidade

Prefeitura publica edital para alienação do Saldanha da Gama

Projetos prejudiciais ao governo adormecem na pauta da Assembleia

Prefeitura realiza audiência pública sobre condomínio de luxo na Bacutia