Seculo

 

Desarticulando


29/11/2016 às 11:31

Quem tiver a curiosidade de parar por alguns minutos nas portarias das principais empresas do Estado, no momento da troca de turnos, vai observar um movimento interessante. As diferenças de sotaques denunciam uma manobra do capital à qual o movimento sindical deve ficar atento.

Boa parte dos trabalhadores que passa pelos portões dessas empresas não é do Espírito Santo, e a movimentação pelo País é grande. Isso é uma estratégia das empresas para desarticular os movimentos sindicais. Com a grande rotatividade de funcionários, os sindicatos perdem o controle da base e se enfraquecem.

No Estado, a diminuição das bases dos sindicatos é cristalina. O Sindicado dos Metalúrgicos, por exemplo, na década de 1980 tica cerca de 20 mil filiados. Hoje, esse cinco mil. O movimento dos empresários foi eficiente, primeiro dividindo a base, com o Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil e depois cooptando mesmo as lideranças do sindicato, que com o passar do tempo tiveram mais acesso às gestões da entidade. Com menor articulação política por parte do sindicato, mas fácil ficou para os empresários.

Essa estratégia de desmobilizar a base, trocando os trabalhadores de Estado é eficiente para o Capital, porque impede os laços com o movimento sindical, evita que os trabalhadores possam trocar ideias sobre suas condições de trabalho. Formação política, então, nem pensar. Deslocado de sua cidade, o trabalhador não tem tempo, nem relações interpessoais suficientes para buscar a aproximação com o movimento sindical.

Com isso, fica mais fácil para que o Capital possa influenciar em nível político as mudanças trabalhistas, os direitos fundamentais, sem ser incomodado pelo movimento, que uma vez desarticulado, não consegue unir forças para reagir ao rolo compressor do empresariado. Até mesmo na escolha da liderança da categoria a desmobilização funciona, garantindo a eleição de lideranças que fazem o jogo do patrão.

O movimento sindical está tomando um golpe tão profundo e devastador como o que sofreu o País com o impeachment e continua de braços cruzados olhando a banda passar.

E aí, peão?

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Sem concorrência

E o Troféu Mão Peluda da política capixaba vai para...

OPINIÃO
Renata Oliveira
Gangorra política
O ex-governador Renato Casagrande vive altos e baixos na planície da política capixaba
Lídia Caldas
12 dicas para comer fora e não engordar
A variedade de alimentos no buffet é tentadora! Quando há uma variedade grande, podemos comer o dobro do que costumamos
Geraldo Hasse
Escândalo jurássico
A dívida pública é a principal fonte dos lucros do sistema financeiro
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Deputado federal faz ameaça a Fátima Bernardes ao vivo e motivo revolta o país
Flânerie

Manuela Neves

Todas as épocas são interessantes. Mas nem todas conheceram alguém como Carmélia
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Os tanques de guerra e a marcha dos insensatos
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Pra se acabar na quarta-feira
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Sem concorrência

Prefeito da Serra precisa aumentar base para atender projeto da nacional

Temer confirma Lelo Coimbra como líder da maioria na Câmara

MPES solicita informações de apenados para verificar pagamentos de indenizações a vítimas

Ministério Público do Trabalho assume mediação de acordo entre governo e mulheres de PMs